Aquisição de leitura/escrita: uma interpretação discursivamente orientada da relação voluntário/automático

  • Fernanda Maria Pereira Freire Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) - UNICAMP
  • Sonia Sellin Bordin Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), UNICAMP
Palavras-chave: Escrita. Fonoaudiologia. Neurolinguística Discursiva

Resumo

Discutimos as particularidades do processo de aquisição de leitura e escrita do sujeito RM, em acompanhamento fonoaudiológico dos 8 aos 12 anos em virtude de queixas de dificuldades escolares, e as diferenças entre seu desempenho na escrita e na leitura, com base nos pressupostos teórico-metodológicos da Neurolinguística Discursiva, em especial, o conceito de palavra e a relação refletido/voluntário e irrefletido/automático apresentados por Freud em seu texto sobre as Afasias. A análise dos dados mostra que ao final do acompanhamento o sujeito apresentava um desempenho melhor na leitura do que na escrita - que passou a ser mais produtiva quando silenciosa -, diferente do que ocorria no início do processo; e que a sua escrita ainda apresenta problemas de ortografia, acentuação, pontuação e traçado de letra, embora, quando questionado, saiba soletrar as palavras corretamente. Esse aparente retrocesso da escrita de RM pode ser explicada por duas razões: (a) automatização não convencional da grafia de algumas palavras, em especial aquelas que usam as letras “b” e “d”; (b) registro de fatos e acontecimentos que exigem maior complexidade sintática, o que desvia sua atenção de como escrever para o quê escrever.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Maria Pereira Freire, Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) - UNICAMP
Fonoaudióloga, Pesquisadora do Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) e Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), ambos da UNICAMP.
Sonia Sellin Bordin, Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), UNICAMP
Fonoaudióloga, Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), UNICAMP

Referências

ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (1997). “Em busca de pistas.” In: ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. (Orgs) Cenas de Aquisição da Escrita – O sujeito e o trabalho com o texto. Campinas. Mercado de Letras. p. 13-36.

BORDIN, S. S. (2010). Fala, leitura e escrita: encontro entre sujeitos. 143 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

COUDRY, M. I. H. 1988 (1986). Diário de Narciso - discurso e afasia. São Paulo. Martins Fontes.

COUDRY, M. I. H. (1996). O que é dado em neurolinguística? In: CASTRO, M. F. P. (Org.) O Método e o dado no estudo da linguagem. Campinas. Editora da Unicamp. p. 179-192.

COUDRY, M. I. H. (2010). Relatório Técnico Projeto Integrado em Neurolinguística: avaliação e banco de dados (CNPq 301726/2006-0).

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. (2010). Pressupostos teórico-clínicos da Neurolinguística Discursiva (ND). In: COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P; ANDRADE, M. L. F. de; SILVA, M. A. (Orgs.). Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Campinas. Mercado de Letras. p. 23-48.

FRANCHI, C. (1987). “Criatividade e gramática”. Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas. v. 9, p. 5-45.

FRANCHI, C. 1992 (1977). Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas. v. 22, p. 9-39.

FREIRE, F. M. P. (2005). Agenda Mágica: Linguagem e Memória. 257 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FREIRE, F. M. P. (2014). “Ver e (re)conhecer letras em diferentes contextos”. In: XVII Congresso Internacional da ALFAL, João Pessoa: Ideia. v. 1. p. 3476-3490.

FREIRE, F. M. P.; KOBAYASHI, A.; GARCIA, B.; COUDRY, M. I. H. (2013). “Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras”. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas. v. 55, p. 45-65.

FREUD, S. 1973 (1891). La afasia. Tradução de Ramón Alcalde. Buenos Aires. Ediciones Nueva Visión.

GERALDI, J. W. (1993). Portos de passagem. 2 ed. São Paulo. Martins Fontes.

MARCUSCHI, L. A. (2003). “A questão do suporte dos gêneros textuais”. Revista DLCV, João Pessoa. v. 1, n. 1, p. 9-40.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. (2004). “Categorização gráfica e funcional na aquisição da escrita e da leitura em língua materna”. Caleidoscópio, São Leopoldo. v. 2, n. 1. P. 89-94.

VYGOTSKY, L. S. (1991). A formação social da mente. 7. ed. São Paulo. Martins Fontes.

VYGOTSKY, L. S. 2004 (1926). Psicologia pedagógica. São Paulo. Martins Fontes.

Publicado
2016-09-05
Como Citar
Freire, F. M. P., & Bordin, S. S. (2016). Aquisição de leitura/escrita: uma interpretação discursivamente orientada da relação voluntário/automático. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 58(2), 329-344. https://doi.org/10.20396/cel.v58i2.8647158