Economia e Sociedade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos <p><strong>Escopo:</strong> <strong>Economia e Sociedade</strong> dá preferência a temas de amplo interesse nas áreas de teoria econômica, economia aplicada (nacional e internacional), história econômica e do pensamento econômico; a editoria poderá sugerir o encaminhamento de artigos sobre tópicos considerados de interesse mais restrito a publicações especializadas. A revista preza a comunicação entre cientistas sociais. Por essa razão, aconselha aos autores, quando recorrem a procedimentos formais, o máximo empenho no sentido de assegurar a legibilidade de seus textos. Tal propósito requer clareza na explicitação dos objetivos e das conclusões, bem como transparência no tocante às implicações das hipóteses simplificadoras e dos métodos empregados. Os autores dos artigos são responsáveis pelas ideias e conceitos contidos nos artigos.<br /><strong>Qualis</strong>: B1 <br /><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Sociais Aplicadas<br /><strong>Ano de fundação</strong>: 1992<br /><strong>e-ISSN</strong>: 1982-3533<br /><strong>Título abreviado</strong>: Econ. Soc.<br /><strong>E-mail</strong>: <a href="mailto:publicie@unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">publicie@unicamp.br </a><br /><strong>Unidade</strong>: <a title="IE" href="http://www3.eco.unicamp.br/" target="_blank" rel="noopener">IE</a><br /><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.1590 (SicELO)<br /><a title="CC-BY" href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p> pt-BR <p>A <strong>Economia e Sociedade</strong>&nbsp;utiliza a licença do&nbsp;<a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0">Creative Commons (CC)</a>, preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.</p> publicie@unicamp.br (Publicações do Instituto de Economia) ppec@unicamp.br (Portal de Periódicos Eletrônicos Científicos) Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 OJS 3.3.0.9 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 A gênese do neoliberalismo no Brasil https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671738 <p>O artigo discute o início do neoliberalismo no Brasil a partir dos ajustes promovidos sobre as empresas estatais do país pela Secretaria de Controle das Empresas Estatais (SEST) no começo dos anos 1980. As políticas da SEST promoveram o neoliberalismo no Brasil antes mesmo dos ajustes propostos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) a partir de 1983 e muito anteriormente às propostas do Consenso de Washington e à política econômica implementada a partir dos anos 1990, como costuma ser datado pela literatura econômica o marco do neoliberalismo no país.</p> Carlos Henrique Lopes Rodrigues Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://i.creativecommons.org/l/by-nc/4.0/ https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671738 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Capacidades político-relacionais governamentais e perfil da política industrial https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671746 <p>A formulação de políticas industriais é um processo complexo, marcado por avanços e retrocessos, refletindo fatores políticos e institucionais subjacentes. No presente artigo, pretendemos contribuir para a compreensão do papel das capacidades relacionais governamentais no delineamento do perfil da política industrial. A partir de uma pesquisa qualitativa sobre as políticas industriais brasileiras entre 2003 e 2014, este estudo aponta como a interlocução e coordenação entre atores públicos e privados são cruciais para o perfil da política industrial. Nossa análise mostra que, entre 2003 e 2007, houve uma construção de capacidades relacionais, refletidas em uma política industrial focada, aplicando predominantemente instrumentos regulatórios orientados à promoção da inovação. De 2007 a 2014, houve uma perda progressiva das capacidades relacionais, a política industrial perdeu o foco estratégico e houve uma crescente utilização de instrumentos de desoneração em sua gestão.</p> Guilherme de Queiroz-Stein, Alfredo Alejandro Gugliano Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671746 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Por que as empresas morrem? https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671753 <p>As micro e pequenas empresas (MPEs) são importantes para a economia brasileira, sendo responsáveis por parcelas significativas da produção e contribuindo para o desenvolvimento regional e a desconcentração da renda. O problema é que apresentam alta mortalidade devido a fatores internos, setoriais e externos. O presente estudo considerou condicionantes externos, que são menos explorados pela literatura empírica nacional. O objetivo foi averiguar se o advento do Simples Nacional em 2006, ao aprofundar simplificações tributárias, impactou na taxa de falências das MPEs brasileiras. Para isso, foram realizadas estimações para séries temporais com dados mensais de 2005 a 2017. Os resultados obtidos sinalizam que o Simples Nacional reduziu a taxa de falência das MPEs.</p> Luiz Gustavo Fernandes Sereno, Carlos Cesar Santejo Saiani, Cássio Garcia Ribeiro Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671753 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 O conceito do complexo econômico-industrial da saúde na prática https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671754 <p>Partindo do conceito do Complexo Econômico-Industrial da Saúde, o artigo teve como objetivo central realizar uma análise do modelo de política proposto pelas Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) e de seus principais resultados, por meio de um balanço crítico do grau de cumprimento dos principais objetivos explícitos da política. A partir da realização de uma extensa revisão bibliográfica de materiais referentes à temática das PDPs, a contribuição central do artigo consiste na realização de uma síntese organizada dos principais argumentos das potencialidades e dos limites associados ao modelo das PDPs diante dos objetivos a que se que propõem, separados pelas categorias de compras públicas, produção nacional de medicamentos, processos de inovação e impactos sociais, trazendo reflexões acerca de possíveis aprimoramentos para que sejam alcançados de forma ainda mais exitosa.