Relações seres humanos/natureza e saberes do trabalho associado

premissas político-epistemológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8666486

Palavras-chave:

Trabalho no campo, Saberes do trabalho associado, Relações seres humanos - Natureza

Resumo

Partimos da premissa marxiana do princípio educativo do trabalho, ou seja, de que nas relações que estabelecemos com a natureza, mediadas pelo trabalho, transformamos a nós mesmo como parte integrante da natureza. Produzimos cultura e, portanto saberes. Neste artigo, revisitamos e problematizamos procedimentos teórico-metodológicos utilizados em nossas pesquisas sobre saberes que emergem de práticas econômico-culturais de mulheres e homens que vivem e trabalham de forma associada no campo. Trata-se de pesquisas que tiveram como objeto de estudo comunidades tradicionais e uma rede de economia solidária nacional que articula trabalhadores(as) do campo e da cidade. Como resultado, sistematizamos premissas político-epistemológicas para apreensão e análise de saberes do trabalho associado, entendidos como saberes caracterizados por uma forte relação seres humanos/natureza e que são produzidos por trabalhadores(as) nos processos de trabalho marcados pela apropriação coletiva dos meios de produção, pela apropriação igualitária dos frutos do trabalho e pela gestão democrática das decisões quanto à utilização dos excedentes e aos rumos da produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Bueno Fischer, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação pela University of Nothingam - Inglaterra. Professora Associada em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bolsista PQ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Betânia Cordeiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora Independente.

Lia Tiriba, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em Ciências Políticas e Sociologia pela Universidad Complutense de Madrid - Espanha. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ADAMS, T. A formação em economia solidárias: reflexões sobre as experiências do CFES Sul e ITCPs/ Região Sul. São Leopoldo, 2013. Mimeo.

ALVES, A.; TIRIBA, L. Trabalho-educação, economia e cultura em comunidades tradicionais: entre a reprodução ampliada da vida e a reprodução ampliada do capital. Revista Trabalho Necessário, v. 17, n. 31, p. 136-164, set./dez. 2018. Disponível em: https://bityli.com/CYfSm. Acesso em: 28 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.16i31.p27375

BRAUDEL, F. A longa duração. In: BRAUDEL, F. História e ciências sociais. Lisboa: Ed. Presença, 1982.

CARVALHO, H. M.; COSTA, F. A. Agricultura camponesa. In: CALDART, R. et al. (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

CORDEIRO, B. Tramas da autogestão. Saberes do trabalho associado produzidos na experiência de construção de uma rede de economia solidária autogestionária. 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3G4vkpe. Acesso em: 20 jul. 2021.

DUBEUX, A. et al. (Org.). A construção do conhecimento em economia solidária: sistematização de experiências no chão de trabalho e da vida no Nordeste. Recife: F&A Gráfica e Editora Ltda, 2012.

FISCHER, M. C. B. Produzindo a cultura do trabalho associado: saberes em (trans)formação na economia popular e solidária. Projeto de Pesquisa PQ-CNPq, 2017-2021. Mimeo.

FISCHER, M. C. B.; TIRIBA, L. Saberes do trabalho associado. In: CATTANI, A. D. et al. (Coord.). Dicionário internacional da outra economia. Coimbra: Edições Almedina; São Paulo: Almedina Brasil, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: os intelectuais, o princípio educativo, jornalismo. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. v. 2.

GRANOVSKY, M. A educação do campo é o resultado da luta dos trabalhadores rurais no Brasil. Entrevistado: MOLINA, Mônica. CLACSO TV. Congreso Internacional de Educación Superior Universidad, 10, 2014, Havana. Disponível em: https://bit.ly/3GbkJJu. Acesso em: 20 jul. 2021.

GUBUR, D.; TONÁ, N. Agroecologia. In: CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

KOSIK, K. Dialética do concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

MARX, K. O capital. Livro Primeiro. Tradução Reginaldo Sant’ana. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

NEVES, D. P. Agricultura familiar. In: CALDART, R. et al. (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

NOVAES, H.; MAZIN, A.D.; SANTOS, L. Questão agrária, cooperação e agroecologia. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

SILVA, M. G. Pedagogia do movimento agroecológico: fundamentos teóricos-metodológicos. 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2020.

SOUZA, W. K. Trabalho-educação, economia e cultura em povos e comunidades tradicionais: a (re)afirmação de modos de vida como forma de resistência. 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2020.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Tradução Waltelsir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

THOMPSON, E. P. Folclore, antropologia e história social. In: NEGRO, A. L.; SILVA, S. (Org.). As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

TIRIBA, L. Economia popular e cultura do trabalho. Pedagogia(s) da produção associada. Ijuí: UNIJUÍ, 2001.

TIRIBA, L. Reprodução ampliada da vida: o que ela não é, parece ser e pode vir a ser. Revista OtraEconomía [online], v. 11, n. 20, p. 74-87, jul./dez. 2018. Disponível em: https://bit.ly/33MDw0B. Acesso em: 20 jul. 2021.

TIRIBA, L.; FISCHER, M. C. B. Aprender e ensinar a autogestão: espaços-tempos de produzir a vida associativamente. Perspectiva, v. 31, n. 2, p. 527-551, maio/ago. 2013. Disponível em: https://bityli.com/TjoWf. Acesso em: 28 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n2p527

TIRIBA, L.; FISCHER, M. C. B. Espaços/tempos milenares dos povos e comunidades tradicionais: notas de pesquisa sobre economia, cultura e produção de saberes. Revista Educação Pública, v. 24, n. 56/2, p. 405-428, maio/ago. 2015. Disponível em: https://bityli.com/dhuSw. Acesso em: 28 jan. 2022.

TIRIBA, L.; MAGALHÃES, L. D. R. Lições do trabalho associado: educação, experiência e memória coletiva. In: MAGALHÃES, L. D. R.; TIRIBA, L. Experiência: o termo ausente? Sobre história, memória, trabalho e educação. Uberlândia: Navegando, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v16i70.8649210

TIRIBA, L.; SANTANA, F. Do diário de campo: conversas com pescadoras/es do pantanal mato-grossense sobre cultura do trabalho. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, p. 65-84, maio/ago., 2017. Disponível em: https://bityli.com/hmYQis. Acesso em: 28 jan. 2022.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. Memória biocultural. A importância ecológica da sabedoria tradicional. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

Downloads

Publicado

2022-05-04

Como Citar

FISCHER, M. C. B.; CORDEIRO, B.; TIRIBA, L. Relações seres humanos/natureza e saberes do trabalho associado: premissas político-epistemológicas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022014, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8666486. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8666486. Acesso em: 29 nov. 2022.

Dados de financiamento