Gestão escolar e burocracia de médio escalão

a percepção de diretores e diretoras escolares sobre sua autonomia de gestão e seu poder de influência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8661138

Palavras-chave:

Gestão escolar, Burocracia de médio escalão, Escola pública, Diretor - Diretora escolar

Resumo

Diretores e diretoras escolares são elos fundamentais entre as diretrizes das políticas educacionais e a sua aplicação prática, e, como pertencentes à burocracia de médio escalão, atuam entre os formuladores de políticas e a burocracia implementadora. Este trabalho busca captar a percepção de diretores/as escolares das redes públicas municipais e estadual do estado de São Paulo em relação à sua autonomia, poder decisório e influência nas definições da administração pública. A pesquisa de natureza empírica, quantitativa e exploratória, foi realizada em 2018, endereçada a 652 diretores/as escolares, obtendo 60 respostas. Os resultados demonstram que os/as respondentes têm a percepção de sua autonomia de gestão sem a dependência de superiores hierárquicos, embora indiquem limitações no processo. Ao mesmo tempo, os resultados sugerem haver espaço para atuação efetiva dos/as diretores/as escolares também no âmbito de formulação de políticas públicas de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirza Rosas Augusto Laranja, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestrado em Gestão e Políticas Públicas pela Fundação Getúlio Vargas. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com apoio CAPES – Programa de Suporte a Pós-graduações.

Rita de Cássia Alves Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutorado em Antropologia, pertence ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-doutorado junto ao Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales - CLACSO.

Referências

ABDIAN, G.; OLIVEIRA, M. E. N.; JESUS, G. Função do Diretor na Escola Pública Paulista: mudanças e permanências. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília/SP, Brasil. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 3, p. 977-998, jul./set. 2013. Disponível em: https://bityli.com/XBvdsG. Acesso em: 7 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S2175-62362013000300015

ABERBACH, J.; PUTNAM, R.; ROCKMAN, B. Bureaucrats and politicians in Western Democracies. Cambridge: Harvard University Press, 1981. DOI: https://doi.org/10.4159/9780674020047

ABRUCIO, F. A dinâmica federativa da educação brasileira: diagnóstico e propostas de aperfeiçoamento. In: OLIVEIRA, R. P.; SANTANA, W. (org.). Educação e federalismo no Brasil: combater as desigualdades, garantir a diversidade. Brasília: UNESCO, 2010, p. 39-70.

ALONSO, M. O papel do diretor na administração escolar. Rio de Janeiro: Difel, 1976.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF, 1988. Disponível em: https://bityli.com/ptOQz. Acesso em: 7 de jul. de 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: https://bityli.com/xBjBm. Acesso em: 7 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Plano decenal de educação para todos. Brasília, DF: MEC, 1993.

CORTINA, R. L. Burocracia e educação: o diretor de escola no Estado de São Paulo. Araraquara: FCL/Laboratório Editorial/UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 1999.

FREIRE, A. O. G. Perfil da burocracia de médio escalão do Poder Executivo Federal. Brasília: ENAP, 2014. p. 102 (Cadernos ENAP, 39).

FREIRE, A.; VIANA, R. R.; PALOTTI, P. L. Influência sobre o processo decisório: o que explica o protagonismo da burocracia Federal de médio escalão. In: CAVALCANTE, P. L. C.; LOTTA, G. (org.). Burocracia de médio escalão: perfil, trajetória e atuação. Brasília: ENAP, 2015.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, p. 93-130, abr. 2003. Disponível em: https://bityli.com/aKCVYi. Acesso em: 7 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000100005

LIPSKY, M. Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public services. Nova York: Russell Sage Foundation, 1980. Cap. 1, 2, 11 e 12.

LOTTA, G.; PIRES, R. R.; OLIVEIRA, V. E. Burocratas de médio escalão: novos olhares sobre velhos atores da produção de políticas públicas. In: CAVALCANTE, P. L. C.; LOTTA, G. (org.). Burocracia de médio escalão: perfil, trajetória e atuação. Brasília: ENAP, 2015. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v65i4.562

LOURENÇO FILHO, M. B. Organização e administração escolar: curso básico. 8. ed. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007.

