Banner Portal
Fala e leitura: uma (re)entrada para a escrita
PDF

Palavras-chave

Afasia. Infância. Fala. Leitura. Escrita. Neurolinguística discursiva.

Como Citar

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. Fala e leitura: uma (re)entrada para a escrita. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 565–579, 2017. DOI: 10.20396/cel.v59i3.8650998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8650998. Acesso em: 1 dez. 2023.

Resumo

O presente artigo focaliza a inter-relação entre a entrada da criança no mundo das letras e a involução que o afásico experimenta no que diz respeito à leitura e escrita, a partir da teorização proposta pela Neurolinguística Discursiva, chamando a atenção, em especial, para o ajuste que o falante (criança ou afásico) faz ao ler palavras depois de escrevê-las, para que a escrita que propôs se ajuste à fala que lê, diferente de como diz a palavra sem a escrita como apoio. Para tanto, analisamos dados de escrita de uma criança e de dois afásicos, que se encontram em momentos diferentes em relação à retomada da escrita, com base em uma metodologia heurística que busca descobrir o que está encoberto pelas dificuldades escolares e pela afasia e o que se desponta nessa descoberta. Os resultados mostram caminhos comuns que crianças e afásicos tomam e, assim, contribuem para uma maior compreensão tanto do processo normal de aquisição e uso da escrita quanto de processos patológicos que ocorrem na afasia.
https://doi.org/10.20396/cel.v59i3.8650998
PDF

Referências

ABAURRE, M. B. M. Ritmi dell’oralità e ritmi della scrittura. In: ORSOLINI, M.; PONTECORVO. C. La costruzione del testo scritto nei bambini. Roma: La nuova ltalia, 1991, pp. 77-98.

ABAURRE, M. B., Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos? In: HERNANDORENA, C.L.M. Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos?. Pelotas: EDUCAT/ ALAB, 2001.

ABAURRE, M. B. Ritmo e linguagem. In: ALKMIN, T. COUDRY, M. I. H.; POSSENTI, S.; (Orgs.). Saudades da Língua, Campinas: Mercado de Letras, pp. 85-94, 2003.

ABAURRE-GNERRE, M. B. Processos fonológicos segmentais como índices de padrões prosódicos diversos nos estilos formal e casual do português do Brasil. In: Caderno de Estudos Lingüísticos, 2: 23-34, 1981.

ABAURRE, M. B. M. & COUDRY, M. I. H. Em torno de sujeitos e olhares. In: Estudos da Língua(gem), v. 6, n°2, 171-191, 2008.

ABAURRE, M. B., FIAD, R. S., MAYRINK-SABINSON, M. L. Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

AGAMBEN, G. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Bras. Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

ALKMIM, T. M. Língua portuguesa. Objeto de reflexão e de ensino. Cefiel/IEL/Unicamp, 2009.

AMARAL, A. S., FREITAS, M. C. C., CHACON, L., RODRIGUES, L. L. Omissão de grafemas e características da sílaba na escrita infantil. In: Rev. CEFAC, v. 13, nº 5, 846-855, 2011.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBOSA, P. Syllable-timing in brazilian portuguese: uma crítica a Roy Major. In: D.E.L.T.A., vol. 16, n.º 2, 369-402, 2000.

BARBOSA, P. Ritmo da escrita e ritmo da fala: congruências e não congruências. In: Domínios de Lingu@gem (http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosde linguagem) v.7, n, 2 , pp. 47-70, 2013.

BENVENISTE, E. (1966) Problemas de Linguística Geral I. Trad. Maria da Gloria Novak e Luiza Neri, São Paulo: Editora USP, 1995.

BISOL, L. O troqueu silábico no sistema fonológico. In: D.E.L.T.A., São Paulo, v. 16, n. 2, 2000.

BORDIN, S. S.; COUDRY, M. I. H. Excluir para depois incluir In: BARROS, R. C. B. e MASINI L. (Orgs.) Sociedade e Medicalização.1 ed. Campinas: Pontes Editores, 2015, v.1, pp.129-146.

CAGLIARI, l. C. Existem línguas de ritmo silábico? In: Estudos Linguísticos. São Paulo, 42 (1): pp. 19-32, jan-abr, 2013.

CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

COUDRY, M. I. H. (1986) Diário de Narciso. Discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. Tese de doutorado. Unicamp, Campinas, 1986. Publicada em livro, São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I. H. O que é dado em neurolingüística?. In: CASTRO, M. F. C. (Org.) O Método e o dado no estudo da linguagem. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1996. pp. 179-192.

COUDRY, M. I. H. Afasia como tradução. Estudos da Língua(gem), v. 6, n° 2, 7-36, 2008.

COUDRY, M. I. H. Caminhos da Neurolinguística Discursiva: o velho e o novo. In: COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P.; ANDRADE, M. L. F.; SILVA, M. A. (Orgs). Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem, 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010, pp. 279-399.

COUDRY, M. I. H; BORDIN, S. S. Afasia e Infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 54 (1), pp.135-154, 2012.

COUDRY, M. I. H., SCARPA, E. M. De como a avaliação de linguagem contribui para inaugurar ou sistematizar o déficit. In: Cadernos Distúrbios da Comunicação, Série Linguagem, v. 2. São Paulo: PUC, 1985.

CULIOLI, A Pour une linguistique de l’énonciation: formalisation et opérations de repérage, v. 2. Paris: Ophrys, 1999.

DE LEMOS, C. Interacionismo e aquisição da linguagem. In: D. E. L. T. A., v. 2, n. 2, pp. 231-48, 1986.

FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.

FOUCAULT, M. (1969). Arqueologia do Saber. Trad. de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

FREIRE, F. M. P., KOBAYASHI, A., GARCIA, B. L., COUDRY, M. I. H. Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, pp. 45-65, 2013.

FREUD, S. (1891). Pour concevoir les aphasies. Une étude critique. Traduction de Fernand Cambon. Paris: EPEL, 2010.

HELLER-ROAZEN, D. (2005) Ecolalias: sobre o esquecimento das línguas. Trad. Fabio A. Durão. Campinas (SP): Editora UNICAMP, 2010.

JACKSON, H. On the nature of the duality of the brain. In: Brain, v. 38, ns. 80-86; 87-95; 96-103, 1874.

JAKOBSON, R. (1941) Langage enfantin et aphasie. Paris: Flammarion, 1980.

LABIGALINI, A. P. V. Reflexões sobre a práxis fonoaudiológica à luz da Neurolinguística Discursiva. Campinas-SP: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas (Dissertação), 2009. 125p.

LURIA, A. R. Neuropsychological Studies in Aphasia. Amsterdam: Swets & Zeitlinger B.V, 1977.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In VYGOTSKY, L. S.; LEONTIEV, A. N. e LURIA, A. R. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 3a. ed. São Paulo: Ícone, 1988.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Diante das letras - a escrita na alfabetização. São Paulo: Ed. Fapesp, 2001.

MIGLIORINI, L.; MASSINI-CAGLIARI, G. Sobre o ritmo do português brasileiro: evidências de um padrão acentual. In: ReVEL, v.8, n15, 2010 (www.revel.inf.br).

POSSENTI, S. Aprender a escrever (re)escrevendo. São Paulo: Cefiel/IEL/Unicamp e MEC, 2005.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.