O ensino de psicologia e a educação infantil: a nova política pública para a educação infantil e o ensino fundamental e suas possíveis repercussões para o desenvolvimento psicológico infantil

Autores

  • Maria Silvia Pinto de Moura Librandi da Rocha Pontíficia Universidade Católica de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.661

Palavras-chave:

Desenvolvimento infantil. Atividade lúdica. Práticas educativas.

Resumo

O objetivo deste texto é abordar questões que permitam refletir sobre desafios enfrentados pelo ensino de Psicologia quando este focaliza a Educação Infantil. Optou-se por tematizar estas reflexões a partir da mudança recentemente implantada no sistema educacional brasileiro, tornando obrigatório que as crianças saiam mais cedo das pré-escolas e tenham antecipado o seu ingresso no Ensino Fundamental, para os 6 anos de idade. Os possíveis impactos desta mudança são analisados focalizando a atividade lúdica, com especial ênfase nas brincadeiras de faz-de-conta. Para estas análises, toma-se como pontos de sustentação conceitos da teoria histórico-cultural (especialmente os trabalhos de Vygotsky, L.S., Leontiev, A. N. e Elkonin, D. B.), os documentos oficiais propostos como referências para o trabalho com crianças (publicados pelo MEC) e o que tem sido possível identificar nas práticas educacionais em relação às brincadeiras infantis. O texto problematiza as relações entre estes discursos (permeadas por contradições) e sugere que o enfrentamento destas pode se constituir em compromisso extremamente importante nas atividades de docência que abordam as inter-relações entre Psicologia e a educação de crianças pequenas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Silvia Pinto de Moura Librandi da Rocha, Pontíficia Universidade Católica de Campinas

Graduada em Psicologia pela Puc-Campinas e professora desta Universidade, nas faculdades de Psicologia e Pedagogia. Obteve títulos de mestre e doutora na Faculdade de Educação da Unicamp, na área de Psicologia da Educação. Atualmente, desenvolve a pesquisa “A criança de 6 anos e o Ensino Fundamental”, vinculada a seu projeto de carreira docente.

Referências

ARCE, A. A brincadeira de papéis sociais como produtora de alienação no Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. In: ARCE, A.; DUARTE, N. (Org.). Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vigotski, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã. 2006.

BORBA, A. M. O Brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Mais um ano é fundamental. Brasília: MEC/SEF. 2006.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. 3 v. Brasília: MEC/SEF. Vol I: Introdução. 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Referencial Curricular Nacional para a Educação. Infantil. 3 v. Brasília: MEC/SEF. Vol II: Formação Pessoal e Social. 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. 3 v. Brasília: MEC/SEF. VoI Il I: Conhecimento de Mundo. 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Mais um ano é fundamental. Brasília: MEC/SEF. 2006.

DIAS, L. S. Infâncias nas brincadeiras: um estudo em creche pública e em creche privada. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes. 1998.

FARIA, A. L. G.; PALHARES, M. S. et al. Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados. 1999.

FARIA, A.L. G. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica. Educ. Soc, , v.26, n.92, p.1013-1038, out. 2005.

FRANÇA, G. W. Tia, me deixa brincar: o espaço do jogo na educação pré-escolar. 1990 Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 1990.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário. 1978.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone. 1988.

ROCHA, M. S. P. M.L. A constituição social do brincar: modos de abordagem do real e do imaginário no trabalho pedagógico. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

ROCHA, M. S. P. M. L. Não brinco mais: a (des)construção do brincar na educação infantil. Ijuí: Unijuí. 2005a.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes. 1996.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1994.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madrid: Visor. 1995. v.3.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madri: Visor Distribuciones. 1995a. v.4.

VITAL, M. R. A priorização dos conteúdos escolares em detrimento das atividades lúdicas na educação infantil. 2003. Dissertação (Mestrado). Universidade Presbiteriana Mackenzie. 2003.

WAJSKOP, G. Concepções de brincar entre profissionais de educação infantil: implicações para a prática institucional. 1996. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. 1996.

Downloads

Publicado

2008-12-03

Como Citar

Rocha, M. S. P. de M. L. da. (2008). O ensino de psicologia e a educação infantil: a nova política pública para a educação infantil e o ensino fundamental e suas possíveis repercussões para o desenvolvimento psicológico infantil. ETD - Educação Temática Digital, 8(2), 266–277. https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.661