Educação teatral como produção de subjetividade

Palavras-chave: Educação teatral, Produção de subjetividade, Processos de subjetivação

Resumo

Artigo que visa caracterizar situações em que aulas de teatro possam fomentar uma produção de subjetividade potente, singular, junto a seus alunos. Como exemplo, será analisado um exercício realizado em uma aula de teatro dentro de um processo de pesquisa, propondo que elementos ali ocorridos se deram de modo análogo (homônomo) aos de processos de subjetivação. As referências são conceitos de Gilles Deleuze, Félix Guattari e Michel Foucault.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz Lopes Magela, Universidade Federal de São João del Rei

Doutor em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Professor da graduação em Teatro e da pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), Minas Gerais.

Referências

ANDRÉ, Carminda Mendes. Espaço inventado: o teatro pós-dramático na escola. Artigo presente em Educação em Revista, nº48. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/edur/n48/a07n48.pdf.

BORDEAUX, Marie-Christine. L'évaluation des « effets » de l’éducation artistique et culturelle. Étude méthodologique et épistémologique. Rapport final. Laboratoire Éducation Culture Politiques. Université Lyon2, Université Grenoble Alpes. 2016. Disponível em https://recherche.univ-lyon2.fr/ecp/ressources/axe-3/levaluation-des-effets-de-l2019education-artistique-et-culturelle-etude-methodologique-et-epistemologique/view

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FIGUEIREDO, Janaina P. Amado Baptista de & FERREIRA, Marieta De Moraes. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

CHOQUET, Céline & KERLAN, Alain. L’art au collège: quels effets pour les eleves?. Thèse de Doctorat de L’Université de Lyon 2. 2016. Disponível em: http://theses.univ-lyon2.fr/documents/lyon2/2016/choquet_c#p=1&a=TH.1

COSTA, Sylvio de Sousa Gadelha. Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. In: Educação e Realidade 34(2): 171-186 mai/ago 2009.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Volume 4. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. Conversações: 1972 – 1990. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2006.

FEITOSA, Charles. Revolução, revolta e resistência: a sabedoria dos surfistas. In: LINS, Daniel (org). Nietzsche e Deleuze – Arte e Resistência. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 1985 (2007).

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2 – o uso dos prazeres. São Paulo: Graal, 2010.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito – Curso no Collège de France (1981-1982). São Paulo : Martins Fontes, 2018.

GADELHA, Sylvio. Biopolítica, governamentalidade e educação – introdução e conexões a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

GROS, Frédéric. Situação do curso. In: FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito – Curso no Collège de France (1981-1982). São Paulo : Martins Fontes, 2018.

ICLE, Gilberto. Pedagogia teatral como cuidado de si. São Paulo: HUCITEC, 2010.

ICLE, Gilberto. Problemas teatrais na educação escolarizada: existem conteúdos em teatro? In: Revista Urdimento nº17 setembro de 2011. Santa Catarina: UDESC, 2011.

KASTRUP, Virginia. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. In: Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 93, p. 1273-1288, Set./Dez. 2005a.

KASTRUP, Virginia. . O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 295-304, mai./ago. 2005b.

KASTRUP, Virginia. A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In: KASTRUP, Virginia & TEDESCO, Silvia & PASSOS, Eduardo. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008.

LAPOUJADE, David. Deleuze, les mouvements aberrants. Paris: Les Éditions de Minuit, 2014.

MAGELA, André L. L. Abordagem somática na educação teatral.Moringa – Artes do Espetáculo, João Pessoa, v. 8, n. 1. 2017. Dispo-nível em: <http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/moringa/ar-ticle/view/34856>.

MAGELA, André L. L. Afecções, exercícios, protopedagogias teatrais. Rascunhos – Caminhos da pesquisa em artes cênicas, Uberlândia, v. 4, n .4. 2017. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/rascunhos/article/view/38729>.

MAGELA, André L. L. Cognição teatral e educação. Rascunhos – Caminhos da pesquisa em artes cênicas, Uberlândia, v. 5, n. 3, 2018. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/rascunhos/article/view/43132>.

MAGELA, André L. L. Normatividade da cooperação em aulas de teatro. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, Santa Catarina, v. 1, n. 34, 2019. Disponível em: <http://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101342019110>.

MAGELA, André L. L. Exercícios prototípicos para uma educação teatral: uma pedagogia de composições, devir e agenciamentos. Repertório, Salvador, n. 32, 2019. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/revteatro/article/view/26519/19428>.

OCDE. L’art pour l’art ? L’impact de l’éducation artistique. Centre pour la recherche et l’innovation dans l’enseignement. Paris : 2013. Disponível em: https://read.oecd-ilibrary.org/education/l-art-pour-l-art_9789264183841-fr#page1.

RANCIÈRE, Jacques. Será que a arte resiste a alguma coisa?. In: LINS, Daniel (org). Nietzsche e Deleuze – Arte e Resistência. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

REVEL, Judith. Experiénces de la pensée – Michel Foucault. Paris : Bordas, 2005.

REVEL, Judith. Dictionnaire Foucault. Paris: Ellipses, 2008.

ROLNIK, Suely. A hora da micropolítica. Entrevista concedida a Aurora Fernández Polancos. Revista Humboldt Online. 2016. Disponível em: https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/fok/rul/20790860.html.

ROLNIK, Suely. Amor: o impossível… e uma nova suavidade. Palestra apresentada em 1994 sob o título “ O amor anda impossível ?”. PUC – São Paulo: Núcleo de Estudos da Subjetividade, 1994. Disponível em http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/Novasuavidade.pdf.

SANTANA, Arão Paranaguá de. Teatro e formação de professores.São Luís: EDUFMA – Editora da Universidade Federal do Maranhão, 2009.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
Lopes Magela, A. L. (2019). Educação teatral como produção de subjetividade. Conceição/Conception, 8(2). https://doi.org/10.20396/conce.v8i2.8656489