</p> Gabriela Rocha Rodrigues de Oliveira, Ana Lucia Gonçalves da Silva Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671754 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Oportunidades de desenvolvimento https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671758 <p>O estudo analisa as oportunidades de crescimento e desenvolvimento das cidades do estado de São Paulo, considerando a complexidade econômica. Nossa hipótese é que a heterogeneidade estrutural no Brasil, e em São Paulo, cria desigualdades regionais. Portanto, as cidades têm diferentes trajetórias de desenvolvimento, dependendo de suas atuais capacidades econômicas e estruturas produtivas. O nível de complexidade econômica é a medida da capacidade de uma economia de produzir bens com um nível mais alto (ou mais baixo) de conhecimento embutido. A aplicação dessa teoria em cidades do estado de São Paulo indica níveis de complexidade substancialmente desiguais no território estadual, com os melhores indicadores concentrados em cidades como São Paulo e Campinas. Foi encontrada uma correlação entre o nível atual de complexidade dos municípios, seus níveis de produção e perspectiva de complexidade. Assim, a partir das oportunidades potenciais apresentadas para cada município e seu engajamento nesse processo de transformação, as cidades se desenvolverão a velocidades diferentes, podendo aprofundar as desigualdades já existentes.</p> Matheus Ávila, Ivette Luna Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671758 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Capital de comércio de vendas https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671781 <p>O trabalho mediado por plataformas digitais já produziu uma quantidade significativa de interpretações predominantemente <br>descritivas. O objetivo deste artigo é analisar, com base na teoria de Marx, o ramo de entrega de comida e de produtos de <br>supermercado a fim de compreender a relação teórica existente entre o entregador e as plataformas que medeiam o trabalho <br>de entrega. A literatura marxista sobre o tema se fixa, em geral, na análise do fenômeno da subsunção do trabalho ao capital <br>e caracteriza o entregador como trabalhador assalariado. Diferentemente disso, a hipótese aqui desenvolvida é que o <br>entregador obtém sua renda por meio da Circulação Simples de Mercadorias, sendo a mercadoria vendida pelo entregador <br>o transporte. O circuito realizado pelo entregador é subsumido pelo circuito do capital, o qual se caracteriza como Capital <br>de Comércio de Vendas, cujo lucro é parte do lucro industrial dos restaurantes e/ou do lucro comercial dos supermercados.</p> Francisco Paulo Cipolla, Dayani Cris de Aquino, Fernando di Giorgi Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671781 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Telecomunicações de Santa Catarina (Telesc) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671783 <p>O objetivo deste artigo é discutir a trajetória da Telecomunicações de Santa Catarina (Telesc) entre 1973 e 1997, destacando aspectos financeiros, produtivos e políticos, de acordo com os objetivos traçados pela Telecomunicações Brasileiras Sociedade Anônima (Telebras) e as demandas regionais impostas pela dinâmica da economia catarinense. O artigo está dividido em quatro tópicos. Num primeiro momento, apresenta-se uma breve introdução teórica sobre o papel das estatais nas economias contemporâneas na formação do capitalismo monopolista de Estado. O segundo versa sobre a centralização das telecomunicações no Brasil a partir da constituição do sistema nacional de telecomunicações e da atuação da Telebras. Em seguida, o texto traz uma breve contextualização da telefonia em Santa Catarina antes da federalização dos serviços, em 1973. O quarto tópico, é dedicado à narrativa da Telesc e suas dinâmicas na economia e na sociedade catarinense. No final apresenta uma breve síntese do movimento geral da telefonia durante a existência da Telesc.</p> Alcides Goulart Filho Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671783 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 O financiamento dos serviços de água e esgoto https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671784 <p>O artigo analisa como os principais prestadores dos serviços de água e esgoto se financiam, usando informações das demonstrações financeiras de 2016 e 2019. A caracterização das diferentes fontes de recursos junto com a comparação de sua participação nas dívidas das empresas entre os períodos tem como objetivo explicitar como os prestadores têm se financiado e identificar estratégias, bem como apontar desafios para a alavancagem futura dos investimentos. As emissões de debêntures, que no período se elevaram significativamente, foram especificamente analisadas. Diante da necessidade de mais do que dobrar a média dos investimentos realizados de 2007 a 2019 para que seja possível universalizar os serviços no país até 2033, como prevê o Plano Nacional de Saneamento Básico e o novo marco legal do saneamento, o artigo busca compreender qual o tipo de fonte de recurso é mais adequada a cada tipo de investimento dentro do setor, defendendo sua complementaridade na consecução dos investimentos para universalização. Por fim, aponta-se algumas perspectivas e desafios para a elevação dos investimentos com vistas à universalização.</p> Letícia Barbosa Pimentel, Marcelo Trindade Miterhof Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671784 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Local characteristics and the Covid-19 pandemic https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671786 <p>Visando compreender os motivos que levaram certas localidades a enfrentar mais/menos dificuldades no combate à COVID-19, estimou-se o efeito de determinadas características municipais sobre as principais estatísticas desta doença. Para tanto, consideraram-se dados&nbsp;<em>cross-section</em>&nbsp;(com casos/óbitos acumulados até 21 de abril/2021), sobre os municípios de Minas Gerais, e usaram-se os estimadores de Mínimos Quadrados Ordinários, Poisson e Binominal Negativo, além da técnica&nbsp;<em>Extreme Bounds Analysis.</em>&nbsp;Verificou-se que cidades pequenas, com mais unidades básicas de saúde e populações mais jovens, teriam menos casos/óbitos. Alternativamente, locais quentes, poluídos, tipicamente urbanos, desiguais, com maior atividade econômica e circulação de empregados, seriam mais problemáticos. A incidência e mortalidade aumentariam em municípios quentes, com maior atividade econômica e histórico de comorbidades. Todavia, a mortalidade diminuiria entre os mais educados e jovens. Ademais, a letalidade seria menor entre os jovens e em cidades com até 150 mil habitantes e poucas chuvas.</p> Vinícius de Azevedo Couto Firme, Hilton Manoel Dias Ribeiro, Juliana Gonçalves Taveira Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671786 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Multiplicadores fiscais, endividamento público e ciclo econômico https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671787 <p>Este estudo avalia a capacidade da política fiscal em suavizar o ciclo econômico brasileiro. Para tanto, são estimados multiplicadores para variáveis fiscais desagregadas. Considerando os impactos positivos da política fiscal sobre a atividade econômica, as respostas do produto aos choques diferem entre as fases recessivas e expansivas do ciclo durante o período de 1997 a 2018. Em termos de condução de política econômica, os resultados revelam que os estímulos à demanda agregada são mais adequados em um contexto recessivo. Por fim, os autores mostram que a inclusão da dívida líquida nas equações do modelo não altera o comportamento dos choques no SVAR. Contudo, embora modifique alguns resultados do MS-VAR, não se trata de uma variável predominante para a magnitude do multiplicador fiscal, pois as flutuações cíclicas prevalecem sobre o tamanho do impulso fiscal.</p> Vinícius de Oliveira Alves, Rodrigo Vilela Rodrigues, Geraldo Edmundo Silva Junior Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671787 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Mudanças no meio rural brasileiro na segunda década do século XXI https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671789 <p>A segunda década do século XXI tem se caracterizado pelo crescimento, no meio rural, da importância de famílias não agrícolas e pelas perdas de importâncias de famílias agrícolas e pluriativas, evidenciando uma nova configuração do nosso meio rural. O presente artigo, além de ilustrar esses fenômenos com dados secundários, utiliza-se de um modelo&nbsp;<em>Logit</em>&nbsp;multinomial e dados das Pnads Contínuas para avaliar a importância de atributos individuais, familiares, da ocupação dos membros que compõem a PEA ocupada da família e a sua localização regional para explicar essa nova composição das famílias vivendo em nosso meio rural. Os resultados econométricos nos informam que as maiores chances de uma família rural ser não agrícola ou pluriativa é ela viver fora do Centro-Oeste. Ter entre os seus membros o aposentado, ter maior número de membros e o seu chefe ser do grupo preto, pardo ou indígena aumenta as chances de a família rural ser não agrícola, em relação a ser família agrícola. Produzir para autoconsumo, ter beneficiário do bolsa família e ter maior número de dependentes são condições para aumentar a chance de a família rural ser pluriativa em relação a ser agrícola.</p> Domingos Isaias Maia Amorim, Carlos José Caetano Bacha Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671789 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000 Auditoria na alimentação escolar impacta a taxa de rendimento dos alunos? Estimação do efeito de um programa de fiscalização sobre os estudantes de escolas municipais https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671791 <p>Buscou-se identificar o efeito das auditorias no Programa de Alimentação Escolar sobre as taxas de rendimento dos alunos de escolas municipais. Para isso, foram utilizadas as taxas de aprovação, reprovação e abandono dos alunos do 5º ano do ensino fundamental, entre 2011 e 2018, dos municípios selecionáveis no Terceiro Ciclo de Fiscalização da Controladoria Geral da União (CGU), ocorrido em 2016. Foram utilizados os métodos de aleatorização, empregado pela CGU na seleção dos municípios fiscalizados, e&nbsp;<em>diff-in-diff</em>&nbsp;para robustez dos resultados. Os resultados não identificaram efeito nas taxas de reprovação e abandono, no entanto, a taxa de aprovação se mostrou positiva na estimação das médias gerais e dois anos após as fiscalizações. Assim, é possível supor mudanças estruturais na gestão da merenda escolar, possibilitando o recurso do PNAE ser utilizado para atingir o objetivo de, através da alimentação, contribuir para o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos de escolas públicas.</p> Leidian Moura da Silva, Diego Firmino Costa da Silva Copyright (c) 2022 Economia e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8671791 Tue, 20 Dec 2022 00:00:00 +0000