ETD - Educação Temática Digital https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd <p><strong>Escopo: </strong>A <em>ETD – Educação Temática Digital</em> é uma publicação eletrônica multidisciplinar que se dedica à publicação de artigos da comunidade científica nacional e internacional que investiguem questões de interesse do campo educacional e áreas afins, tendo como objetivo a contribuição para a formação do pesquisador e da pesquisadora da área de Educação por meio da divulgação e disseminação de pesquisas e estudos realizados por educadores e educadoras vinculados/as a instituições nacionais e estrangeiras.<br />O propósito da revista reside em seu escopo multidisciplinar que atenda a todas as áreas que permeiam a Educação. Por esta razão, ela é temática e funciona somente no ambiente digital (tipo de suporte), que pode ser traduzido para eletrônico ou <em>on-line</em>, ou seja, é exclusivamente digital e praticante do acesso aberto, desde a sua fundação.<br /><strong>Quali</strong><strong>s</strong>: A1 <br /><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Humanas<br /><strong>Ano de fundação</strong>: 1999<br /><strong>E-ISSN</strong>: 1676-2592<br /><strong>Título abreviado</strong>: ETD - Educ. Temat. Digit.<br /><strong>E-mail: </strong><a href="mailto:acdiasjr@unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">acdiasjr@unicamp.br</a><br /><strong>Unidade</strong>: <a href="http://www.fe.unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">FE</a><br /><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.20396<br /><a title="CC-BY-NC-ND" href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p> pt-BR <p>A <strong>ETD - Educação Temática Digital</strong>&nbsp;utiliza a licença do&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons (CC)</a>, preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.</p> acdiasjr@unicamp.br (Antonio Carlos Dias Júnior) ppec@unicamp.br (Portal de Periódicos Eletrônicos Científicos) Fri, 16 Dec 2022 22:38:31 +0000 OJS 3.3.0.9 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Educação bilingue de surdos https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8671715 <p>O quarto e último número da Revista ETD -Educação Temática Digital de 2022oferece aos seus leitores e às suas leitoras o Dossiê Temático “Educação Bilíngue de Surdos: retrospectivas, práticas e perspectivas”, que traz olhares retrospectivos para aspectos históricos relacionados à educação de pessoas surdas, bem como aborda questões da atualidade e tópicos de interesse para futuras reflexões no campo de Estudos Surdos e de Educação Bilíngue de Surdos. Também compõe o número seis artigos recebidos no fluxo contínuo da Revista que tratam de temas diversos, tais como: formação de professores e professoras; educação profissional e precarização das condições de trabalho; meio ambiente, tecnologias e práticas educativas; literatura infantil; estilos de aprendizagem na modalidade de educação a distância; e políticas educacionais na rede estadual paulista</p> Antonio Carlos Dias Júnior, Aryane Santos Nogueira Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8671715 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Reflexões sobre educação de surdos em nossa contemporaneidade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669320 <p>Em nossa atualidade estamos lidando com muitas mudanças na educação dos surdos e uma delas é a educação bilíngue para surdos ser definida como modalidade na Lei de Diretrizes e Bases (LDB) ao lado da educação especial não sendo mais parte dessa. Tal modalidade é defendida pelos sujeitos e pesquisadores surdos a partir da aposta de que os surdos apresentam uma diferença linguística fugindo assim do modelo da deficiência na definição de seu público alvo. Este artigo tem como objetivo, pensar sobre o lugar das línguas na educação bilíngue para surdos e para isso partimos da seguinte pergunta “como pensarmos então a Libras como língua da escola?” Para fazermos estas reflexões, discutiremos a educação bilíngue como “desejo de realidade” como nos aponta Larrosa (2008) bem como nos perguntamos se a Libras como língua da escola é alienante ou emancipadora a partir de Masschelein e Simons (2017). Por fim, defendemos uma linguagem educacional na educação dos surdos com Biesta (2013) a partir de três noções: confiança sem fundamento, violência transcendental e responsabilidade sem conhecimento.