Banner Portal
O papel mediador das instituições educacionais nas políticas de desenvolvimento econômico-social
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Educação
Desenvolvimento
Instituições
Florestan Fernandes

Como Citar

MOURA, Aline de Carvalho; SOUZA, Alexandre Augusto e. O papel mediador das instituições educacionais nas políticas de desenvolvimento econômico-social: uma abordagem a partir dos escritos de Florestan Fernandes . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022017, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8665150. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665150. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo, nos propomos a discutir sobre o papel mediador das instituições educacionais como tema de pesquisa. O trabalho tem como objetivo discutir a relação mediadora das instituições educacionais junto às políticas de desenvolvimento econômico-social no Brasil. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, na qual a principal base de referencial teórico para esse debate é o autor Florestan Fernandes, considerando suas análises quanto às transformações histórico-sociais e, especificamente, a participação das instituições nos processos de desenvolvimento. Considerando uma abordagem teórico-metodológica que se pauta nas relações entre educação, sociedade e história, argumenta-se que as instituições educacionais são mediadoras entre os aspectos materiais e as formas ideais concebidas para a organização das relações econômico-político-sociais. Algumas instituições educacionais destacaram-se mais do que outras no processo de implementação de debates e projetos no campo educacional, como é o caso do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (Inep), que, desde sua inauguração na década de 1930, vem contribuindo para as transformações econômico-políticas através das políticas educacionais. Conclui-se que as instituições educacionais podem ser compreendidas como parte dos processos de transformação econômica e política, de intervenção social, promovendo a acomodação de uma série de forças políticas em disputa, restringindo e/ou eliminando desvios prejudiciais para o equilíbrio e o rendimento das mais variadas relações de poder.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8665150
PDF

Referências

ARAÚJO, R. S. Expansão do ensino superior e desenvolvimentismo: limites e contradições sob à hegemonia do capita. Educação e Fronteiras on-line, v. 6, n. 16, p. 93-105, 2016. Disponível em: https://bityli.com/yrXzGH. Acesso em: 9 set. 2018.

BARBOSA, M. A Educação e o desenvolvimento sob o imperativo do crescimento: ressignificação a partir da sociedade civil. Revista Lusófona de Educação, v. 23, n.23, p. 13-30, 2013. Disponível em: https://bityli.com/rLtKW. Acesso em: 16 abr. 2019.

BENDRATH, E. A.; GOMES, A. A. Educação e economia: a (re) construção histórica a partir do pós-guerra. Revista Histedbr on-line, Campinas, n. 44, p. 92-106, dez. 2011. Disponível em: https://bityli.com/WHILX. Acesso em: 9 fev. 2019.

BRASIL. Decreto-Lei nº 580, de 30 de julho de 1938. Dispõe sobre a organização do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 30 jul. 1938. Disponível em: https://bityli.com/HTqUv. Acesso em: 07 abr. 2021.

CUNHA, M. V. A educação no período Kubitschek: os centros de pesquisa do Inep. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 72, n. 172, p. 175-195, maio/ago. 1991.

DANNER, L. F. Habermas e a ideia de continuidade reflexiva do projeto de Estado de bem-estar social. Análise Social, n. 212, p. 568-597, 2014. Disponível em: https://bityli.com/AuTax. Acesso em: 13 nov. 2019.

DOURADO, L. F. Políticas de formação de professores para educação básica: desafios em tempos digitais. Universidade Federal de Goiás (UFG), 2020. 1 Vídeo em formato de Live (1h:41min.). Publicado pelo canal UFG Oficial. Disponível em: https://bityli.com/SFWXw. Acesso em: 10 set. 2021.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. Estado, políticas educacionais e reconfiguração da educação superior no Brasil. In: DOURADO, L. F.; CATANI, A. M. (Org.). Universidade pública: política e identidade institucional. Campinas, SP: Autores Associados; Goiânia: Ed. da UFG, 1999.

FEIJÓ, V. P. C. A contribuição das instituições: o impacto no desenvolvimento econômico dos estados. Revista Videre, v.10, n. 19, p. 88-100, 2018. Disponível em: https://bityli.com/vgOkG. Acesso em: 4 de jan, 2019.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2005.

FERNANDES, F. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

FERNANDES, F. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

FERREIRA, S. As políticas de expansão para educação superior dos governos do Partido dos Trabalhadores (2003-2016): inclusão e democratização? Educação Unisinos, v. 23, n. 2, p. 257-272, 2019. Disponível em: https://bityli.com/uDFFK. Acesso em: 13 dez. 2019.

FREIRE, S. M.; BECHER, M. N. A ideologia persistente do desenvolvimento: entrevista com Miriam Limoeiro Cardoso. Revista em Pauta, v. 11, n. 31, p. 207-214, 2013. Disponível em: https://bityli.com/kOcTSL. Acesso em: 13 jun. 2019.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. São Paulo: Cortez, 1999.

FURNALETO, E. L. Instituições e desenvolvimento econômico: a importância do capital social. Revista de Sociologia Política, v. 16, [número suplementar], p. 55-67, 2008. . Disponível em: https://bityli.com/acSLn. Acesso em: 15 abr. 2019

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Memória viva da educação brasileira: Florestan Fernandes. Brasília: MEC, 1991.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). História. Disponível emhttps://bityli.com/iKbZg. Acesso em: 25 de mar. 2021.

LIMA, T.; MIOTO, R. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katalysis, Florianópolis, v. 10, número especial, p. 37-45, 2007. Disponível em: https://bityli.com/fNZDR. Acesso em: 11 abr. 2019.

MILANI, A. M. R.; SALLES, R. Do “desenvolvimentismo” ao “novo desenvolvimentismo” no Brasil: a evolução do conceito”. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 51, p. 48-67, 2018. Disponível em: https://bityli.com/uqGGB. Acesso em: 13 maio 2019.

SAVIANI, D. O Inep, o diagnóstico da educação brasileira e a Rbep. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 93, n. 234 [número especial], p. 291-322, maio/ago. 2012.

SILVA, G. M. D. Sociologia da sociologia da educação: caminhos e desafios de uma policy science no Brasil (1920-1979). Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.