Patrimônio cultural rural paulista: diálogos entre o turismo e a educação não formal

  • Lívia Morais Garcia Lima Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Palavras-chave: Patrimônio. Turismo. Fazendas Históricas. Educação não formal

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir sobre a contribuição do turismo e da educação não formal nos estudos sobre o patrimônio cultural rural no estado de São Paulo. Foi utilizado uma metodologia de caráter qualitativo com ênfase na metodologia da história oral, em associação com registros em diário de campo e a produção de registros fotográficos dos trabalhos de campo realizados. Conclui-se a importância da discussão do turismo no campo da educação não formal e o uso do patrimônio adquirindo novos sentidos e funcionalidade. O turismo pode ser sem dúvidas uma ferramenta educacional, através de um processo que é, ao mesmo tempo, enriquecedor e prazeroso para o turista, o que o aproxima, sem sombra de dúvida, do campo da educação não formal.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Morais Garcia Lima, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP . Realizou estágio de pesquisa doutoral pela Universidade Pontifícia de Salamanca - Espanha, como bolsista BEPE - FAPESP (2013 - 2014). Possui mestrado em Gerontologia pela Universidade Estadual de Campinas (2010) e é graduada em Turismo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007). Atualmente é docente do Programa de Mestrado em Educação do Unisal - Americana/SP. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação formal e não formal, lazer e gerontologia.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Sociologia da educação não formal: reactualizar um objecto ou construir uma nova problemática? In: ESTEVES, A. J.; STOER, S. R. A sociologia na escola. Porto: Afrontamento, 1989.

ALMEIDA, Marina. Prefácio. In: PAES, Maria Teresa Duarte; OLIVEIRA, Melissa. (Orgs.). Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural. São Paulo: Annablume, 2010.

ANSARAH, Marilia. Formação e capacitação do profissional em turismo e hotelaria. Reflexões e cadastro das instituições educacionais do Brasil. São Paulo: Aleph, 1998.

ANTUNES, Maria Costa. Educação Formal e Não Formal no Contexto da Educação ao Longo da Vida. Revista Educareducere, Portugal, v. 13, n. 20, jun. 2007.

BALLANTYNE, Richard; PACKER, James; AXELSEN, Mary. Trends in tourism research. Annals of Tourism Research, v. 36, n. 1, p. 149-152, 2009.

BARRETTO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. Campinas: Papirus, 2003.

BARRETTO, Margarita. Turismo e Identidade local: uma visão antropológica. Campinas: Papirus, 2001.

BENI, Mário. Análise Estrutural do Turismo. São Paulo: Senac, 1998.

BLUNT, Arnold. Education, Learning and development: envolving concepts. Convergence, v. 21, n. 1, p. 37-54, 1988.

CAMPOS, Teresinha. Lazer e Terceira Idade: contributos do Turismo no âmbito do Programa Clube da Melhor Idade. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2003.

DA HORA, Aline; CAVALCANTI, Karina. Turismo Pedagógico: Conversão e Reconversão do Olhar. In: REJOWSKI, Mirian; COSTA, Beatriz (Orgs.). Turismo Contemporâneo: Desenvolvimento, estratégia e gestão. São Paulo: Atlas, 2003.

DAVIS, Kate. Biography as critical methodology. Newsletter Research Committee of ISA, Utrecht University, n. 38, 2003.

DEBERT, Guita. Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice. Textos didáticos, Campinas, n. 13, p. 7-30, jun. 1999.

DEMARTINI, Zeila. Memória e Educação. In: WORCMAN, K.; PEREIRA, J. V. História falada: memória, rede e mudança social. São Paulo: Sesc SP: Museu da Pessoa: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

DENCKER, Aroldo. Metodologia científica. In: TRIGO, Luis (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. São Paulo: Senac, 1998.

FAUSTINO, Ricardo. O turismo em espaço rural como modo de valorização do Patrimônio Cultural: estudos de caso na média depressão periférica paulista: o caso das Fazendas Capoava e Ibicaba. 2006. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2006.

FERNANDES, Renata Sieiro. A cidade educativa como espaço de educação não formal, as crianças e os jovens como indicadores ambientais. Paisagens em debate, São Paulo, v. 2, n. 5, p. 24-45, dez. 2007.

FREITAS, Jorge. Turismo Cultural e Educação de Adultos: Encontros e Desencontros. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Minho, Portugal. 2012.

GARCIA, Valéria Aroeira. A educação não formal como acontecimento. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.

GROPPO, Luís Antônio. Turismo e Humanização. In: GROPPO, Luís Antônio; Candioto, Mario (Orgs.). Turismo: viajar, incluir e humanizar. Taubaté: Cabral Editora, 2005.

LANG, Ana Beatriz Gordo. História Oral: procedimentos e possibilidades. São Paulo: Ceru, 2010.

LOPES, Marcelino Souza. Animação Sociocultural em Portugal. Chaves, Portugal: Intervenção, 2006.

