https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/issue/feed Economia e Sociedade 2022-08-19T15:14:40+00:00 Publicações do Instituto de Economia publicie@unicamp.br Open Journal Systems <p><strong>Escopo:</strong> <strong>Economia e Sociedade</strong> dá preferência a temas de amplo interesse nas áreas de teoria econômica, economia aplicada (nacional e internacional), história econômica e do pensamento econômico; a editoria poderá sugerir o encaminhamento de artigos sobre tópicos considerados de interesse mais restrito a publicações especializadas. A revista preza a comunicação entre cientistas sociais. Por essa razão, aconselha aos autores, quando recorrem a procedimentos formais, o máximo empenho no sentido de assegurar a legibilidade de seus textos. Tal propósito requer clareza na explicitação dos objetivos e das conclusões, bem como transparência no tocante às implicações das hipóteses simplificadoras e dos métodos empregados. Os autores dos artigos são responsáveis pelas ideias e conceitos contidos nos artigos.<br /><strong>Qualis</strong>: B1 <br /><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Sociais Aplicadas<br /><strong>Ano de fundação</strong>: 1992<br /><strong>e-ISSN</strong>: 1982-3533<br /><strong>Título abreviado</strong>: Econ. Soc.<br /><strong>E-mail</strong>: <a href="mailto:publicie@unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">publicie@unicamp.br </a><br /><strong>Unidade</strong>: <a title="IE" href="http://www3.eco.unicamp.br/" target="_blank" rel="noopener">IE</a><br /><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.1590 (SicELO)<br /><a title="CC-BY" href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p> https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670779 Bancos públicos na era da financeirização 2022-08-19T15:14:40+00:00 Alex Wilhans Antonio Palludeto ppec@unicamp.br Roberto Alexandre Zanchetta Borghi ppec@unicamp.br <p>Resenha de:&nbsp;Public banks in the age of financialization: a comparative perspective. Editado por Christoph Scherrer. Edward Elgar, 2017. (Advances in Critical Policy Studies).</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670758 Meio século da controvérsia do capital de Cambridge 2022-08-18T18:03:54+00:00 Cláudio Gontijo ppec@unicamp.br <p>Este artigo procura reexaminar as aparentes inconsistências lógicas da teoria neoclássica identificadas durante a Controvérsia de Cambridge, mas posteriormente desconsideradas na literatura <em>mainstream</em>, com base no argumento que essas inconsistências não estão presentes nos modelos de equilíbrio geral de Arrow Debreu. Nesse sentido, apresenta os principais problemas envolvidos, assim como exemplos numéricos que procuram tornar mais clara a argumentação desenvolvida. Além de uma perspectiva crítica, pretende ter uma função propedêutica, a qual, contudo, se vê naturalmente limitada pela complexidade do tema e dos argumentos usados pelos autores que o têm abordado.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670760 Friedrich List 2022-08-18T18:27:04+00:00 Flávio Santos Oliveira ppec@unicamp.br <p>O artigo evidencia a atuação de List como burocrata, secretário da Associação Alemã da Indústria e Comércio e deputado na Assembléia Legislativa de Württemberg para mostrar que boa parte de suas ideias econômicas, incluindo suas críticas à ortodoxia liberal clássica, já se encontravam formuladas antes de seu exílio nos Estados Unidos. Para situar este debate em um contexto maior, detalham-se não apenas o processo de difusão e ressignificação de&nbsp;<em>A Riqueza das Nações</em>&nbsp;nos territórios germânicos, mas também como List demonstra as inconsistências do&nbsp;<em>free trade</em>, em se tratando de países caracterizados por notáveis desníveis em termos de forças produtivas. Nota-se que, devido à sua experiência como burocrata, ainda sob forte influência do Cameralismo, este constituiu-se importante fonte de inspiração para List, sobretudo no que concerne ao papel do Estado na criação das condições propícias para o desenvolvimento econômico.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670762 Poupança privada e financiamento público 2022-08-18T18:43:30+00:00 Thiago Fontelas Rosado Gambi ppec@unicamp.br Eduardo José Vieira ppec@unicamp.br Marcel Pereira Silva ppec@unicamp.br <p>Este trabalho apresenta os resultados de um estudo sobre a Caixa Econômica Particular de Ouro Preto desde sua fundação, em 1838, até sua liquidação, em 1901. Acompanharemos a origem e o desenvolvimento dessa instituição por meio de seus estatutos e da legislação bancária do século XIX. A seguir, tentaremos mostrar, a partir de dados primários, duas de suas características mais marcantes: sua relação com o Estado e a diversificação da aplicação de seus fundos, especialmente entre 1880 e 1892. Consideraremos também a concorrência com a “Caixa Econômica pública”. Finalmente, trataremos a crise bancária da década de 1890 e, de maneira mais específica, o ocaso da Caixa Econômica Particular em 1901.