Longevidade e dispersão física de periódicos nacionais sobre pesquisa, ensino e educação

Autores

  • Viviane Rummler da Silva Universidade Federal da Bahia
  • Guido Rummler Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v6i2.770

Palavras-chave:

Pesquisa. Ensino. Educação. Periódicos. Bibliometria.

Resumo

O tempo de circulação (longevidade) e o alcance geográfico (dispersão) constituem dois dentre os aspectos relacionados com a consolidação de um periódico. Por outro lado, os primeiros cinco anos de uma revista podem ser considerados como período probatório para sua sobrevivência. Com base no Catálogo Coletivo Nacional de Publicações Seriadas do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, foram identificados 34 periódicos sobre Pesquisa, 42 sobre Ensino e 253 sobre Educação, que têm algum fascículo editado no corrente qüinqüênio. Destes, 73,5%, 31,0% e 36,4%, respectivamente, correspondem a periódicos que têm 5 ou menos anos decorridos desde sua implantação até a edição do fascículo mais recente. Dos que apresentam edições por mais de cinco anos, a mediana de vida é de 11 anos (Pesquisa), 15 anos (Ensino) e 11 anos (Educação). Cerca da metade dos títulos de cada área são encontrados em bibliotecas institucionais de 5 ou mais Estados da Federação, sendo que 5,9% (Pesquisa), 21,4% (Ensino) e 13,4% (Educação) fazem parte do acervo de bibliotecas de 10 ou mais Estados. Como resultado desse trabalho, é apresentado o perfil etário e de dispersão dos periódicos, além de sua identificação pelo título e ISSN, dados que favorecem sua localização em sistemas de busca eletrônica ou física. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Rummler da Silva, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal da Bahia.

Guido Rummler, Universidade Estadual de Feira de Santana

Professor titular/Metodologia da Pesquisa/Universidade Estadual de Feira de Santana.

Referências

CARDOSO, S. C. Perfil: análise dos títulos de periódicos do serviço de Biblioteca e Documentação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 10 p. Disponível em: http://www.usp.br/medicina/sobre/biblioteca. Acesso em: 28 mar. 2004.

CASTRO, R, C. F.; FERREIRA, M. C. G.; VIDILI, A. L. Periódicos latino-americanos: avaliação das características formais e sua relação com a qualidade científica. Ci Inf., v. 25, n. 3, p. 357-267. 1996.

FERREIRA, M. C. G.; KRZYZANOWSKI, R. F. Periódicos científicos: critérios de qualidade. Pesqui. Odontol. Bras. v. 17, supl. 1, p. 43-48. 2003.

KRZYZANOWSKI, R. F.; FERREIRA, M. C. G. Avaliação de periódicos científicos e técnicos brasileiros. Ci. Inf., v. 27 , n. 2, p. 165-175. 1998.

TARGINO, M. G,; GARCIA, J. C. R. Ciência brasileira na base de dados do Institute for Scientific Information (ISI). Ci. Inf., v. 29, n. 1, p. 103-117. 2000.

TESTA, J. A base de dados ISI e seu processo de seleção de revistas. Ci. Inf., v. 27, n. 2, p. 233-235. 1998.

VALÉRIO, P. M. Espelho da Ciência: avaliação do programa setorial de publicações em ciência e tecnologia da INEP. Brasília: INEP/IBICT, 1994, apud GOMES, Sonia Pedroso;

SANTOS, M. A. L. C. Avaliação de um periódico na área de medicina tropical. Ci. Inf., v. 30, n. 2, p. 91-100. 2001.

Downloads

Publicado

2008-11-12

Como Citar

SILVA, V. R. da; RUMMLER, G. Longevidade e dispersão física de periódicos nacionais sobre pesquisa, ensino e educação. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 1-16, 2008. DOI: 10.20396/etd.v6i2.770. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/770. Acesso em: 30 out. 2020.