MARINS, Paulo. Preservação do patrimônio rural no Estado de São Paulo: entre ação governamental e práticas sociais. In: CORREIA, T. B.; BORTOLUCCI, M. A. P. C. S. (Orgs.). Lugares de produção: arquitetura, paisagens e patrimônio. São Paulo: Annablume, 2013.

MERCADANTE, Eduardo. Velhice: uma questão complexa. In: CÔRTE, B.; MERCADANTE, E. F.; ARCURI, I. G. (Orgs.). Velhice e Envelhecimento/ Complex(idade). São Paulo: Vetor, 2005.

OLIVEIRA, Glaucia Destro. Gestão e vivências de velhices nas Repúblicas de Idosos de Santos. 2009. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2009.

PALHARES, José Augusto. Gavetos, gavetas e enGAVEtados: Constrangimentos e dilemas dos jovens (enquanto alunos) na escola e para além dela. Portugal: Plataforma Barômetro Social, 2013.

PALHARES, José Augusto. Os sítios de educação e socialização juvenis: experiências e representações num contexto não-escolar. Revista Educação, Sociedade e Culturas, n. 27, p. 109-130, 2008.

PARK. Margarete. Educação formal versus educação não-formal: impasses, equívocos e possibilidades de superação. In: PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro (Orgs.). Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos. Campinas: Unicamp/CMU; Holambra: Editora Setembro, 2005. p. 67-90.

PEIXOTO, Paulo. O desaparecimento do mundo rural. In: CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS: A questão social do novo milênio, 8, 2004, Coimbra. Anais... Portugal: Universidade de Coimbra, 2004.

PELEGRINI, Sandra; FUNARI, Pedro Paulo. O que é patrimônio cultural imaterial. São Paulo: Brasiliense, 2008.

PÉREZ, Xerardo. Turismo Cultural. Uma visão Antropológica. Colección Pasos Edita, Tenerife, Espanha, n. 2, 2009.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: SIMSON, O. R. M. (Org.). Experimentos com Histórias de Vida (Itália – Brasil). São Paulo: Vértice, 1988.

RODRIGUES, Maria José. Cultura e lazer na terceira idade: proposta de intervenção. In: PEREIRA, J. D, L; LOPES, M. S. (Orgs.). Animação Sociocultural na Terceira Idade. Chaves, Portugal: Intervenção, 2009.

SANTANA, Augustín. Antropologia do Turismo: analogias, encontros e relações. São Paulo: Aleph, 2009.

SANTHIAGO, Ricardo; MAGALHÃES, Valéria Barbosa (Orgs.). Depois da utopia: a história oral em seu tempo. São Paulo: Letra e Voz: Fapesp, 2013.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes. História Oral, memórias compartilhadas e empoderamento: um balanço de experiências de pesquisa. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE HISTÓRIA ORAL, 14, 2006, Sidney. Anais... Sidney, Austrália: IOHA, 2006.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes; GIGLIO, Zeila. A arte de recriar o passado: história oral e velhice bem-sucedida. In: NERI, A. N. (Org.). Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas Biológicas, Psicológicas, Sociológicas. Campinas: Papirus, 2001. (Coleção Vivaidade).

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes; PARK, Margarete; FERNANDES, Renata Sieiro (Orgs.). Educação não-formal: cenários da criação. Campinas: CMU/Unicamp, 2007.

SMITH, Mark. Issues in cultural tourism studies. Oxon: Routledge, 2015.

SOUZA, Carlos Pereira. As vozes dos educandos do projeto educativo de integração social – PEIS. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2011.

TOGNON, Marcos. Patrimônio Cultural Rural Paulista: espaço para pesquisa, educação e turismo. In: OITAVA CHAMADA PARA O PROGRAMA DE PESQUISAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS DA FAPESP. Campinas: CMU/Unicamp, 2007.

TOGNON, Marcos. Patrimônio: entre o passado e o presente. In: PARK, Margareth Brandini (Org.). Formação de educadores: memórias, patrimônio e meio ambiente. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

TRIGO, Luis Godoy. Filosofia da formação profisssional nas sociedades pós-industriais. Um olhar para além do tradicional. O caso do lazer e do turismo. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

TRILLA, Jaume. Otras educaciones: animación sociocultural, formación de adultos y cuidad educativa. Barcelona: Editorial Anthropos, 1993.

TRILLA, Jaume. La educación fuera de la escuela. Ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Editorial Ariel Educación, 2011.

TRILLA, Jaume. La educación informal. Barcelona: PPU, 1987.

URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagem nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Nobel, 1996.

WORCMAN, Katrin. As histórias e seus usos. SANTHIAGO, Ricardo; MAGALHÃES, Valéria Barbosa (Orgs.). Depois da utopia: a história oral em seu tempo. São Paulo: Letra e Voz: Fapesp, 2013.

Publicado
2015-12-23
Como Citar
Lima, L. M. G. (2015). Patrimônio cultural rural paulista: diálogos entre o turismo e a educação não formal. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 23(2), 43-56. https://doi.org/10.20396/resgate.v23i30.8645805