Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs)

  • Jorge Britto Universidade Federal Fluminense
  • Fabio Stallivieri Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Indústria de software. Inovação e cooperação. Clusters industriais – Software. Arranjos produtivos locais. Análise cross-sector

Resumo

O artigo procura articular a discussão sobre o processo de construção de competências na produção de software no Brasil à distribuição espacial dessas atividades, utilizando para isso um referencial analítico baseado no conceito de “arranjos produtivos locais” (APLs), no qual ressalta-se a importância da dimensão local-institucional para o aprofundamento de diferentes formas de aprendizado e para o reforço do potencial inovativo e da competitividade industrial. A análise realizada desdobra-se em cinco seções. A primeira seção apresenta uma caracterização geral do setor e do referencial analítico utilizado. A segunda seção apresenta um panorama sintético da evolução do setor de software no Brasil no período recente. A terceira seção procura discutir aspectos relacionados à distribuição espacial da indústria, com base em informações secundárias. A quarta seção desenvolve uma análise exploratória sobre a heterogeneidade espacial da indústria, utilizando informações primárias sobre arranjos produtivos dedicados à produção de software, as quais são trabalhadas através de técnicas de estatística multivariada, visando identificar diferentes padrões relativos a processos de aprendizado e inovação existentes nesses arranjos. Uma última seção sintetiza as principais conclusões do trabalho.

Abstract

The analysis seeks to explore analytical and methodological issues associated to the study of learning, innovation and competence building in Brazilian software industry. Contrasting with a strictly sectoral focus, our hypothesis is that the territorial proximity plays an important role to the improvement of learning and to the strengthening of firms’ competitiveness and innovativeness. The analysis uses the concept of “local productive systems” in order to capture the importance of local and institutional conditions to the improvement of learning and to the strengthening of innovativeness and competitiveness. The paper is organized as follow. The first section presents some structural characteristics of the software industry, as well as the analytical framework of the analysis. The second section presents some figures about the Brazilian software market, its industrial structure and the strategies adopted by software firms. The third section tries to discuss some characteristics of the spatial distribution of software activities in the Brazilian economy. The fourth section develops an exploratory analysis about the territorial heterogeneity of the industry. This analysis is articulated to a discussion about learning, innovation and competence building processes in local software productive systems. Specifically, the analysis explores the empirical evidences emerging from a survey of four case studies of local productive systems in the industry. These evidences are manipulated through multivariate techniques in order to identify different clusters of firms with similar characteristics of the learning, innovation and competence building processes. Finally, the last section presents some conclusive remarks of the analysis.

Key words: Software industry. Innovation and cooperation. Industrial clusters – software. Local productive systems. cross-sector analysis

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Britto, Universidade Federal Fluminense
Possui graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestrado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988) e doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), com Doutorado-sanduiche no SPRU (Scicene Policy Research Unit) da Universidade de Sussex (Inglaterra). 
Fabio Stallivieri, Universidade Federal Fluminense
Possui Graduação em Economia e Mestrado em Economia Industrial pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutorado em Economia pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense e Pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Industrial e Mudança Tecnológica, atuando principalmente nos seguintes temas: a análise da dinâmica produtiva e inovativa das firmas e Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais.

Referências

AREVOLO, W. Innovative program to develop and export Brazil’s software. Gartner Group, CS-15-5090, Mar. 2002.

ARORA, A.; GAMBARDELLA, A. The globalization of the software industry: perspectives and opportunities for developed and developing countries. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 2004. (NBER Working Paper Series, Working Paper, 10538).

ASSESPRO, MBI e ITS. Exportações brasileiras de TI & software. Pesquisa e relatório desenvolvido pela MBI, 2005. Disponível em: http://www.assespro-sp.org.br/.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE SOFTWARE. Bases de dados. 2007. Disponível em: http://www.abes.org.br/templ3.aspx?id=304&sub=524.

ATKEARNEY e BRASSCOM. Desenvolvimento de uma agenda estratégica para o setor de IT Off-shore Outsourcing. Relatório final. Brasília, nov. 2005.

BOTELHO, A.; STEFANUTO, G.; VELOSO, F. The Brazilian software industry. Sept. 2003. Mimeografado.

BRITTO, J. Configuração espacial da indústria brasileira: Uma análise baseada na noção de aglomerações produtivas. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA POLÍTICA, 8, Florianópolis, jun. 2003.

BRITTO, J. Políticas de apoio a arranjos produtivos locais – uma sistematização de princípios e instrumentos. In: SEMINÁRIO ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS, Universidade Estácio de Sá, 2005. Mimeografado.

