Por uma voz que seja dança: reflexões sobre a oralidade no balé a partir do solo Veronique Doisneau (2004)

Autores

  • Rousejanny da Silva Ferreira Instituto Federal de Goiás
  • Michael Silva Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v4i2.8647661

Palavras-chave:

Dança. Balé. Performance. Oralidade.

Resumo

Este artigo aborda a utilização e recusa da oralidade na cena do balé e como isto foi posto a prova em uma dança: Veronique Doisneau [Paris, 2004]. Esta obra desvela o não visto em cena das companhias de balé clássico e o prolongamento disso na vida da bailarina Veronique. Sendo este um trabalho conduzido pela fala, levantamos algumas questões sobre os sentidos da voz como corpo, performance e dança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rousejanny da Silva Ferreira, Instituto Federal de Goiás

Graduada em Ed. Física/UEG; especialista em Filosofia da Arte/IFITEG-UEG e Pedagogias da Dança/PUC-GO e mestre em Performances Culturais/UFG. Coordenou e lecionou no curso de Licenciatura em Dança/IFB. Docente do curso de Licenciatura em Dança/IFG. Bailarina e pesquisadora de ensino e história da dança acadêmica com ênfase no balé.

Michael Silva, Universidade Federal de Goiás

Graduado em Letras, Línguas Portuguesa e Ing. e suas Literaturas/UFT; foi bailarino nas companhias de dança de Araguaína, Colinas/TO e Quasar Jovem/GO; mestrando em Performances Culturais/UFG; pesquisador de dança contemporânea, performance e literatura.

Referências

ASSIS, Adriana Carolina Hipólito de. Alguma crítica: a dança do corpo poético em “Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra”. Crítica Cultural: Santa Catarina, 2011. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/article/viewFile/772/pdf_25. Acesso em: 26 mar. 2015.

BEL, Jérôme.Veronique Doisneau 1. 9”26’. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OIuWY5PInFs. Acesso em: 26 de mar. de 2015.

BURT, Ramsay. Revisiting ‘No To Spectacle’: Self Unfinished and Véronique Doisneau. Montfort University, Inglaterra, 2012. Disponível em: https://www.dora.dmu.ac.uk/bitstream/handle/2086/145/Revisiting%20no%20to%20spectacle.pdf?sequence=1. Acesso em: 26 mar. 2015.

CONDE-SALAZAR, Jaime. Em El punto de fuga, 2012. Disponível em: http://www.continuumlivearts.com/wp/?p=2888. Acesso em: 26 mar. 2015.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e ideologia. 6a ed. São Paulo: Editora Ática, 1998.

LABAN, Rudolf Von. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

LANGER, Susanne. Sentimento e Forma (Trad. Ana Maria G. Coelho e J.Guinsburg). São Paulo: Perspectiva, 1980.

LOUPPE, Laurence. Poética da dança contemporânea. Lisboa: Orfeu Negro, 2012.

NADA EXPANDIDO. Conversa com André Lepecki. 20’’14, 2012. Disponível em: http://www.nadaexpandido.com.br/?p=184. Acesso em: 25 mar. 2015

ZUMTHOR, Paul. A performance. In: A letra e a voz. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: EDUC, 2000.

Downloads

Publicado

2015-12-30

Como Citar

Ferreira, R. da S., & Silva, M. (2015). Por uma voz que seja dança: reflexões sobre a oralidade no balé a partir do solo Veronique Doisneau (2004). Conceição/Conception, 4(2), 42–53. https://doi.org/10.20396/conce.v4i2.8647661

Edição

Seção

Artigos Temáticos