Segundo Camões, a pedagogia de Vênus e Cupido pelo amor no mundo

Luis Maffei

Resumo


Este ensaio se propõe refletir acerca do papel desempenhado por Vênus e Cupido n’Os Lusíadas no que tange a uma pedagogia amorosa. A partir do estatuto mitológico de que desfrutam, a deusa do amor e seu filho, no Canto IX do poema, propõem uma radical mudança no mundo, reposicionando o amor, fundamental traço do humano na mundivisão camoniana, no topo de uma escala de valores justa e educativa. O trabalho pensado por Vênus, não obstante guardar desconcertos intrínsecos, visa a concertar  a desorientação no mundo, causada, entre outros aspectos, pela valorização do dinheiro e do mercantilismo. Como é utópica a ficcional a tarefa de Vênus, ela se situa dentro do poema, criando uma associação entre amor e experiência poética.
Palavras-chave: Os Lusíada, Vênus, pedagogia, amor, revolução.

This essay intends to reflect on the role played by Venus and Cupid in Os Lusíadasin the matter of a love pedagogy. From the mythological status that they enjoy, the goddess of love and his son, in the Chant IX of the poem, propose a radical change in the world, repositioning the love, fundamental human trait in camonian worldview, on top of a fair and educationalscale of values. The work thought by Venus, although keep intrinsic disconcert, aims to fix disorientation in the world, caused, inter alia, by the increase in value of the money and commercialism. How the task of Venus is fictional and utopic, it lies within the poem, creating an association between love and poetic experience.
Keywords: Os Lusíadas; Venus; pedagogy; love; revolution.

Palavras-chave


Os Lusíada, Vênus, pedagogia, amor, revolução

Texto completo:

PDF

Referências


BELO, Ruy. Poesia e educação. In: Na senda da poesia. Organização de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de mitos literários. 3. ed. Tradução de Carlos Sussekind, Jorge Laclette, Mª Thereza Rezende Costa e Vera Whately. Brasília: Editora UNB/ Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Edição organizada por Emanuel Paulo Ramos. Porto: Porto Editora, 1978.

CAMÕES, Luís de. Rimas. Edição de Álvaro J. da Costa Pimpão. Coimbra: Almedina, 2005.

GUSMÃO, Manuel. Aprender a poesia com Ruy Belo. In: Tatuagem & palimpsesto – da poesia em alguns poetas e poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

HELDER, Herberto. Ofício cantante – poesia completa. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

MARQUETTI, Flávia R. Afrodite. In: RIBEIRO JR., Wilson Alves (Org.). Hinos homéricos – tradução, notas e estudo. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

MOURA, Vasco Graça. A mitologia n’ “Os Lusíadas”. Vénus e Marte e a sua tradução humana. In: Luís de Camões: alguns desafios. Lisboa: Vega, 1980.

OLIVEIRA, Maria de Lourdes Abreu de. Versão camoniana da trajetória de um amor além da vida e da morte. In: Eros e Tanatos no universo textual de Camões, Antero e Redol. São Paulo: Annablume, 2000.

SARAIVA, António José. Luís de Camões. 2. ed. Lisboa: Europa-América, 1972.

SILVEIRA, Jorge Fernandes da. Sem as pe(r)nas do povo, o real e a análise – Camões entre dois pontos: o Crítico (Saraiva) e o Poético (Cesário). In: O Tejo é um rio controverso. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635862

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Remate de Males



(c) Remate de Males, Campinas (SP) - ISSN 2316-5758.