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670763 A dívida pública, o câmbio e a dinâmica privada de alocação da riqueza financeira 2022-08-18T19:24:37+00:00 Thiago Rabelo Pereira ppec@unicamp.br Marcelo Miterhof ppec@unicamp.br <p>O artigo avalia como na economia brasileira durante os primeiros meses da pandemia da Covid-19 a dinâmica privada de alocação da riqueza financeira potencializou a instabilidade macroeconômica, condicionando as possibilidades e os limites das políticas fiscal e monetária, em particular via efeitos sobre o câmbio. São discutidas as razões da volatilidade financeira e seus impactos sobre o manejo da política econômica. Analisa-se o papel da especulação, enfatizando que – no contexto de juros baixos, que vigorou até 2020, e da proliferação de estratégias de investimento e de gestão de risco procíclicas por investidores locais, com destaque para os fundos multimercados – ela tem sido uma fonte de ampliação da instabilidade e da volatilidadedos preços. O texto discute ainda ideias para que a regulação incentive a diversidade de visões e de estratégias de investimento, combatendo as externalidades negativas da especulação.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670764 O Made in China 2025 em meio à hiperglobalização 2022-08-18T19:39:10+00:00 Marilia Bassetti Marcato ppec@unicamp.br <p>Este artigo investiga a recente política industrial chinesa, denominada&nbsp;<em>Made in China 2025</em>&nbsp;(MIC2025), e como essa aborda alguns dos desafios da organização de redes de produção internacionais em meio à hiperglobalização. Primeiro, exploramos O contexto histórico do MIC2025, além de seus objetivos estratégicos e seus principais desafios, para então explorar algumas facetas de sua dimensão externa. Segundo, elaboramos uma análise descritiva baseada em indicadores de comércio em valor-adicionado para ilustrar alguns aspectos do padrão de especialização chinês, utilizando a indústria de TIC como estudo de caso para discutir a importância crescente dos ativos intangíveis e como as empresas chinesas aprimoram a capacitação inovativa a partir de estratégias de internacionalização. Ao cabo, o governo chinês buscou melhorar a habilidade das empresas chinesas de gerenciar as relações de poder na governança global da inovação por meio do desenvolvimento de capacitação inovativa e upgrade em setores-chave, como é o caso do setor de TIC. O MIC2025 reforça uma visão institucional que não se limita à participação nas redes de produção internacionais, mas visa especialmente a criação de capacitações dinâmicas. Nesse sentido, a construção de capacitações tecnológicas locais e o fortalecimento de etapas da cadeia de valor, bem como a internacionalização das empresas chinesas, são bases cruciais da recente trajetória de transformação estrutural chinesa.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670772 Nível de complexidade da busca de fontes de informação para inovação da indústria brasileira a partir da análise de redes sociais 2022-08-19T12:03:35+00:00 Bruno Ferreira de Oliveira ppec@unicamp.br Felipe Ponciano da Cruz ppec@unicamp.br Enzo Matheus Fernandez Barreira Accioly ppec@unicamp.br <p>O objetivo do artigo é verificar a evolução da busca de Fontes de Informação para Inovar (FIIs) pelos setores da indústria de transformação brasileira, utilizando dados da PINTEC de 2008 a 2017. A Análise de Redes Sociais (ARS) foi utilizada para a construção de uma rede de interação entre setores industriais e as FIIs. Buscou-se verificar a existência de concentração em determinados setores industriais e formas de aprendizagem. Os resultados indicam que a rede apresenta atividade relacional crescente, entretanto, os setores industriais não seguem o padrão de aprendizado esperado pela bibliografia e os que seguem estão associados a setores de baixa intensidade tecnológica. Ademais, as FIIs consideradas centrais na rede estão associadas às formas de aprendizado relacionadas com o conhecimento tácito, enquanto as periféricas estão associadas ao conhecimento codificado.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670773 Inclusão interrompida? Educação Superior no Brasil no início do século 21 2022-08-19T12:22:42+00:00 Ana Luíza Matos de Oliveira ppec@unicamp.br Marcio Pochmann ppec@unicamp.br Pedro Rossi ppec@unicamp.br <p>O objetivo do artigo é avaliar a evolução recente do acesso da população brasileira à educação superior assim como o perfil dos estudantes tendo em vista o conjunto de políticas públicas direcionadas para a educação superior. Os dados mostram que, de 2001 a 2015, houve ampliação da representatividade dos negros, do número de estudantes em Unidades da Federação fora do eixo Sul-Sudeste-Brasília e do percentual de estudantes de renda baixa. Adicionalmente, busca-se mostrar que esse processo de inclusão pode estar ameaçado por políticas de austeridade, em especial a Emenda Constitucional 95.