O pensamento e o movente: experiência da duração ante os processos de aceleração da história e alguns desafios para a educação.

Áurea Maria Guimarães, José Luiz Pastre

Resumo


Esse artigo tem por objetivo problematizar alguns aspectos das mudanças produzidas pelos novos meios técnicos e científicos. Essas mudanças afetam nossa maneira de habitar o planeta, nossas relações interpessoais, a maneira como nos relacionamos com o passado e com o futuro, a maneira como nos relacionamos com nossa memória e com a cultura, afetam as experiências de aprendizagens, trazem novos desafios para os processos educacionais. Considerando a importância dessas questões para o campo da educação, autores como Henry Bergson, Walter Benjamin, Paul Virilio, Paula Sibilia, Felix Guattari e Vigotski podem nos ajudar a compreender de que maneira a realidade passa a ser percebida ante os processos de aceleração do tempo histórico e como nossa sensibilidade se altera, dificultando o pensamento, o diálogo, a narrativa de experiências. Se a rapidez das informações e da comunicação coloca novos problemas para nossa liberdade, para a maneira como nos relacionamos com o tempo segundo uma experiência da duração, para nossa capacidade de avaliar o que nos acontece, procuramos indicar que a cultura e a comunicação necessitam da duração, dos vínculos sociais e de que a educação, pensada como uma ação cultural, deve se interrogar pelas ações que possibilitem uma "reação transformadora", diante dessas mudanças.


Palavras-chave


Cultura. Duração. Experiência. Velocidade. Poder. Tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Vol. 1: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BERGSON, Henry. Durée et simultanéité. Paris: QUADRIGE/PUF, 1992.

BERGSON, Henry. L’évolution créatrice. Paris: QUADRIGE/PUF, 1996.

BERGSON, Henry. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: 34, 1992.

GUATTARI, Félix. Psicanálise e transversalidade: ensaio de análise institucional. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Ideias & Letras, 2004.

LAPOUJADE, David. Puissances du temps: versions de Bergson. Paris: Les Édition de Minuit, 2010.

MATOS, Olgária. Os arcanos do inteiramente outro: a Escola de Frankfurt, a melancolia e a revolução. São Paulo: Brasiliense, 1989.

SENNETT, Richard. Juntos. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2012.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: escola em tempos de dispersão. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. A formação social da mente. Tradução de José Cipolla Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIRILIO, Paul; LOTRINGER, Sylvere. Guerra pura: a militarização do cotidiano. Tradução de Elza Miné e Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: Brasiliense, 1984.

VIRILIO, Paul. A velocidade de libertação. Tradução de Edmundo Cordeiro. Lisboa: Relógio D’água Editores, 2000.

FILME

PAUL VIRILIO: Penser La Vitesse. Direção: Stéphane Paoli, Produção: Arte France & La Generale de Production. França, 2008. Duração: 90 min. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.20396/etd.v18i2.8644681

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 ETD - Educação Temática Digital

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

(c) ETD - Educ. Temat. Digit., Campinas (SP) - ISSN 1676-2592.