O Investimento Direto Estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos anos 1990

Autores

  • Fernando Sarti Universidade Estadual de Campinas
  • Mariano F. Laplane Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Desenvolvimento econômico. Comércio exterior. Internacionalização produtiva. Reestruturação industrial. Investimento direto estrangeiro

Resumo

O trabalho analisou o processo de internacionalização produtiva no Brasil nos anos 1990 e apontou diferenças importantes com relação às experiências em outros países: México, Coréia do Sul e China. A internacionalização “introvertida” caracterizou-se pela transferência da propriedade de empresas nacionais para investidores estrangeiros, sem contrapartida proporcional de investimentos de empresas brasileiras no exterior, e pela assimetria entre o expressivo incremento de volume e conteúdo importados no mercado e na produção domésticas vis-à-vis o apenas modesto desempenho exportador. Como resultado, explicitou-se a contradição entre as dimensões micro e macroeconômica da internacionalização, na qual a estrutura produtiva muito mais eficiente contribuiu para agravar a vulnerabilidade externa da economia brasileira.

Abstract

This paper analyses the process of internationalization of Brazilian manufacturing during the nineties. Important differences were found comparing the Brazilian experience to the cases of Mexico, South Korea and China. In Brazil, the “inward" internationalization process was characterized by the transference of property of domestic companies to foreign investors, without proportional counterpart investment by Brazilian companies overseas. Other important difference was the asymmetry between the expressive increment of imports, both of final goods and inputs, and the barely modest growth in exports. As a result, tensions arose between the macroeconomic and microeconomic dimensions of the internationalization process, emerging from a more efficient manufacturing structure contributing paradoxically to aggravate the external vulnerability of the Brazilian economy.

Key words: Economic growth. Foreign trade. Productive internationalization. Manufacturing structure. Foreign Direct Investment

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Sarti, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em 1987, mestrado em Economia pela UNICAMP (1994) com a dissertação: ?Evolução das Estruturas de Produção e de Exportação da Indústria Brasileira nos Anos 1980? e doutorado em Economia pela UNICAMP (2001) com a tese "Internacionalização Comercial e Produtiva no Mercosul nos anos 90". Participante da terceira edição do Cambridge Advanced Programme on Rethinking Development Economics (CAPORDE) na Universidade de Cambridge-Inglaterra em 2004. 

Mariano F. Laplane, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Hebraica de Jerusalem (1980), mestrado em Master of City Planning - University of California at Berkeley (1982) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1992). Atualmente é Diretor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Organização Industrial e Estudos Industriais, atuando principalmente nos seguintes temas: competitividade industrial, política industrial e de inovação,Mercosul, integração econômica, investimento direto estrangeiro e industria automobilistica.

Referências

BONELLI, R. A note on Foreign Direct Investment (FDI) and industrial competitiveness in Brazil. Rio de Janeiro: IPEA, 1998. (Texto para Discussão, n. 584).

BRITTO, G. Abertura comercial e reestruturação industrial no Brasil: um estudo dos coeficientes de comércio. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 2002. (Dissertação, Mestrado).

CEPAL. La inversión extranjera en América Latina y el Caribe 2000. [s.l.]: Nações Unidas, 2001.

________. La inversión extranjera en América Latina y el Caribe 2001. [s.l.]: Nações Unidas, 2002.

CHUDNOVSKY, D. (Coord.). El boom de inversión extranjera directa en el Mercosur. Buenos Aires: Editora Siglo Veintiuno de Argentina Editores, 2001.

________. (Coord.). Investimentos externos no Mercosul. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia/Editora Papirus, 1999.

________, LOPEZ, (Coord.). Una visión microeconómica de los impactos de la integración regional sobre las inversiones inter e intrarregionales: el Caso del Mercosur. Red Intal, abr., 2002. (Mimeogr.).

CIMOLI, M., KATZ, J. Structural reforms, technological gaps and economic development: a Latin American perspective. Druid Conference, Jun. 2001.

COUTINHO, L. A especialização regressiva: um balanço do desempenho industrial pósestabilização. In: VELLOSO, R. (Org.). Brasil: desafios de um país em transformação. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1997.

________, FERRAZ, J. C. (Coord.). Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira – ECIB. Campinas: Papirus/Ed. Unicamp, 1994.

DUNNING, J. Explaining international production. London: Unwin Hyman, 1988.

________. Multinational enterprises and the global economy. Wokingham: AddisonWesley Publishing Company, 1993, ________. Re-evaluating the benefits of foreign direct investment. Transnational Corporations, v. 3, n. 1, Feb. 1994.

FRANCO, G. A inserção externa e o desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 18, n. 3 (71), p. 121-147, jul../set. 1998.

FRITSCH, W., FRANCO, G. O Investimento Direto Estrangeiro em uma nova estratégia industrial. Revista de Economia Política, v. 9. n. 2, p.5-25, abr./jun. 1989.

HIRATUKA, C. Empresas transnacionais e comércio exterior: uma análise das estratégias das filiais brasileiras no contexto da abertura econômica. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 2002. (Tese, Doutoramento).

KATZ, J. Cambios en la estructura y comportamiento del aparato productivo latinoamericano en los años 1990: después del “Consenso de Washington”, qué? Red de Reestructuración y Competitividad. Santiago de Chile: Cepal, ene. 2000.

LALL, S. Desempeño de las exportaciones, modernización tecnológica y estrategias en materia de inversiones extranjeras directas en las economías de reciente industrialización de Asia. Com especial referencia a Singapur. Santiago de Chile: Cepal, oct. 2000. (Serie Desarrollo Productivo).

LAPLANE, M., SARTI, F. Investimento Direto Estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, n. 8, jun. 1997.

________, ________. Novo ciclo de investimentos e especialização produtiva. O Brasil e o mundo no limiar do novo século. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis. (Org.). Fórum Nacional. José Olympio Editora, 1998.

________, ________. Investimento Direto Estrangeiro e o impacto na balança comercial nos anos 90. Brasília: IPEA, fev. 1999a. (Texto para Discussão, n. 629).

________, ________. O Investimento Direto Estrangeiro no Brasil nos anos 90: determinantes e estratégias. In: CHUDNOVSKY, D. (Org.). Investimentos Externos no Mercosul. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia/Editora Papirus, 1999b. cap. 3.

________, ________, HIRATUKA, C., SABBATINI, R. Internacionalização e vulnerabilidade externa. In: LACERDA, A. C. (Org). Desnacionalização: mitos, riscos e desafios. São Paulo: Editora Contexto, 2000.

________, ________, _________, ________. La inversión extranjera directa en el Mercosur: el caso brasileño in el boom de inversión extranjera directa en el Mercosur. In: CHUDNOVSKY, Daniel (Org.). Buenos Aires: Editora Siglo Veintiuno de Argentina Editores, 2001.

________, HIRATUKA, C., SABBATINI, R., SARTI, F., BRITTO, G. El impacto de IED sobre los flujos de comercio exterior: el análisis por empresa. In: CHUDNOVSKY, D., LOPEZ, (Coord.). 2002. (Mimeogr.) MENDONÇA DE BARROS, J., GOLDENSTEIN L. Avaliação do processo de reestruturação industrial brasileiro. Revista de Economia Política, v. 17, n. 2, (66), p. 11-31, mar. 1997.

MOREIRA, M. M. A indústria brasileira nos anos 90. O que já podemos dizer? In: GIAMBIAGI, F., MOREIRA, M. M. (Org.). A economia brasileira nos anos 90. Rio de Janeiro: BNDES, 1999a.

________. Estrangeiros em uma economia aberta: impactos recentes sobre produtividade, concentração e comércio exterior. In: GIAMBIAGI, F., MOREIRA, M. M. (Org.). A economia brasileira nos anos 90. Rio de Janeiro: BNDES, 1999b.

MORTIMORE, M. Corporate strategies for FDI in the context of Latin America´s new economic model. World Development, v. 28, n. 9, p. 1611-1624, Sept. 2000.

________, PERES, W. La competitividad empresarial en América Latina y el Caribe. Revista de la Cepal, p.38-59, ago. 2001.

REINHARDT, N., PERES, W. Latin America’s new economic model: micro responses and economic restructuring, World Development, v. 28, n. 9, p. 1543-1566, Sept. 2000.

REVISTA EXAME: Maiores e Melhores. (Vários números).

SARTI, F. Internacionalização comercial e produtiva no Mercosul nos anos 1990. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 2001. (Tese, Doutorado).

SILVA, Ana Lucia Gonçalves da, LAPLANE, M. F. Dinâmica recente da indústria brasileira e desenvolvimento competitivo. Economia e Sociedade, Campinas, n. 3., p. 81-97, dez. 1994.

STALLINGS, B., PERES, W. Growth, employment, and equity. The impact of the economic reforms in Latin America and the Caribbean. United Nations. Washington, DC: Brookings Institution Press, 2000.

UNCTAD. Trade and Development Report. New York: United Nations, 1999.

UNCTAD. World Investment Report 1999. Foreign Direct Investment and the challenge of development. Ginebra, 1999.

UNCTAD. World Investment Report. Promoting linkages. Ginebra: UNCTAD, 2001.

UNCTAD. World Investment Report. Transnational Corporation and Export Competitiveness. Ginebra: UNCTAD, 2002.

UNCTAD/TDR. Trade and Development Report. Developing Countries in World Trade. United Nations, 2002.

WILLMORE, L. The comparative performance of foreign and domestic firms in Brazil. World Development, v. 14, n. 4, 1986.

Downloads

Publicado

2016-01-26

Como Citar

SARTI, F.; LAPLANE, M. F. O Investimento Direto Estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos anos 1990. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 63–94, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643088. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos