Sobre a estrutura das sentenças Pseudo-clivadas e Semi-clivadas

Autores

  • Carlos Mioto Universidade Federal de Fronteira do Sul/CNPq
  • Mary Aizawa Kato IEL/Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v57i1.8641470

Palavras-chave:

Focalização. Pseudo-clivadas. Semi-clivadas

Resumo

O objetivo desse artigo é estudar as sentenças pseudo-clivadas (PCs) e semi-clivadas (SCs) e propor, para elas, uma estrutura diferenciada que atenda suas especificidades. A estrutura proposta para as PCs leva em conta o que muitas vezes é chamado de Efeitos de Conectividade. A estrutura proposta para as SCs leva em conta o fato de que apenas constituintes no domínio de c-comando de T podem ser focalizados. Descartando que PCs e SCs possam ter uma derivação comum, procuramos explicar as várias assimetrias entre elas observadas na literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Mioto, Universidade Federal de Fronteira do Sul/CNPq

Possui graduação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas(1972), mestradopela Pontifícia Universidade Católica de Campinas(1975), doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas(1992), pós-doutorado pela Università di Siena(1998) e pós-doutorado pela Universidade estadual de campinas(2011). Atualmente é Professor da Universidade Federal da Fronteira Sul. 

Mary Aizawa Kato, IEL/Unicamp

Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1957), mestrado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (1969), doutorado em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1972). e pós-doutorado Fulbright na Universidade de Harvard. Outros pós-doutorados: na UCLA, na USC, na U. de Maryland e na NYU. Atualmente é professor titular aposentado - Universide Estadual de Campinas, onde é ainda professor colaborador voluntário.

Referências

AKMAJIAN, A. (1970). On deriving cleft sentences from pseudocleft sentence. Linguistic Inquiry 1: 149-168.

AMBAR, M. (2005). Clefts and tense asymmetries. In: Di Sciullo, A.M. (ed). UG and external systems. Amsterdam/USA: John Benjamins, p. 95-129.

BELLETTI, A. (2004). Aspects of the low IP area. In: Rizzi L. (ed. ). The Structure of CP and IP: the cartography of syntactic structures. Vol 2. Oxford/ New York: Oxford University Press, p. 16-51.

BOECKX, C. (2007). Pseudoclefts: a fully derivational account. In: J. BAYER, T. BHATTACHARYA, M.T. HARRY BABU (eds.) Linguistic theory and South Asian languages: essays in honour of K. A. Jayaseelan. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, p. 29-40.

BOŠKOVIČ, Ž. (1997). Pseudoclefts. Studia Linguistica, 51, p. 235–277.

BOSQUE, I. (1999). On focus vs. wh-movement: the case of Caribbean Spanish. Sophia linguistica working papers in linguistics, p. 44-45.

CAMACHO, J. (2006). In situ focus in Caribbean Spanish: toward a unified account of focus. Procedings of the 9th Hispanic Linguistic symposium. Somerville, p. 1-11.

CHOMSKY, N. (1977). On WH movement. In: CULICOVER, R. P.; WASOW, T.; AKMAJIAN, N, A. (eds). Formal syntax. New York: Academic Press, p. 71-132.

CHOMSKY, N. (1981). Lectures on government and binding. Dordrecht: foris. COSTA, J.; DUARTE, I. (2003). Minimizando a estrutura: uma análise unificada das construções de clivagem em português. Actas da APL, p. 627-638.

DEN DIKKEN, M. (2006). Relators and linkers: the syntax of predication, predicate inversion, and copulas. Cambridge, Mass.: The MIT Press.

HANKAMER, J. (1974). On the non-cyclic nature of Wh-clefting. Proccedings of CLS, 10. Chicago, IL: CLS. p. 221-233.

HIGGINS, F. R. (1973). The Pseudocleft Construction in English. MIT Ph.d. Dissertation.

KATO, M. A. (2009). VP-remnant movement in Portuguese focus constructions. Paper presented at the 39th LSRL, Tucson. Arizona.

