Derivativos financeiros: hedge, especulação e arbitragem

  • Maryse Farhi Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Mercados financeiros. Derivativos financeiros. Hedge. Cobertura de riscos. Especulação. Arbitragem. Alavancagem. Instabilidade financeira. Expectativas. Riscos

Resumo

As operações de hedge adquirem um significado macroeconômico com a expansão dos mercados de derivativos financeiros. A especificação do conceito dessas operações de cobertura de riscos introduz modificações no de especulação. As operações de arbitragem intensificam-se, mas suas fronteiras com a especulação nem sempre são delimitadas. Ambas fazem intenso uso da alavancagem que pode resultar em vultosos prejuízos

Abstract

Hedging operations acquire macroeconomic significance with the expansion of financial derivatives. The specification of the concept of such operations of risk transfer leads to modifications in the concept of speculation. Arbitrage operations intensify, but their frontiers with speculation are not always clear. Both make intense use of leverage which can result in heavy losses.

Key words: Financial markets. Financial derivatives, Hedge. Speculation.  Arbitrage.. Leverage. Financial instability. Expectations. Risks

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maryse Farhi, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade de Paris I Sorbonne (1975), mestrado em Economia Financeira - Université de Paris X, Nanterre (1977) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1996). Atualmente é professor doutor ms-3 em dedicação exclusiva da Universidade Estadual de Campinas. , atuando principalmente nos seguintes temas: derivativos financeiros, independência do banco central, política monetária, liberalização, taxa de câmbio, autonomia monetária, economias emergentes, crise financeira.

Referências

BANK OF INTERNATIONAL SETTLEMENTS – BIS. Central Bank survey of foreign exchange and derivatives market activity. Basiléia, 1996.

BOISSIEU, C., AGLIETTA, M. Les marchés dérivés de Gré à Gré et le risque systémique. Bulletin COB, Paris, n. 283, set. 1994.

BOURGUINAT, H. La tyrannie des marchés – Essai sur l’économie virtuelle. Paris: Economica, 1995.

CHICK, V. On money ,method and Keynes. New York: St. Martin’s Press, 1992.

FARHI, M. O futuro no presente: um estudo dos mercados de derivativos financeiros. Campinas: UNICAMP. Instituto de Economia, 1998. (Tese, Doutoramento).

HIERONYMUS, T. A. Economics of futures trading. New York: Ed. Commodity Research Bureau, 1976.

KALDOR, N. Speculation and economic stability. Review of Economic Studies, v. 7, n. 1, 1939.

KEYNES, J. M. General theory of employment, interest and money. In: THE COLLECTED writings of John Maynard Keynes. London: MacMillan/St. Martin, 1936. v. 4.

KINDLEBERGER, C. P. Manias, panics and crashes. New York: Basic Books, 1989.

MINSKY, H. P. Stabilizing an unstable economy. New Haven: Yale University Press, 1986.

PEYRELEVADE, J. L’économie de spéculation. Paris: Ed. Seuil, 1978.

PLIHON, D. La montée en puissance de la finance spéculative. Campinas: UNICAMP.

Instituto de Economia, 1995. (Mimeogr.) PRESIDENT’S WORKING GROUP ON FINANCIAL MARKETS. Hedge funds leverage and the lessons of long-term capital management. Washington, DC, Apr. 1999.

TEWELES, R. J., HARLOW, C. V., STONE, H. L. The commodity futures game. New York: MacGraw Hill Book Company, 1974.

WORKING, H. Futures trading and hedging. American Economic Review, n. 3, 1953.

________. New concepts concerning futures markets and prices. American Economic Review, n. 52, 1962.

Publicado
2016-01-28
Como Citar
Farhi, M. (2016). Derivativos financeiros: hedge, especulação e arbitragem. Economia E Sociedade, 8(2), 93-114. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643137
Seção
Artigos