BRITTO, J; ALBUQUERQUE, E. M. Estrutura e dinamismo de clusters industriais na economia brasileira: uma análise exploratória a partir dos dados da RAIS. In: TIRONI, L.

F. Industrialização descentralizada: sistemas industriais locais. Brasília: IPEA, 2001. cap. 1.

BRITTO, J; CASSIOLATO, J. E.; STALLIVIERI, F.; GUIMARÃES, V. Sectoral system of innovation and local productive systems in the Brazilian software industry: a focus on competence building processes. In: CATCH UP MILANO MEETING, Milão, Itália, 5-8 set. 2006.

BRITTO, J; STALLIVIERI, F.; CAMPOS, R. R.; VARGAS, M. Padrões de aprendizagem, cooperação e inovação em aglomerações produtivas no Brasil: uma analise multivariada exploratória. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA – ANPEC, Recife, 2007.

Anais...

CAMPOS, R. R. Ampliando espaços de aprendizagem: um foco para políticas de estímulos aos arranjos produtivos locais. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO LOCAL – UCDB, Campo Grande, MS, 2004.

CAMPOS, R. R; VARGAS, M. Forms of governance, learning mechanisms and localized innovation: a comparative analysis in local productive systems in Brazil. In: THE FIRST GLOBELICS CONFERENCE, Rio de Janeiro: UFRJ, 2003. CD Room. Anais...

CASSIOLATO, J. E.; GUIMARÃES, V.; LASTRES, H. M. M. Innovation systems for information and communication technologies: the case of Brazil. In: BASKARAN, A.; MUCHIE, M. (Ed.). Bridging the digital divide: innovation systems for ICT in Brazil, China, Thailand and Southern Africa. London: Adonis & Abbey, 2006.

CASSIOLATO, J. E; LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L (Org.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará – UFRJ, Instituto de Economia, 2003. p. 21-34.

CASSIOLATO, J. E; SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. (Org.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará – UFRJ, 2003.

CASSIOLATO, J. E; VILLASHI, A. E.; CAMPOS, R. Local productive and innovative systems in Brazil: a policy perspective. In: CASSIOLATO J. E.; LASTRES H. M. M.; MACIEL M. L. (Ed.). Systems of innovation and development: evidence from Brazil. London: Edward Elgar, 2003.

COMMANDER, S. What explains the growth of a software industry in some emerging markets. Centre for New and Emerging Markets, London Business School, Apr. 2003. (DRC Working Papers, n. 22).

CompTIA. The critical role of the software industry in Latin America: a summary of studies conducted in eight Latin American markets. 2004. Mimeografado.

CROCCO, M. A.; GALINARI, R.; SANTOS, F.; LEMOS, M. B.; SIMÕES, R.Metodologia de identificação de aglomerações produtivas locais. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 211-241, maio/ago. 2006.

CROCCO, M. A. Metodologia de identificação de arranjos produtivos locais potenciais: uma nota técnica. Belo Horizonte: CEDEPLAR-UFMG, abr. 2003. (Texto para Discussão, n. 191).

DUARTE, C. H. C. Brazil: cooperative development of a software industry. IEEE SOFTWARE May/Jun. 2002.

FERNANDES, A.; BALESTRO, M.; MOTTA, A. O arranjo produtivo local de software do Distrito Federal. Relatório de Atividades da Expansão da RedeSist. Instituto de Economia – Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE/UFRJ), set. 2004.

GAIO, F. Software strategies for developing countries. In: SCHMITZ, H.; CASSIOLATO, J. (Ed.). Hi-tech for industrial development – Lessons from the Brazilian experience in eletronics and automation. London: Routledge, 1992.

IDC-ABES. Associação Brasileira de Empresas de Software. Mercado brasileiro de software panorama e tendências 2007. 2007. Disponível em: www.abes.org.br.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied multivariate statistical analysis. 4. ed. Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1998.

LASTRES, H.; CASSIOLATO, J. E. Innovation systems and local productive arrangements: New strategies to promote the generation, acquisition and diffusion of knowledge. Innovation: Management, Policy & Practice, v. 7, n. 2-3, Apr./Aug. 2005.

LASTRES, H. M. M. et al. Interagir para competir: promoção de arranjos produtivos e inovativos no Brasil. Brasília: SEBRAE /FINEP/CNPq, 2002.

LASTRES, H. M. M; LEMOS, C.; VARGAS, M. Novas políticas na economia do conhecimento e do aprendizado. Nota Técnica 25, Bloco 3. In: CASSIOLATO, J.; LASTRES, H. (Org.). Arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 2000.

