Catolicismo, eurocentrismo e civilização no Compêndio de História Universal do Padre Rafael Galanti (1894)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8665669

Palavras-chave:

Catolicismo, Eurocentrismo, Civilização

Resumo

Este artigo aborda a escrita da história escolar operada pelo padre jesuíta Rafael Maria Galanti (1840-1917). O objeto de investigação em destaque é o seu Compêndio de história universal, publicado no ano de 1894. Realizamos uma reflexão que compreende os eixos de inteligibilidade que acompanham a confecção dessa obra diante de exigências epistêmicas e ético-políticas que circunscrevem a história na Primeira República, o que nos faz apreender a historicidade das próprias regras (visíveis e invisíveis) que presidem a disciplina (escolar) naquele momento especifico. O recorte analítico proposto por este texto deslinda as dinâmicas do catolicismo, do eurocentrismo e do conceito de civilização presentes no referido livro. Ao que parece essa chave interpretativa possibilita o entendimento do raciocínio historiográfico elaborado por Galanti. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Piero di Cristo Carvalho Detoni, Universidade Estadual de Campinas

Pós-Doutorando pela Universidade Estadual de Campinas. Doutorado em História Social na Universidade de São Paulo.

Referências

AMIN, S. Eurocentrismo: crítica de uma ideologia. Lisboa: Dinossauro, 1994.

ARAÚJO, M.; MAESO, S. R. Explorando o eurocentrismo nos manuais portugueses de história. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 15, n. 28, 2010. Disponível em: https://cutt.ly/JbBm4hq. Acesso em: 02 fev. 2021.

BASTOS, M. H. C. Manuais franceses no imperial Colégio Pedro II (1856-1892). História da Educação, Pelotas, v. 12, n. 26, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/29209. Acesso em: 02 fev. 2021.

BITTENCOURT, C. Os confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 13, n. 25/26, 1993. Disponível em: https://cutt.ly/AbBmMkA. Acesso em: 02 fev. 2021.

CHAKRABARTY, D. Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton: Princeton University Press, 2000.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Revista educação e pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, 2004. Disponível em: https://cutt.ly/HbBmKBb. Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000300012

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2002.

DUFAL, B. Le fantasme de la perfection originelle: la Grèce Antique comme matrice du modèle civilisationnel. Cahiers Mondes anciens, v. 9, n. 11, 2018. Disponível em: https://journals.openedition.org/mondesanciens/2075. Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.4000/mondesanciens.2075

ELIAS, N. O processo civilizador. Vol. 1: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

GALANTI, R. M. (padre). Compêndio de história universal. São Paulo: Duprat & Cia, 1907.

HANSEN, P. Brasil, um país novo. Literatura cívico-pedagógica e a construção de um ideal de infância brasileira na Primeira República. Tese (Doutorado em História Social) –Universidade de São Paulo, 2007. Disponível em: https://cutt.ly/HbBmTkJ. Acesso em: 02 fev. 2021.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. DOI: https://doi.org/10.26512/hh.v1i1.10714

HOLLANDA, G. Um quarto de século de programas e compêndios de história para o ensino secundário brasileiro. Rio de Janeiro: INEP, Ministério da Educação e Cultura, 1957.

HRUBY, H. O século XIX e a escrita da história do Brasil: diálogos na obra de Tristão de Alencar Araripe (1867-1895). Tese (Doutorado em história) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2415. Acesso em: 02 fev. 2021.

HRUBY, H. Obreiros diligentes e zelosos auxiliando no preparo da grande obra: a história do Brasil no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1912). Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2007. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2500. Acesso em: 02 fev. 2021.

KOSELLECK, R. Historia magistra vitae. Sobre a dissolução do topos na história moderna em movimento”. In: Futuro passado. Contribuição a semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LÖWITH, K. O sentido da história. Lisboa: Edições 70, 1991.

MENDONÇA, L. B. Padre Raphael Maria Galanti: intelectual e historiador jesuíta. Intellèctus, Rio de Janeiro, ano XIV, n. 1, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/1bBn9NO. Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2015.18796

MONTEIRO, A. M. Professores de história: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

OLIVEIRA, L. L. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense; Brasília: CNPq, 1990.

PIRES, T. Para além da escrita hagiográfica: biografias católicas e cultura histórica no Brasil em fins do século XIX e início do XX. História da historiografia, Ouro Preto, v. 9, n. 22, 2017. Disponível em: https://cutt.ly/ibBnVnb. Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i22.1045

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y classificacion social. 2000. DOI: https://doi.org/10.5195/jwsr.2000.228

SANTOS, M. F. J. “Um operoso e erudito estudioso da história de nossa pátria”. Raphael Galanti e o ensino de História do Brasil (1896-1917). IHS – Antiguos Jesuitas en Iberoamérica, v. 7, n. 2, 2019. Disponível em: https://cutt.ly/CbBnGo1.Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.31057/2314.3908.v7.n2.27670

SETH, S. Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da historiografia, Ouro Preto, n. 11, 2013. Disponível em: https://cutt.ly/abBnU5X. Acesso em: 02 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i11.554

SILVA, G. J. O batismo de Clio: catolicismo, ensino de história e novas mídias em Jonathas Serrano. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/ebBbRQy. Acesso em: 02 fev. 2021.

SOUZA, M. V. Civilização, ocidente, “clássicos” e eurocentrismo: é possível uma ecologia de saberes para a história da historiografia e a teoria da história? Manduarisawa, v. 3, n. 2, 2019. Disponível em: https://cutt.ly/fbBbzHl. Acesso em: 02 fev. 2021.

STAROBINSKI, J. As máscaras da civilização: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

TAVARES, A. L. C. O Império romano visto pelos manuais didáticos da República Velha. Alétheia, v. 1, 2010. Disponível em: https://cutt.ly/MbBbs49. Acesso em: 02 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2022-11-09

Como Citar

DETONI, P. di C. C. Catolicismo, eurocentrismo e civilização no Compêndio de História Universal do Padre Rafael Galanti (1894). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022029, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8665669. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665669. Acesso em: 31 jan. 2023.