KATO, M. A. (2010). Clivadas sem operador no português brasileiro. Estudos da Língua(gem). Vitoria da Conquista. 8:2. p. 61-77.

KATO, M. A.; RAPOSO, E. (2007). Topicalization in European and Brazilian Portuguese. In: J. Camacho, M.J. Cabrera, L. Sánchez e V.Deprez (eds). Romance Linguistics: selected papers from the 36th Linguistic Symposium on Romance Languages (LSRL). Amsterdam: John Benjamins. p. 213-226.

KATO, M. A.; BRAGA, M. L.; CORREA, V.; LOPES-ROSSI, M.A.; SIKANSI, N. N. (1996). As construções-Q no português brasileiro falado. In: Koch, I.V. (ed). Gramática do português falado Vol VI. Campinas: Ed. Unicamp /FAPESP.

KATO, M. A.; MIOTO, C. (2011). Pseudo clivadas e os efeitos de conectividade. In: Estudos Formais da Gramática das Línguas Naturais – Anais do Encontro Nacional do Grupo de Trabalho Teoria da Gramática, p. 51-66. Goiânia: Editora Cânone.

KAYNE, R. (2002). Pronouns and their antecedents. In: S. Epstein and D. Seely (eds) Derivation and explanation in the minimalist program. Malden, Mass: Blackwell, p. 133-166.

KAYNE, R. (2004). The Antisymmetry of Syntax. Cambridge, Mass: The MIT Press.

MATSUDA, Y. (1996). A syntactic analysis of focus sentences in Japanese. MIT Working Papers in Linguistics 31, p. 291-310.

MIOTO, C. (2008). Pseudo-clivadas reduzidas em espanhol caribenho e em português brasileiro. Paper presented at the III Workshop on Romania Nova. Montevideo.

MIOTO, C. (2012). Reduced pseudoclefts in Caribbean Spanish and in Brazilian Portuguese. In: Valentina Bianchi; Cristiano Chesi. (Orgs.). Enjoy Linguistics! Papers offered to Luigi Rizzi on the occasion of his 60th birthday. 1ed. Siena, IT: CISCL Press, p. 287-302.

MIOTO, C.; NEGRÃO, E. V. (2007). As sentenças clivadas não contêm uma relativa. In: A. de CASTILHO, M.A. TORRES-MORAES, R.E.V. LOPES and S,M.L. CYRINO (eds) Descrição, História e Aquisição do Português Brasileiro. Campinas: Pontes, p. 159-183.

MODESTO, M. (1995). As construções clivadas no português do Brasil: relações entre interpretação focal, movimento sintático e prosódia. São Paulo: Humanitas, FLCH/USP.

RESENES, M. S. de. (2009). Sentenças pseudo-clivadas do português brasileiro. MA Thesis. UFSC, Florianópolis.

RESENES, M. S. de. (2014). A sintaxe das construções semiclivadas e pseudoclivadas do português brasileiro. f. 284. Tese (doutorado em linguística). São Paulo, USP.

RESENES, M.; DEN DIKKEN, M. (2012). Semi-clefts as a window on the syntax of predication, modification, and complementation. 48th Annual meeting of the Chiago Linguistic Society. (CLS), Chicago.

RIZZI, L. (1997). The fine structure of the left periphery. In: L.M. Haegeman (ed.). Elements of grammar. Handbook of generative syntax. Dordrecht: Kluwer, p. 281-337.

TORÍBIO, A. J. (1992). Proper government in Spanish: subject relativization. Probus 4, p. 291-304.

URIAGEREKA, J. (1995). A F position in Western Romance. In: K. É. Kiss (ed.). Discourse configurational languages, p. 153-175.

WHEELER, D. (1982). Portuguese pseudoclefts: evidence for free relatives. Eighteenth Regional Meeting Chicago Linguistic Society, p. 507-520.

Downloads

Publicado

2015-08-05

Como Citar

MIOTO, C.; KATO, M. A. Sobre a estrutura das sentenças Pseudo-clivadas e Semi-clivadas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 23–40, 2015. DOI: 10.20396/cel.v57i1.8641470. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8641470. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos