Parkour, transpondo o obstáculo da competição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v19i1.8659096

Palavras-chave:

Parkour, Competição, Esporte

Resumo

Objetivo: O parkour é uma nova versão esportiva, criado nos subúrbios de França que se opõe ao agonismo próprio da modernidade e parece confrontar as certezas que o positivismo engendra. Este trabalho tem por objetivo conhecer os praticantes de parkour e entender como concebem o conceito de competição que começa a ser disseminado nele. Método: Uma pesquisa exploratória com oitenta e quatro sujeitos foi aplicada em praticantes de todo o Brasil. Resultados: Os resultados permitem dizer que os jovens são aqueles que mais procuram o parkour e que os grupos são heterogêneos, ainda se percebe que as mulheres precisam conquistar seu espaço, pois não são protagonistas na modalidade. Conclusão: Verificou-se que há interesses da Federação Internacional de Ginástica em agrupar o parkour como uma de suas disciplinas e que os praticantes brasileiros não têm um consenso sobre se aceitam a competição ou não.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dimitri Wuo Pereira, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Doutor em Educação pela Universidade Nove de Julho. Docente pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC e Universidade Nove de Julho.

Rafael Batista Mattos, Universidade Nove de Julho

Graduação em Educação Física pela Universidade Nove de Julho.

Referências

ALVES, Carla da Silva Reis; CORSINO, Luciano Nascimento. O parkour como possibilidade para a Educação Física escolar. Motrivivência - ano XXV, n. 41, p. 247 – 257, dez. 2013.

AGGERHOLM, Kenneth; LARSEN, Signen Hojbjerre. Parkour as acrobatics: an existential phenomenological study of movement in parkour. Qualitative Research in Sport, Exercise and Health, v. 9, n. 1, p. 69 – 86, 2017.

BARROS, Daniel Ferreira de. Deportes de riesgo: historia del Parkour y las características de sus participantes. Lecturas EFDeportes - Revista Digital. Buenos Aires, ano 20, n 212, jan. 2016. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd212/deportes-de-riesgo-historia-del-parkour.htm. Acesso em: 20/12/2019.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Trad. José Garcez Palha. Lisboa: Cotovia, 1990.

CARVALHO, Rui Gonçalves; PEREIRA, Ana Luísa. Percursos alternativos – o Parkour enquanto fenómeno sub(cultural). Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. V. 8, n. 3. p. 427 – 440, 2008.

CARVALHO, Wallace Brehmer Gomes Rodrigues; VIANA, João Batista dos Reis. A avaliação do desenvolvimento da aptidão física através da prática do parkour no âmbito da educação física escolar. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano. V. 6, n. 2, p. 20 - 33, abr./jun., 2016.

CHAGAS, Raíssa Ramos; ROJO, Jeferson Roberto; GIRARDI, Vania Lucia. O processo de esportivização de uma modalidade: o parkour enquanto prática espetacularizada. The Journal of the Latin American Socio-Cultural Studies of Sports. Curitiba, v. 5, n. 1, p. 21-33, 2015.

FERNANDES, Alessandra Vieira. Transpondo muros socioculturais: relações de gênero e empoderamento de mulheres no parkour. 254f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Centro de Ciências da Saúde. Universidade Estadual de Maringá, 2018.

FERNANDES, Alessandra Vieira; GALVÃO, Lilian Kelly de Souza. Parkour e valores morais: Ser forte pra ser útil. Motrivivência, v. 28, n. 47, p. 226 – 240, maio de 2016.

FIG – Fédération Internacionale de Gymnastique. Rules for the FIG Parkour World Cup. Series 2018 – 2019 in cooperation with the World Action Sports Festival (WASF). V. 2, dez. 2017. Disponível em: https://www.gymnastik.se/globalassets/svenska-gymnastikforbundet-tavlingsgymnastik/dokument/parkour-och-tricking/201712_pk-wcup-rules-2018-19_v0.2_e.pdf. Acesso em: 27/12/2019.

GROSPRÊTRE, Sidney; LEPERS, Romuald. Performance characteristics of Parkour practitioners: Who are the traceurs. European Journal of Sport Sciences, v. 16, n. 6, p. 526 – 535, 2016.

LEITE, Neiva; AGUIAR JUNIOR, Rossine Pinto de; CIESLAK, Fabrício; ISHIYAMA, Mary; MILANO, Gerusa Eisfeld; STEFANELLO, Joice Mara Facco. Perfil de aptidão física dos praticantes de le parkour. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 17, n. 3, p. 198 – 201, mai./jun. 2011.

MANSO, Lina. Pai do parkour estevem em Portugal, 2007. Disponível em: http://www.mundouniversitario.pt/artigos.php?art=670. Acesso em: 20/12/2019.

O’LOUGHLIN, Alister. A door for creativity – art and competition in parkour. Theatre, Dance and Performance Training, v. 3, n. 2, p. 192 – 198, 2012.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Parkour: corpo e espaço reescrevem o sujeito. Línguas e Instrumentos Linguísticos. n. 34, p. 75 – 87, jul./dez., 2014.

PALAVRO, Bruna. Perfil de praticantes de parkour no Brasil. In: IV Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG. II Salão de Extensão. Anais... Faculdade da Serra Gaúcha. Caxias do Sul – RS. 04 a 06 de outubro de 2015. Disponível em: http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao/article/view/2096. Acesso em: 27/12/2019.

PEREIRA, Dimitri Wuo; PAULA, Renan Oliveira de; SILVA, André Batista; GALINDO, Camila Bianca; SANTOS, Vinicius Sampaio Feitoza dos. Esportes radicais no meio ambiente urbano no município de São Paulo. Caderno de Educação Física e Esporte. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. v.15, n. 1, 2017.

PEREIRA, Cibele Garcia. Skate: Tutorial pedagógico de skate para profissionais de educação física. In: PEREIRA, Dimitri Wuo (Org.). Novas experiências na aventura. São Paulo: Lexia, 2015.

SANTANDREU, Felipe; NOVO, Gabriel de Andrade. Esportivização do parkour: o projeto de uma nova modalidade da Federação Internacional de Ginástica. Deporte y sociedad. Encontrando el futuro de los estudios sociales y culturales sobre Deporte. Montevideo – Uruguay, p. 71 – 94, 2019.

SEVERINO. Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico, 23 ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Tatiana Maria Bernardo da; COSTA, Alessandra Mello da; CARVALHO, José Luis Felicio. Resistência ao Consumo em um Circuito Urbano de Parkour. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, ano 8, v. 8, n. 22, p. 119 – 146, jul. 2011.

SILVA, Valéria. Coletivos Juvenis e Parkour no Brasil: percursos interculturais e Identidades. Tomo. Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Sergipe, n. 21, p. 63 - 99, 2012.

SILVA, Tatiana Maria Bernardo; COSTA, Alessandra Mello; CARVALHO, José Luis Felicio. Resistência ao consumo em um circuito urbano de parkour. Comunicação, mídia e consumo. São Paulo. ano 8, vol. 8 n. 22, p. 119 – 146, jul. 2011.

STRAMANDINOLI, Ana Luiza Martins; REMONTE, Jarbas Gomes; MARCHETTI, Paulo Henrique. Parkour: História e conceitos da modalidade. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – v. 11, n. 2, p. 13 - 25, 2012.

UVINHA, Ricardo Ricci. Juventude Lazer e Esportes Radicais. São Paulo: Manole, 2001.

WHEATON, Billie; O’LOUGHLIN, Alister. Informal sport, institutionalization, and sport policy: challenging the sportization of parkour in England. International Journal of sport Policy and Politics. v. 9, n. 1, p 71 – 88, 2017.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

PEREIRA, D. W.; MATTOS, R. B. Parkour, transpondo o obstáculo da competição. Conexões, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. e021011, 2021. DOI: 10.20396/conex.v19i1.8659096. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8659096. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Artigo Original