LÓPEZ, A. (Coord.). Complementación productiva en la industria del software en los países del Mercosur: impulsando la integración regional para participar en el mercado global. Swiss Agency for Development and Cooperation – SCD (Suiza), 2007. Mimeografado.

MBI. Panorama da indústria latino-americana de software. MBI Mayer & Bunge Informática Ltda., 2005.

OECD. OECD Information technology Outlook. Organization for Economic Cooperation and Development, 2006.

ROSELINO, J. E. Análise da indústria brasileira de software com base em uma taxonomia das empresas: subsídios para apolítica industrial. Revista Brasileira de Inovação, v. 5, n. 1, p. 157-201, jan./jun. 2006a.

ROSELINO, J. E. A indústria de software: o ‘modelo brasileiro’ em perspectiva comparada. Tese (Doutorado)–Instituto de Economia. Unicamp, Campinas, 2006b.

SANTOS, F.; CROCCO, M.; LEMOS, M. B. Arranjos e sistemas produtivos locais em ‘espaços industriais’ periféricos: estudo comparativo de dois casos brasileiros. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 147-180, jul./dez. 2002.

SCATOLIN, F. D.; SAMPAIO, S. E. K. O arranjo produtivo de software em Curitiba / PR. 2004. Disponível em: http://www.neitec.ufsc.br/cd_relatorio/arranjos_produtivos_ locais/Artigo_Sergio_e_Scatolin-Software_de_Curitiba.pdf.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, v. 27, n. 9, Sept. 1999.

SOFTEX. Perfil das empresas brasileiras exportadoras de software. Campinas: SOFTEX, 2005.

SOFTEX-MIT. Indústria de software no Brasil – 2002: fortalecendo a economia do conhecimento. Massachusetts Institute of Technology (MIT) / Brasil, coordenação geral Sociedade SOFTEX. Campinas, 2002. 80p.

STALLIVIERI, F.; CAMPOS, R. R.; BRITTO, J. Capacitações tecnológicas de micro e pequenas empresas inseridas em redes tecno-produtivas: o caso da eletrometal-mecânica em Joinville/SC. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 439- 474, 2007.

STEFANUTO, G. N. O Programa Softex e a indústria de software no Brasil. Tese (Doutoramento)–Instituto de Geociências, DPCT, Unicamp, Campinas, 2004.

STEFANUTO, G. N; CARVALHO, R. Q. Perfil das empresas brasileiras exportadoras de software. Campinas: DPCT/IG Unicamp, e Observatório Digital Softex, 2005.

SUZIGAN, W. Aglomerações industriais como foco de políticas. Aula Magna do XXVIII Encontro Nacional de Economia, Campinas, dez. 2000.

SUZIGAN, W. (Coord.). Arranjos produtivos locais e o novo padrão de especialização regional da indústria paranaense na década de noventa. Curitiba: Ipardes, 2003.

SUZIGAN, W. Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, v. 24, n. 4, out./dez. 2004.

SUZIGAN, W. (Coord.). Identificação, mapeamento e caracterização estrutural de arranjos produtivos locais no Brasil. Relatório Consolidado, IPEA-DISET, out. 2006.

SUZIGAN, W. Designing policies for local production systems: a methodology based on evidence from Brazil. Revista Economia, Brasília, DF, v. 8, n. 1, p. 161-186, jan./apr. 2007.

SUZIGAN, W; FURTADO, J.; GARCIA, R. Estruturas de governança em arranjos ou sistemas locais de produção. Gestão da Produção, São Carlos, v. 14, n. 2, p. 425-439, maio/ago. 2007.

SUZIGAN, W; FURTADO, J.; GARCIA, R; SAMPAIO, S. Coeficientes de Gini locacionais (GL): aplicação à indústria de calçados do Estado de São Paulo. Nova Economia, v. 13, n. 2, p. 39-60, jul./dez. 2003.

TIGRE, P. B.; MARQUES, F. S. Capítulo III: Brasil. In: LÓPEZ, A. (Coord.). Complementación productiva en la industria del software en los países del Mercosur: impulsando la integración regional para participar en el mercado global. Swiss Agency for Development and Cooperation – SCD (Suiza), 2007. Mimeografado.

VELOSO, F.; BOTELHO, A.; TSCHANG, T.; AMSDEM, A. Slicing the knowledgebased economy in Brazil, China and India: a tale of 3 software industries. Campinas, SP, Brazil: Softex, 2003.

Publicado
2016-01-06
Como Citar
Britto, J., & Stallivieri, F. (2016). Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs). Economia E Sociedade, 19(2), 315-358. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8642721
Seção
Artigos