&nbsp;&nbsp;</p> Lucyenne Matos da Costa Vieira-Machado, José Raimundo Rodrigues, Daniel Junqueira Carvalho Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669320 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Educação bilíngue de surdos na LDB https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670061 <p>Este artigo se baseia na reflexão sobre a Educação Bilíngue de Surdos em contextos da política educacional e política linguística onde busca discutir sobre as legislações voltadas a educação de surdos tendo por pressupostos pós-estruturalismo em estudos teóricos da Educação bilíngue de surdos e Estudos Surdos contextualizado com o movimento surdo. O texto trata das ações das políticas surdas idealizadas pela Feneis apresentando os norteamentos da nova conquista do movimento surdo: Educação Bilíngue de Surdos como modalidade de ensino na LDB por meio de lutas em redes sociais com os representantes surdos. Com base nesses pressupostos teóricos, esse artigo utilizará de análise documental e empírica onde apresentará os pontos de negociação e estratégias de fomentar a política educacional e linguística tendo em vista a implementação da inclusão escolar que viabilize a formação pedagógica dos professores com base na cultura e identidade dos surdos assim como também o uso linguístico em todo o seu processo de escolarização com ajuste das diretrizes curriculares a ser viabilizada com a nova Lei 14.191/2021. Com a coleta de análise se espera que a Educação Bilíngue de Surdos na LDB seja uma realidade na prática de ensino aos estudantes surdos a ser promovida e construída em todas as secretarias de educação propiciando efetivamente a inclusão escolar, as estruturais educacionais, valorização da cultura e identidade e direitos linguísticas, considerando a diretrizes bases e curriculares numa perspectiva de ensino bilíngue promovendo os princípios básicos da educação aos surdos: ensino de qualidade, acesso ao conhecimento e permanência escolar.</p> Flaviane Reis, Marisa Dias Lima Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670061 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Língua de sinais e ensino bilíngue https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670059 <p>Auguste Bébian (1789 - 1839, Pointe-à-Pitre) foi o primeiro a lançar as bases para a educação bilíngue como a conhecemos hoje: a língua de sinais com a língua oral e o francês escrito. Bébian também desenvolveu um sistema de escrita em língua de sinais (Mimographie, 1825) e, finalmente, o que constitui o cerne de seu projeto filosófico: despojando-a dos sinais metódicos inventados pelo Abade de l'Épée, a língua de sinais recupera sua própria estrutura e funcionando diferentemente das línguas vocais, é considerada a língua natural dos surdos. Além disso, Bébian não vê nela um meio de expressar os pensamentos dos surdos, a língua de sinais é seu instrumento (Essai sur les sourds-muets et sur le langage naturel, 1817). O objetivo deste artigo é demonstrar que, na educação de surdos, a língua de sinais não pode ser definida como uma opção linguística e pedagógica "simples". A língua de sinais inscreve-se sobretudo numa certa reflexão ontológica e ecológica, pois situa-se na própria encruzilhada das relações entre os indivíduos, suas capacidades e as atividades em torno das quais organizam suas vidas e seu ambiente. Abordar a questão da língua de sinais na educação bilíngue de jovens surdos hoje, para além dos marcos legais, institucionais e pedagógicos, implica levantar a questão de sua necessidade e as condições de sua contingência.</p> Fabrice Bertin, Andrea Benvenuto Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670059 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Projeto de uma colônia agrícola de surdos https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669147 <p>Em 1870, dez anos antes do conhecido<em> II Congresso Internacional de Educação para Surdos</em> de Milão, Joseph Théobald, um dos quatro surdos nele presentes, detalha os motivos pelos quais a criação de uma colônia agrícola de surdos seria um projeto relevante para ser implementado com o apoio da Sociedade de Educação e de Assistência para os Surdos-Mudos na França. O objetivo deste trabalho é oferecer escuta à demanda de Théobald em seu projeto, analisando o contexto histórico (político, social, educacional) da França do século XIX, que permitiu a emergência de uma proposta que, hoje, nos impactaria: a da criação de uma colônia agrícola de surdos. A metodologia consiste na análise de discurso da fonte histórica primária – <em>Projet d´une colonie agricole de sourds-muets</em> – e sua discussão a partir do estudo de processos históricos ocorridos no século XIX, em especial na França. Além disso, à luz da investigação sobre Surdotopia, integrando Estudos Surdos, Estudos de Cultura e Estudos de Utopia, procuramos entender os contornos da vida e da obra de Théobald como potencial manifestação de Surdotopia. O nosso recorte considera, principalmente, as iniciativas feitas por surdos para poderem viver e ser surdos.</p> <p> </p> Regina Maria de Souza , Fábio Bezerra de Brito, Cristina Gil Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669147 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Epistemologias azuís das línguas de sinais indigenas https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669296 <p><strong>&nbsp;</strong>As epistemologias azuis das línguas de sinais indígenas emergentes em contextos interculturais buscam refletir sobre os pressupostos teóricos dos estudos surdos em contextos indígenas. Trata-se de reflexões epistemológicas realizadas pelos pesquisadores João Carlos Gomes, da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e Shirley Vilhalva da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). O estudo buscará refletir sobre os sinais emergentes utilizados por indígenas surdos nos processos de comunicação e expressão em contexto indígenas. O estudo terá como base epistemológica os pressupostos pós-críticos dos estudos teóricos das línguas de sinais emergentes. Com base nesses pressupostos teóricos, os pesquisadores analisaram as estratégias de comunicação e expressão utilizados por meio de sinais naturais que tornam sinais emergentes em língua de sinais indígena com base na cultura e identidade dos indígenas surdos. O estudo demonstrará que os sinais familiares possuem configurações iconográficas interculturais que podem ser utilizadas como processos próprios de ensino-aprendizagem nos contextos das escolas indígenas. Nesta perspectiva, os pesquisadores reconhecem que a maioria das línguas emergentes tem um tempo de duração que são "estabelecidos" conforme a necessidade dos processos de comunicação e expressão em territórios indígenas. São línguas que são institucionalizadas por pequenos grupos de indígenas surdos que utilizam de suas raízes culturais para produzir sinais emergentes. São línguas que passam por processo de evolução mais rápidas do que as línguas de sinais institucionalizadas. Essas línguas emergentes são difíceis de ser mapeadas e podem não ser uniformes em suas estruturas linguísticas, considerando o léxico, a morfologia, a sintaxe e a pragmática.</p> João Carlos Gomes, Shirley Vilhalva Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669296 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Uma reconstrução histórica da implementação de um modelo bilíngüe nas escolas para surdos na Venezuela entre 1985 e 1996 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669157 <p>Em 1985, o Ministério da Educação da Venezuela iniciou o Modelo de Atención Integral al Niño Sordo, uma mudança da prática oralista para um modelo bilíngüe nas escolas para surdos. Isto envolveu eliminar o ensino do espanhol falado como objetivo principal, bem como introduzir a Língua Venezuelana de Sinais (LSV) nas escolas. Isso desencadeou um intenso período de mudanças que marcou indelévelmente a comunidade surda. O Modelo é abordado aquí a partir da perspectiva do planejamento lingüístico, descrevendo seus objetivos e seus efeitos na aquisição, estrutura (o corpus) e status da LSV: LSV e espanhol sinalizado foram realocados na diglossia que existia até então; uma variante acadêmica do LSV surgiu e o número de usuários do LSV aumentou. O estudo foi baseado na análise qualitativa de entrevistas com cinco testemunhas desse processo.</p> Alejandro Oviedo Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669157 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Considerações sobre a educação bilíngue para a comunidade surda no Uruguai https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669209 <p>Neste artigo apresento algumas das discussões teóricas desenvolvidas em duas investigações realizadas no Uruguai na Área dos Estudos Surdos/ TUILSU, na Universidad de la República. Nestas investigações revisamos o modelo atual de educação bilíngue LSU-Espanhol e propomos migrar para uma educação plurilíngue, pluriletrada e intercultural. As principais considerações feitas para propor essa migração são as seguintes. O modelo bilíngue continua a ver o espanhol como língua de maior prestígio e de cultura acadêmica, o que representa o risco de reconstruir as relações de opressão da língua oral sobre a língua de sinais no contexto escolar. Da mesma forma, o bilinguismo tende a considerar a LSU como um dispositivo didático e não como uma língua em si, o que pode ter como consequência a assimilação da perspectiva clínica no contexto educacional (dispositivo didático = artefato para compensar uma deficiência). A proposta bilíngue mantém uma postura <em>escriturocéntrica</em> segundo a qual, a única forma da cultura letrada, é por meio do espanhol escrito, ignorando o papel desempenhado pelas video-gravações em LSU no desenvolvimento da cultura surda pluriletrada. Tampouco o bilinguismo reconhece o espanhol surdo como uma variedade possível do espanhol, persistindo a opressão do espanhol estândar sob a forma de modelo <em>normo-oyente (norma- ouvinte)</em>. Por fim, a proposta bilíngue ignora que a comunidade surda está inserida em um mundo globalizado, que requer uma educação da qual participem, além das línguas nacionais, línguas globais e línguas regionais, tanto línguas de sinais com as línguas orais.</p> Leonardo Peluso Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8669209 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 A vida depois da escola https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670247 <p>A maioria dos estudos em educação de S/surdos foca em crianças que estão em seus anos escolares. O objetivo disso é evidente: preparar professores de S/surdos para proporcionar a essas crianças os melhores meios possíveis de enfrentar a vida adulta. Esse também tem sido o objetivo da pesquisa em educação de S/surdos na Itália. Os estudos em educação de S/surdos e Língua de Sinais têm permitido a propagação de uma série de cursos de formação de professores e a criação de novas profissões no campo da educação que atendem às necessidades de crianças S/surdas de uma maneira apropriada. No entanto, enquanto a formação de educadores para as necessidades de crianças S/surdas está melhorando, uma lacuna geracional permanece entre aqueles que foram educados em escolas especiais (agora com mais de 40 anos), adultos que foram educados sem ter um profissional especializado para se referir (entre 30 e 40 anos), e jovens adultos que tiveram todas as oportunidades para desenvolver suas habilidades, mas ainda lutam para superar as barreiras linguísticas ou socioculturais para melhorar profissionalmente no mundo dos adultos. Este artigo se detém à situação específica da aprendizagem ao longo da vida de adultos S/surdos italianos e estrangeiros, oferecendo um panorama da aprendizagem ao longo da vida de S/surdos na Itália e na Europa.</p> Maria Tagarelli De Monte Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8670247 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Professores iniciantes e coformação https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663612 <p>Este texto foi escrito a partir dos resultados de um Projeto de Pesquisa CNPq desenvolvido com professores iniciantes de uma rede de ensino em um município da região do Vale do Rio dos Sinos/RS (2018-2021). O <em>corpus</em> empírico analisado é um conjunto de materiais oriundos de questionários on-line e das discussões de grupos de formação. O recorte teve como objetivo analisar narrativas de professores iniciantes que atuam nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (AIEF) sobre os processos de acolhimento, acompanhamento e formação continuada no início de carreira docente. Na articulação dos estudos sobre formação de professores e estudos sobre docência contemporânea, esta pesquisa permite ampliar a compreensão sobre a inserção dos professores na carreira docente. O estudo também contemplou a etapa de Revisão de Literatura sobre programas específicos para professores iniciantes. A problematização foi elaborada a partir dos conceitos de “coformação”, de “ética da partilha” e de “<em>ethos</em> aberto”. Os resultados apontam para a necessidade de programas que atentem para as demandas e especificidades dos professores iniciantes ao ingressarem na escola pública. O exercício analítico possibilitou inferir sobre a potência do trabalho de formação quando esse envolve o coletivo de professores: os sujeitos criam conexões e estabelecem redes de cooperação/colaboração que operam na constituição de uma ética da partilha. Por fim, apresentamos a coformação como possibilidade para pensar/criar outras práticas com foco na formação de professores iniciantes e o <em>ethos</em> aberto como condição potencial no desenvolvimento de políticas públicas para a formação continuada.</p> Sandra de Oliveira, Sabrine Borges de Mello Hetti Bahia, Antônia Regina Gomes Neves Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663612 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Educação profissional e o avanço do trabalho precarizado https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663480 <p>O objetivo do artigo é mostrar as inflexões no modo de perceber a organização do trabalho desde o início do século XXI e seus efeitos na educação profissional, com especial atenção ao Ensino Médio Integrado. A pesquisa foi desenvolvida por meio da análise de um conjunto de documentos, mostrando dois movimentos. Primeiramente, a criação dos Institutos Federais e do Ensino Médio integrado no Governo Lula, que estaria articulada com uma racionalidade baseada no trabalho imaterial. Em seguida, o processo de enfraquecimentos destes Institutos no Governo Bolsonaro, que estaria associada com uma crescente uberização do trabalho. As análises mostram uma mudança de ênfase do trabalho imaterial, com forte uso das capacidades intelectuais, para um trabalho precarizado, que mobiliza sobretudo as forças do corpo, sinalizando diferentes formas de pensar o sistema produtivo do país e seus efeitos no campo da educação profissional.</p> Rodrigo Klassen Ferreira, Karla Saraiva Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663480 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Conectando-se com o ambiente https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661527 <p><span class="TextRun BCX0 SCXW78129231" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun BCX0 SCXW78129231">A Educação Ambiental (EA) é um tema transversal de inserção coletiva e articulada ao currículo escolar. Nesse sentido, ela exige práticas educativas que ampliem a percepção dos estudantes sobre as relações com meio ambiente. O advento das tecnologias pode possibilitar aos professores diferentes formas de desenvolver essa perspectiva. Desta forma, o presente artigo visa analisar as práticas educativas de EA mediadas por tecnologias e aplicadas no contexto escolar brasileiro. Para isso, foi realizado um estudo de revisão em periódicos indexados com&nbsp;</span><span class="SpellingError BCX0 SCXW78129231">Qualis</span><span class="NormalTextRun BCX0 SCXW78129231">&nbsp;na área de Ensino e Educação a partir da Plataforma Sucupira. Foram selecionadas revistas na área de Educação Ambiental e levantados os artigos que se encaixavam no critério: prática educativa aplicada no ambiente escolar com uso de tecnologias. Os resultados permitiram identificar os focos de pesquisa e tecnologias utilizadas, investigar a sequência didática das práticas, percebendo o papel dos educandos no uso das tecnologias e identificar as concepções de educação ambiental relacionadas com as práticas educativas. Conclui-se que, em boa parte, as práticas analisadas promovem o desenvolvimento de competências para a formação de um cidadão inovador e crítico. Por outro lado, há a necessidade de alinhar concepções teóricas, práticas e recursos tecnológicos de modo a ampliar a discussão crítica acerca das problemáticas socioambientais e estimular a participação e mobilização social, usando de modo mais efetivo os recursos e mediações possibilitadas pelas tecnologias digitais.</span></span><span class="TextRun BCX0 SCXW78129231" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun BCX0 SCXW78129231">&nbsp;</span></span><span class="EOP BCX0 SCXW78129231" data-ccp-props="{&quot;201341983&quot;:0,&quot;335551550&quot;:6,&quot;335551620&quot;:6,&quot;335559739&quot;:200,&quot;335559740&quot;:240}">&nbsp;</span></p> Bruna Hamann, Daniela Hostin, Daniela Tomio, Mauricio Capobianco Lopes Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661527 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Estudo das ilustrações aplicadas a livros infantis https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8664014 <p>A literatura infantil é essencial para o desenvolvimento do adulto leitor, capaz de interpretar a sociedade em que está inserido. No entanto, deve-se considerar que, no livro infantil, as mensagens comunicacionais são resultado de textos e imagens que são complementares. Assim, esta pesquisa busca fazer um levantamento bibliográfico de pesquisas brasileiras que vêm trabalhando texto e imagens em livros para crianças de acordo, principalmente, com a teoria da multimodalidade de Kress e Van Leeuwen (1996). Para isso, foi realizado um levantamento nas bases de pesquisas científicas (Datacapes e Scielo) com o objetivo de mapear esses trabalhos e identificar os pontos altos dessas pesquisas, bem como as lacunas por elas deixadas. Como resultado, percebemos que ainda há um vasto campo a ser explorado em relação à multimodalidade, principalmente no que tange à análise de imagens em livros infantis.</p> Patricia Michelotti, Graziela Frainer Knoll, Valeria Iensen Bortoluzzi , Taís Steffenello Ghisleni Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8664014 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Estilos de aprendizagem e construção do conhecimento na modalidade de educação a distância https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663876 <p>No século XXI, dado o seu potencial de abrangência geográfica, a Educação a Distância (EaD) tem sido utilizada como meio capaz de ampliar a formação de profissionais da área da saúde em diversas áreas do país. Considerando a capilaridade e seu potencial educacional, urge compreender como ocorrem os processos de ensino e, fundamentalmente, de aprendizagem nesta modalidade. Para tanto, recorremos à literatura sobre o processo de ensino presencial e à distância para tecer nossa reflexão e análise. Este estudo caracterizou-se como transversal, de natureza descritiva/explicativa, com abordagem mista e buscou correlacionar os estilos de aprendizagem (EA) às ferramentas presentes no ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Consideramos que é essencial que os alunos analisem as possibilidades de estudo e interações presentes no AVA para que possam se apropriar do percurso formativo e ganhem autonomia para traçar e/ou eleger suas estratégias de estudo. A combinação de autoconhecimento com o conhecimento do ambiente virtual de aprendizagem é a melhor equação para o bom aproveitamento dos estudos na modalidade em EaD. Por fim, conhecer os estilos de aprendizagem dos alunos torna-se um recurso essencial para que professores e tutores possam prover mecanismos mais significativos de construção do conhecimento em plataformas como o Moodle. Conclui-se que conhecer o estilo de aprendizagem do aluno é importante; no entanto, é apenas um dos muitos recursos que podem contribuir para a construção do conhecimento no AVA.</p> Luísa Pavlick Pereira, Márcia Rosa da Costa, Sílvio Cesar Cazella Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8663876 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Gestão para resultados e controle do trabalho docente na política educacional paulista (2011-2014) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661570 <p>Neste artigo investigamos a política educacional da rede estadual paulista na gestão 2011-2014, com foco no Programa Educação Compromisso de São Paulo (PECSP), verificando se houve aprofundamento da visão gerencialista que orientou a gestão da educação paulista desde meados dos anos de 1990. Para tal foi realizado estudo documental e levantamento de bibliografia relativa ao tema. O conceito de Estado integral de Antonio Gramsci e a análise de políticas públicas orientaram o exame do processo de formulação e o conteúdo da política educacional. Constatamos que houve intensificação da implantação da gestão gerencial na educação paulista, que se expressa na participação de instituições privadas vinculadas ao capital no delineamento de um conjunto de medidas,&nbsp; que foram configurando formas de gestão do sistema e da escola que exigem do diretor escolar um alinhamento cada vez maior às políticas oficiais e aos mecanismos de controle do trabalho docente e de gestão que dificultam a efetivação da participação da comunidade e se distanciam do princípio constitucional da gestão democrática.</p> Márcia Aparecida Jacomini, Eliane da Costa Bruini, Caio Cabral da Silva Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661570 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000 Educação bilíngue de surdos https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8671673 <p>Em tempos de discussão acerca da educação bilíngue de surdos como modalidade, no presente dossiê nossas lentes foram dirigidas a experiências realizadas por países distintos, com o cuidado de elegermos pesquisadores de referência no campo da História da Educação, subárea&nbsp; História da Educação de Surdos.&nbsp; Tal iniciativa se vinculou à disciplina de pós-graduação <em>FE 190 C Seminário Internacional em História da Educação: memórias da Educação de Surdos </em>&nbsp;compartilhada com a Universidade Federal do Espírito Santo (cujo código da disciplina é: PPGE-5303), sob coordenação da professora Lucyenne Matos da Costa Vieira-Machado e o apoio inestimável do doutorando José Raimundo Rodrigues, também da UFES e orientando de Lucyenne.</p> Lucyenne Matos da Costa Vieira-Machado, Regina Maria de Souza, José Raimundo Rodrigues Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8671673 Fri, 16 Dec 2022 00:00:00 +0000