Uma análise de discurso materialista do tratado de educação ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global

Autores

  • Andrea Quirino de Luca Laboratório Oca de Educação e Política Ambiental do Depto de Ciências Florestais da ESALQ/USP
  • Suzy Maria Lagazzi Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v58i1.8646159

Palavras-chave:

Análise de discurso. Educação ambiental. Políticas públicas de educação ambiental

Resumo

Esse artigo tem como perspectiva teórico-metodológica a Análise de Discurso de linha materialista. Seu objetivo é dar visibilidade para as injunções que determinaram a elaboração do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (Tratado de EA), para permitir a releitura desse documento frente às condições de produção de hoje e, assim, fortalecer suas ações. Para tanto, apresenta as condições de produção, as principais marcas do texto e seus efeitos de sentido. O Tratado de EA é considerado um documento referência para a política pública federal de educação ambiental, e sua importância justifica essa análise. Apresentamos os pressupostos do referencial teórico-metodológico, o contexto de sua criação, a análise materialista, e terminamos o trabalho com algumas considerações de ordem teórico-analítica, abrindo as possibilidades de reflexão com novas perguntas. Pretendemos contribuir com um melhor entendimento sobre o discurso que sustenta a política pública de educação ambiental do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Quirino de Luca, Laboratório Oca de Educação e Política Ambiental do Depto de Ciências Florestais da ESALQ/USP

Doutora em Ciência Ambiental pelo PROCAM/USP, realiza pesquisas interdisciplinares junto ao Laboratório Oca de Educação e Política Ambiental do Depto de Ciências Florestais da ESALQ/USP

Suzy Maria Lagazzi, Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp

Professora do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp

Referências

ALTHUSSER, L. (1986) Materialismo histórico e materialismo dialético. Trad. Elisabete A. Pereira dos Santos. 2ed. São Paulo: Global.

ALTHUSSER, L. (1978) Observação sobre uma categoria: “PROCESSO SEM SUJEITO NEM

FIM(S)”. In: ALTHUSSER, L. Posições I. Rio de Janeiro: Graal.

BRASIL. (2014) ProNEA/Educação Ambiental por um Brasil Sustentável – ProNEA, Marcos Legais e Normativos. – 4ed - Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Ministério da Educação. Disponível em: http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/98-pronea (acessado em 21/03/2015).

BRASIL. (2006) ProFEA - Programa de formação de educadores(as) ambientais. Por um Brasil educado e educando ambientalmente para a sustentabilidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Diretoria de Educação Ambiental.

BRASIL. (2005) ProNEA - Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental; Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental. – 3 ed – Brasília: MMA, DF. Disponível em http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/pronea3.pdf (acessado em 21/03/2015)

BRASIL. (2002) Decreto No 4.281/02 – Regulamentação da Política Nacional de Educação Ambiental. Presidência da República, Brasília.

LAGAZZI, S. (2009) O recorte significante na memória. Apresentação no III SEAD – Seminário de Estudos em Análise do Discurso, UFRGS, Porto Alegre, 2007. In: O Discurso na Contemporaneidade. Materialidades e Fronteiras. F. Indursky, M. C. L. Ferreira & S. Mittmann (orgs.). São Carlos: Claraluz. p.67-78.

LUCA, A. Q. (2013) Uma análise de discurso da política pública federal de educação ambiental. Tese de doutorado/USP. São Paulo.

ORLANDI, E. P. (2008) Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. 3ed. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2007) Interpretação - autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5ed. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2006) Análise de Discurso. In: ORLANDI, E.P. & LAGAZZI-RODRIGUES, S. (orgs.). Introdução às ciências da linguagem - Discurso e textualidade. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2004) Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (1999) Análise de discurso - princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (2009) Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi et al. 4ed. Campinas: Unicamp.

PÊCHEUX, M. (2008) O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. 5ed. Campinas: Pontes.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. (2005) Em torno das observações para uma Teoria Geral das Ideologias de Thomas Herbert. Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, n.1, p.15-21.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. (2013) Ambiência e Linguagem na Produção Simbólica do Espaço Urbano: a distinção público/privado e a percepção do movimento. Atmosphäre und Sprache in der symbolischen Produktion des städtischen Raumes: die Unterscheidung öffentlich/privat und die Wahrnehmung von Bewegung. IN: Thibaud, J.-P. e Kazig, R. Hg. (éd.). Städtische Atmosphären. Bielefel: Bielefel, p. 55-89.

SILVA, T. D. (1995) A biodiversidade e a floresta tropical no discurso de meio ambiente e desenvolvimento. Dissertação de mestrado, Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP.

VIEZZER, M. L. (2004) Somos Todos Aprendizes - Lembranças da construção do Tratado de Educação Ambiental. Paraná, Toledo. Disponível em: http://www.ecomarapendi.org.br/REBEA/Arquivos/aprendizes.htm (consultado em 21/03/2015).

Downloads

Publicado

2016-04-18

Como Citar

LUCA, A. Q. de; LAGAZZI, S. M. Uma análise de discurso materialista do tratado de educação ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 1, p. 153–166, 2016. DOI: 10.20396/cel.v58i1.8646159. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8646159. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção geral