LÜCK, H. A Evolução da gestão educacional, a partir de mudança paradigmática. Revista Gestão em Rede, n. 03, p. 13-18, nov. 1997. Disponível em: https://bityli.com/agrfgS. Acesso em: 7 jul. 2022.

LÜCK, H. Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Positivo, 2009.

OLIVEIRA, D.; VIEIRA, L. Trabalho na educação básica: a condição docente em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. (Coleção Edvcere, v. 23).

OLIVEIRA, V.; ABRUCIO, F. Burocracia de médio escalão e diretores de escola: um novo olhar sobre o conceito. In: PIRES, R.; LOTTA, G.; OLIVEIRA, V. (org.). Burocracia e políticas públicas no Brasil: interseções analíticas. Brasília: Ipea: Enap, 2018.

PARO, V. H. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1986.

PARO, V. H. O Conselho de escola na democratização da gestão democrática. In: BICUDO, M. A. V.; SILVA JUNIOR., C. A. (org.). Formação do educador: organização da escola e do trabalho pedagógico. São Paulo: Ed. da UNESP, 1999. p. 209-218. (Seminários & Debates, v. 3).

PETERS, B. G. Still the century of bureaucracy? The roles of public servants. Viešoji politika ir administravimas, Vilnius, n. 30, p. 7-21, 2009. Disponível em: https://bityli.com/QNFygv. Acesso em: 8 jul. 2022.

PIRES, R. “Burocracia, discricionaridade e democracia: alternativas para o dilema entre controle do poder administrativo e capacidade de implementação”. In: PIRES, R.; CARDOSO JUNIOR, J. C. (org.). Gestão pública e desenvolvimento: desafios e perspectivas. Brasília: IPEA, 2011. p. 197-214. V. 6.

RIBEIRO, J. Q. Introdução à administração escolar: alguns pontos de vista. Administração Escolar. Brasília: Associação Nacional de Política e Administração da Educação, 1968. p. 18-40. (Coleção Digital “Clássicos da Administração da Educação”, v. 2). Disponível em: https://bityli.com/srRYqpm. Acesso em: 15 out. 2018.

SÃO PAULO (Estado). Lei complementar nº 444, de 27 de dezembro de 1985. Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Paulista e dá providências correlatas. São Paulo, 1985. Disponível em: https://bityli.com/QHxgio. Acesso em: 7 jul. 2022.

SÃO PAULO (Estado). Rede Estadual / SE. Conjunto de escolas mantidas e administradas pela Secretaria de Estado da Educação. Disponível em: https://bityli.com/vhUDoG. Acesso em 12 nov. 2018.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE 70, de 26 de outubro de 2010. Dispões sobre os perfis profissionais, competências e habilidades requeridos dos educadores da rede pública estadual e os referenciais bibliográficos que fundamentam os exames, concursos e processos seletivos, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 27. out. 2010. Seção 1, p. 26.

SILVA, E.; ESTRADA, A. A. Administração escolar no Brasil: a contribuição de Querino Ribeiro. In: JORNADA HISTEDBR, 11., 2013, Cascavel. Anais [...]. Cascavel, 2013. A Pedagogia Histórico-Crítica, a educação brasileira, e os desafios da sua institucionalização. Disponível em: https://bityli.com/dgaLIb. Acesso em: 08 jul. 2022.

TEIXEIRA, A. Natureza e função da administração escolar. In: ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR; SIMPÓSIO INTERAMERICANO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR, 1., 1968, Salvador. Anais [...]. Salvador: ANPAE, 1968. p. 1-47. Edição comemorativa. Disponível em: https://bityli.com/srRYqpm. Acesso em 07 jul. 2022.

UNICEF. Declaração mundial sobre Educação para Todos. Tailândia, 1990. Disponível em: https://bityli.com/NDkWUH. Acesso em: 7 jul. 2022.

WEBER, M. Os fundamentos da organização burocrática: uma construção do tipo ideal. In: CAMPO, E. (org., introd. e trad.). Sociologia da Burocracia. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1966. p. 16-27.

Downloads

Publicado

2022-11-08

Como Citar

LARANJA, M. R. A.; OLIVEIRA, R. de C. A. Gestão escolar e burocracia de médio escalão: a percepção de diretores e diretoras escolares sobre sua autonomia de gestão e seu poder de influência. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022028, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8661138. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661138. Acesso em: 31 jan. 2023.