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670774 Efeito da qualificação adequada sobre a satisfação profissional dos jovens brasileiros 2022-08-19T12:48:30+00:00 Marcos de Oliveira Garcias ppec@unicamp.br Ana Lucia Kassouf ppec@unicamp.br <p>O objetivo deste estudo é investigar a relação de satisfação profissional dos jovens e a adequação educacional, mensurada a partir da compatibilização da escala ISCO e ISCED. Para tanto, foram utilizados dados da Pesquisa de Transição da Escola para o Trabalho (SWTS) da Organização Internacional do Trabalho (OIT), uma base de dados específica para o público jovem de 15 a 29 anos, no Brasil. Utilizou-se um modelo próbite ordenado, sendo a variável dependente o grau de satisfação profissional dos jovens. Foi verificada uma relação negativa e significativa da qualificação excessiva sobre a satisfação no trabalho. Além disso, ter um trabalho formal e maior salário/hora está positivamente relacionado com a satisfação no trabalho.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670775 Comportamento e determinantes das transferências federais em saúde no Brasil 2022-08-19T13:20:09+00:00 Barbara Sant’ana Kuenka ppec@unicamp.br Alexandre Nogueira Mugnaini Junior ppec@unicamp.br Mirela Silva de Oliveira ppec@unicamp.br José Luiz Parré ppec@unicamp.br <p>Concebido pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde (SUS) vislumbra a descentralização fiscal e a distribuição equitativa de fundos para estados e municípios. Por meio de uma Análise Exploratória de Dados Espaciais (AEDE) e a estimação de um modelo de defasagem espacial (SAR) via Método dos Momentos Generalizado (GMM), buscou-se identificar o comportamento e os determinantes para o repasse federal às microrregiões brasileiras, considerando o componente espacial. O diagnóstico espacial indicou que microrregiões que receberam maiores montantes de repasse eram vizinhas de microrregiões que também obtiveram repasses mais elevados. Resultados econométricos apontaram que microrregiões mais pobres receberam maiores repasses para a saúde. Pelo lado da demanda, a alta complexidade foi priorizada sobre a baixa; o inverso pelo lado da oferta, indicando certo grau de ambiguidade na distribuição dos recursos. Morbidade, número de médicos, hospitais de baixa complexidade e componentes político-partidários também foram determinantes para a atração de recursos federais.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670777 Políticas de preços e consumo alimentar de acordo com o IMC do chefe do domicílio 2022-08-19T14:20:51+00:00 Maria Cristina Galvão ppec@unicamp.br Alexandre Almeida ppec@unicamp.br <p>O objetivo deste artigo é analisar o efeito de uma política de impostos e subsídios sobre os produtos alimentícios consumidos pelas famílias classificadas de acordo com o IMC do chefe de domicílio. Para isso, foi utilizado o&nbsp;<em>Quadratic Almost Ideal Demand System</em>&nbsp;juntamente com os microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2008-2009. Os resultados apontam que domicílios com diferentes tipos de chefes (não obesos, sobrepeso e obeso) possuem elasticidades-preço e renda com sinais semelhantes, mas magnitudes distintas. Adicionalmente, com base nas elasticidades, cenários em que se tributam alimentos mais calóricos e isentam frutas e verduras produzem mudanças significativas no consumo nas famílias.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8670778 Esporte e prevenção criminal 2022-08-19T14:53:26+00:00 Igor Oliveira Santos Roson ppec@unicamp.br Suzana Quinet de Andrade Bastos ppec@unicamp.br Eduardo Simões de Almeida ppec@unicamp.br Sandro de Freitas Ferreira ppec@unicamp.br <p>O objetivo do trabalho é compreender a associação entre o esporte e a criminalidade. A hipótese apresentada é que essa associação é negativa, visto que a participação esportiva pode diminuir a criminalidade por três canais: i) ocupação do tempo, ii) aumento do custo moral e iii) aumento da renda legal esperada. A pesquisa testa esta hipótese ao mensurar a correlação da criminalidade com os gastos públicos e as instituições de formulação de políticas públicas de esporte e lazer dos municípios brasileiros para 2002 e 2010. Utiliza-se o modelo de efeitos fixos, tendo como variáveis dependentes a taxa de homicídios e a taxa de homicídios entre jovens. Os resultados mostram que há correlação negativa entre a taxa de homicídios em duas das cinco variáveis&nbsp;<em>proxy</em>&nbsp;de esporte estimadas. Ademais, a correlação esportecrime é negativa para a taxa de homicídios juvenis, exceto na estimação com a variável de gastos com esporte e lazer.</p> 2022-08-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade