O papel mediador das instituições educacionais nas políticas de desenvolvimento econômico-social

uma abordagem a partir dos escritos de Florestan Fernandes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8665150

Palavras-chave:

Educação, Desenvolvimento, Instituições, Florestan Fernandes

Resumo

Neste artigo, nos propomos a discutir sobre o papel mediador das instituições educacionais como tema de pesquisa. O trabalho tem como objetivo discutir a relação mediadora das instituições educacionais junto às políticas de desenvolvimento econômico-social no Brasil. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, na qual a principal base de referencial teórico para esse debate é o autor Florestan Fernandes, considerando suas análises quanto às transformações histórico-sociais e, especificamente, a participação das instituições nos processos de desenvolvimento. Considerando uma abordagem teórico-metodológica que se pauta nas relações entre educação, sociedade e história, argumenta-se que as instituições educacionais são mediadoras entre os aspectos materiais e as formas ideais concebidas para a organização das relações econômico-político-sociais. Algumas instituições educacionais destacaram-se mais do que outras no processo de implementação de debates e projetos no campo educacional, como é o caso do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (Inep), que, desde sua inauguração na década de 1930, vem contribuindo para as transformações econômico-políticas através das políticas educacionais. Conclui-se que as instituições educacionais podem ser compreendidas como parte dos processos de transformação econômica e política, de intervenção social, promovendo a acomodação de uma série de forças políticas em disputa, restringindo e/ou eliminando desvios prejudiciais para o equilíbrio e o rendimento das mais variadas relações de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline de Carvalho Moura, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Adjunta em Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Alexandre Augusto e Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Bolsista de apoio à pesquisa na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ARAÚJO, R. S. Expansão do ensino superior e desenvolvimentismo: limites e contradições sob à hegemonia do capita. Educação e Fronteiras on-line, v. 6, n. 16, p. 93-105, 2016. Disponível em: https://bityli.com/yrXzGH. Acesso em: 9 set. 2018.

BARBOSA, M. A Educação e o desenvolvimento sob o imperativo do crescimento: ressignificação a partir da sociedade civil. Revista Lusófona de Educação, v. 23, n.23, p. 13-30, 2013. Disponível em: https://bityli.com/rLtKW. Acesso em: 16 abr. 2019.

BENDRATH, E. A.; GOMES, A. A. Educação e economia: a (re) construção histórica a partir do pós-guerra. Revista Histedbr on-line, Campinas, n. 44, p. 92-106, dez. 2011. Disponível em: https://bityli.com/WHILX. Acesso em: 9 fev. 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v11i44.8639980

BRASIL. Decreto-Lei nº 580, de 30 de julho de 1938. Dispõe sobre a organização do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 30 jul. 1938. Disponível em: https://bityli.com/HTqUv. Acesso em: 07 abr. 2021.

CUNHA, M. V. A educação no período Kubitschek: os centros de pesquisa do Inep. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 72, n. 172, p. 175-195, maio/ago. 1991. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.72i171.1294

DANNER, L. F. Habermas e a ideia de continuidade reflexiva do projeto de Estado de bem-estar social. Análise Social, n. 212, p. 568-597, 2014. Disponível em: https://bityli.com/AuTax. Acesso em: 13 nov. 2019.

DOURADO, L. F. Políticas de formação de professores para educação básica: desafios em tempos digitais. Universidade Federal de Goiás (UFG), 2020. 1 Vídeo em formato de Live (1h:41min.). Publicado pelo canal UFG Oficial. Disponível em: https://bityli.com/SFWXw. Acesso em: 10 set. 2021.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. Estado, políticas educacionais e reconfiguração da educação superior no Brasil. In: DOURADO, L. F.; CATANI, A. M. (Org.). Universidade pública: política e identidade institucional. Campinas, SP: Autores Associados; Goiânia: Ed. da UFG, 1999.

FEIJÓ, V. P. C. A contribuição das instituições: o impacto no desenvolvimento econômico dos estados. Revista Videre, v.10, n. 19, p. 88-100, 2018. Disponível em: https://bityli.com/vgOkG. Acesso em: 4 de jan, 2019. DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v10i19.6211

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2005.

FERNANDES, F. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

FERNANDES, F. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

FERREIRA, S. As políticas de expansão para educação superior dos governos do Partido dos Trabalhadores (2003-2016): inclusão e democratização? Educação Unisinos, v. 23, n. 2, p. 257-272, 2019. Disponível em: https://bityli.com/uDFFK. Acesso em: 13 dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.4013/edu.2019.232.04

FREIRE, S. M.; BECHER, M. N. A ideologia persistente do desenvolvimento: entrevista com Miriam Limoeiro Cardoso. Revista em Pauta, v. 11, n. 31, p. 207-214, 2013. Disponível em: https://bityli.com/kOcTSL. Acesso em: 13 jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2013.7567

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. São Paulo: Cortez, 1999.

FURNALETO, E. L. Instituições e desenvolvimento econômico: a importância do capital social. Revista de Sociologia Política, v. 16, [número suplementar], p. 55-67, 2008. . Disponível em: https://bityli.com/acSLn. Acesso em: 15 abr. 2019 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-44782008000300005

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Memória viva da educação brasileira: Florestan Fernandes. Brasília: MEC, 1991.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). História. Disponível emhttps://bityli.com/iKbZg. Acesso em: 25 de mar. 2021.

LIMA, T.; MIOTO, R. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katalysis, Florianópolis, v. 10, número especial, p. 37-45, 2007. Disponível em: https://bityli.com/fNZDR. Acesso em: 11 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

MILANI, A. M. R.; SALLES, R. Do “desenvolvimentismo” ao “novo desenvolvimentismo” no Brasil: a evolução do conceito”. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 51, p. 48-67, 2018. Disponível em: https://bityli.com/uqGGB. Acesso em: 13 maio 2019.

SAVIANI, D. O Inep, o diagnóstico da educação brasileira e a Rbep. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 93, n. 234 [número especial], p. 291-322, maio/ago. 2012. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.93i234.442

SILVA, G. M. D. Sociologia da sociologia da educação: caminhos e desafios de uma policy science no Brasil (1920-1979). Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

MOURA, A. de C.; SOUZA, A. A. e. O papel mediador das instituições educacionais nas políticas de desenvolvimento econômico-social: uma abordagem a partir dos escritos de Florestan Fernandes . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022017, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8665150. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665150. Acesso em: 13 ago. 2022.