Musa Michelle Mattiuzzi

perambulações radicais, gestos de terror e fugitividade em carne

Autores

Palavras-chave:

Michelle Mattiuzzi, Rendimiento, Rendimiento negro, Arte contemporáneo, Arte Contemporáneo en Brasil, Brasileños negros, Feminismo negros

Resumo

Nesse artigo, apresento um breve overview da prática artística de Michelle Mattiuzzi (trabalhos realizados entre 2012 e 2018), focando em algumas de suas performances, ações efêmeras e textos. Ao mesmo tempo, faço uma leitura da prática de Mattiuzzi em diálogo com algumas artistas brasileiras, oferecendo, assim, um mapeamento curto e provisório da produção atual de artistas negras e negros no Brasil. Através desse mapeamento, tento oferecer um entendimento expandido da produção de arte contemporânea no Brasil, bem como alguns insights sobre intervenções específicas feitas no campo por artistas negras e negros. Também argumento que, através do que chamo radical wanderings (perambulações radicais), Mattiuzzi esgarça e aprofunda a tensão criada por seus corpo e presença (e pela arte) na esfera pública fazendo, portanto, uma expansão radical na discussão proposta por algumas de suas contemporâneas sobre a experiência da mulher negra no Brasil. Argumento ainda que os procedimentos estéticos de Mattiuzzi (re)presentam uma intervenção teórico feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Lopes, Universidade de Nova York

Doudorado na Universidade de Nova York, EUA.
 

Referências

ALEIXO, Ricardo. Michelle Mattiuzzi, 2019 [https://www.instagram.com/ricardoaleixoakavulgo/ - accessed in 11/20/2019].

BISPO, Alexandre Araujo and LOPES, Fabiana. Presenças: performance negra como corpo político (Presences: Black Performance as Body Politics). Harper’s Bazaar Art Brasil, São Paulo, 2015, pp.106-112.

BISPO, Alexandre Araujo and LOPES. Corpo, Festa e Dor, Ativismos, Estereótipos Raciais e História Social da Arte em Michelle Mattiuzzi. O Menelick 2o. Ato (n. 01, December 2013) pp.24-28.

CARNEIRO, Sueli. Gênero e raça na sociedade brasileria. In: Escritos de uma vida. Belo Horizonte, Letramento, 2018, pp.155.

CAYMI, Dorival. Samba da minha terra. Eu vou pr’a Maracangalha. Gravadora Odeon, 1957.

CERVENAK, Sarah Jane. Wandering: Philosophical Performances of Radical and Sexual Freedom. Durham and London, Duke University Press, 2014, pp.2.

FERREIRA, Bia. Negra tinta. [https://youtu.be/QiibNepUwhE. - accessed in 12/20/ 2019].

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Editora Filhos da África, 2018, pp.124. [1982].

HARTMAN, Saidyia. Scenes of Subjection: Terror, Slavery and Self-Making in Nineteenth-Century America. Oxford, Oxford University Press, 1999, pp.116-121.

HERNANDEZ, Tanya Katerí. Racial Subordination in Latin America. New York, Cambridge University Press, 2013, pp.47.

LEWIS, Gail, Questions of Presence. The Feminist Review Collective (117), 2017, pp.1-19 [https://journals.sagepub.com/doi/10.1057/s41305-017-0088-1 - accessed in 12/13/2019].

LOPES, Fabiana. Black Performance in Brazil: Hidden Stories and the Rough Vibrancy of Now. NKA Journal of Contemporary African Art. (44), Durham-NC, 2019, pp.64-76.

LOPES, Fabiana. Conversation with Juliana dos Santos, Ancestral Knowledge That Comes From the Feet. Contemprary And (C&) América Latina (2018) [https://amlatina.contemporaryand.com/editorial/o-saber-ancestral-que-vem-dos-pes-juliana-dos-santos/ - accessed in 12/20/2019].

MARTIN, Randy, Critical Moves: Dance Studies in Theory and Politics. Duke University: Durham & London, 1998, pp.206.

MATTIUZZI, Michelle. Interview at Vasli Souza Gallery. Malmo, Sweden, 2013 [https://youtu.be/-IYnXBt8ZaE - accessed in 10/05/2018].

MATTIUZZI, Michelle. No umbigo do Brasil experimento ABISMO (unpublished text, shared by the artists in 2016, pp.1).

MATTIUZZI, Michelle. Migration Is Not For Everyone. In: PRATES, Fabia. Resistance Is Up To Us,Contemporary And Latin America, 2019.

MOTEN, Fred Moten. Consent Not To Be a Single Being: Black Blurr. Durham, Duke University Press, 2017. REIS, Tassia. Preta D+. Próspera, 2019. ROBINSON, Cedrid J. Black Marxism: The Making of The Black Radical Tradition. The University of North Carolina Press: Chapel Hill, 2000. SPILLERS, Hortense. Mama’s Baby, Papa’s Maybe, an American Grammar Book. Diacritics, vol. 17, n. 2, Culture and Countermemory: The “American” Connection, Summer, 1987, pp.64-81. WEHELIYE, Alexander G. Habeas Viscus, Racialicing Assemblages, Biopolitics And Black Feminist Theories of the Human. Durham, Duke University Press, 2014, pp.38.

Publicado

2021-02-19

Como Citar

LOPES, F. . Musa Michelle Mattiuzzi: perambulações radicais, gestos de terror e fugitividade em carne. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 60, p. e206008, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8664586. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê