A formação de professores nas licenciaturas interdisciplinares da UFMA

visão dos egressos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8668001

Palavras-chave:

Formação de professores, Licenciaturas interdisciplinares, Egressos, UFMA

Resumo

O presente artigo é resultante da pesquisa “A formação de professores nas Licenciaturas Interdisciplinares da UFMA”, que tem como um de seus objetivos analisar a formação obtida no curso, a partir da percepção dos egressos. Para este estudo participaram estudantes egressos do curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia, do campus da UFMA em Bacabal, que obtiveram a diplomação entre os anos de 2014 e 2019. Os dados foram coletados por meio da aplicação de questionários enviados aos egressos, no período de agosto a novembro de 2020. O método de análise foi o materialismo histórico dialético, especialmente pelo uso das categorias totalidade, historicidade, contradição e mediação. Além da análise das informações dos questionários, a pesquisa foi apoiada na bibliografia disponível sobre o tema, além de estudos e pesquisas anteriores realizadas pelos autores. Os resultados alcançados apontam para as contradições do processo de expansão das universidades federais através das políticas públicas implementadas no período em análise, com ênfase na formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Ribeiro de Sousa, Universidade Federal do Maranhão

Doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Professora da Universidade Federal do Maranhão.

Leonardo José Pinho Coimbra, Universidade Federal do Maranhão

Doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Professor da Universidade Federal do Maranhão.

Referências

ANDIFES. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis. FONAPRACE. IV pesquisa do perfil socioeconômico e cultura dos graduandos das instituições de ensino superior brasileiras 2014. Uberlândia, MG: FONAPRACE, 2016. 291 p.

ANFOPE. Manifestação com relação à Proposta de Diretrizes Gerais Sobre Aprendizagem Híbrida do CNE. Novembro de 2021. Disponível em: https://bityli.com/eVQwzbcG. Acesso em: 01 dez. 2021.

BAZZO, V. L.; SCHAIBE, L. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de Licenciatura no Brasil: da regulamentação aos projetos institucionais. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 4, n. 1, p. 15-36, jan./jun. 2013.

BRASIL. Decreto no. 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, no. 79, seção 1, p. 7, 25 de março de 2007a. Disponível em: https://bityli.com/WaWRwXNQ. Acesso em: 30 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Análise sobre a expansão das Universidades Federais (2003-2012). Relatório da Comissão constituída pela Portaria 126/2012. Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://bityli.com/qiaziDhu. Acesso em: 30 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução no. 2 de 20 de dezembro de 2019. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 2020, Seção 1, p. 46-49. Disponível em: https://bityli.com/GAKNqmWZ. Acesso em: 20 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Gerais sobre aprendizagem híbrida. Brasília, 2021. Disponível em: https://bityli.com/sWKXq. Acesso em: 04 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Gerais do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Plano de Desenvolvimento da Educação. Documento elaborado pelo Grupo Assessor nomeado pela Portaria no. 552 SESu/MEC, de 25 de julho de 2007. Brasília: DF, 2007b. Disponível em: https://bityli.com/tJRiFaple. Acesso em:15 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria no. 2.117, de 06 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância - EaD em cursos de graduação presenciais ofertados por Instituições de Educação Superior - IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino. Diário Oficial da União. Seção 1. Brasília, DF, Edição 239, pág. 131, 11 de dezembro de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Diretoria de Desenvolvimento das Instituições Federais de Ensino Superior. Programa de Apoio à Planos de Expansão e Reestruturação da Educação Superior – REUNI. Relatório do primeiro ano. Brasília, DF, 30 de outubro de 2009. Disponível em: https://bityli.com/YUkmJmSG. Acesso em: 10 dez. 2016.

DUARTE, N. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP: Cultura Acadêmica, 2010. 191 p. ISBN 978-85-7983-103-4. p. 33-50. Disponível em: https://bityli.com/gfsSsCOsL. Acesso em: 19 out. 2020.

EVANGELISTA, O.; SHIROMA, E. O. Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 531-541, set./dez. 2007. Disponível em: https://bityli.com/tAALEvFz. Acesso em: 19 out. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022007000300010

GILIOLI, R. de S. P. Evasão em instituições federais de ensino superior no Brasil: expansão da rede, SISu e desafios. Câmara dos Deputados, Consultoria Legislativa, Estudo Técnico. Maio de 2016. Disponível em: https://bityli.com/LLmPXCIh. Acesso em: 29 set. 2018.

LEHER, R. Universidade e heteronomia cultural no capitalismo dependente: um estudo a partir de Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

LIMA, K. R. de S. O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 86-94, jan./jun. 2011. Disponível em: https://bityli.com/ennKQSjw. Acesso em: 17 ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802011000100010

LIMA, L.; AZEVEDO, M. L. N. de; CATANI, A. M. O Processo de Bolonha, a avaliação da educação superior e algumas considerações sobre a Universidade Nova. Avaliação, v. 13, n. 1, p. 7-36, mar. 2008. Disponível em: https://bityli.com/cModXlOp. Acesso em: 29 out. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772008000100002

MACEDO, J. M. de. Organismos internacionais e a formação docente de novo tipo: da educação para todos a todos pela educação. In: VIEIRA, N. S.; LAMOSA, R. (org.). Todos pela educação? Uma década de ofensiva do capital sobre as escolas. Curitiba: Appris, 2020. p. 57-78.

MANCEBO, D. Educação superior no Brasil: expansão e tendências. In: SILVA JUNIOR, J. dos R. et al.(org.). Política de educação superior brasileira: apontamentos e perspectivas. Belo Horizonte, MG: Traço Fino/Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, 2017. p. 101-120.

MINTO, L. W. A educação da miséria: particularidade capitalista e educação superior no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2014. DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v6i1.11484

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004. Disponível em: https://bityli.com/dpKTminv. Acesso em: 19 out. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000400003

RUMMERT, S.; ALGEBEILE, E.; VENTURA, J. Educação e formação humana no cenário de integração subalterna no capital-imperialismo. In: SILVA, M. M. da; QUARTIERO, E. M.; EVANGELISTA, O. (org.). Trabalho, jovens e educação: a conexão subalterna de formação para o capital. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2012. p. 15-70.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SHIROMA, E. O. et al. A tragédia docente e suas faces. In: KENJI, A.; EVANGELISTA, O. (org.). Formação de professores no Brasil: leituras a contrapelo. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2017.

SILVA, A. M. Da uberização à youtuberização: a precarização do trabalho docente em tempos de pandemia. Revista trabalho, política e sociedade, v. 5, n. 9, p. 587-610, jul./dez. 2020. Disponível em: https://bityli.com/cdeJQZUBF Acesso em: 19 dez. 2020.

SOUSA, A. P. R de; COIMBRA, L. J. P. As licenciaturas interdisciplinares e o processo de expansão das IFES: implicações para a formação de professores. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP: n. 65, p. 141-159, out. 2015. Disponível em: https://bityli.com/svAWuITj. Acesso em: 10 dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642702

SOUSA. A. P. R de. “Democratização” do ensino superior em tempos neoliberais: uma análise do processo de expansão e interiorização da UFMA a partir do REUNI. Niterói, 2019. Tese (doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Superintendência de educação a distância. Nota Técnica no. 1/2021. Uma análise sobre o Programa REUNI Digital, proposto pelo MEC. Salvador, 14 de julho de 2021. Disponível em: https://bityli.com/tEVDvrCj. Acesso em: 20 jul. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Plano de Reestruturação e Expansão da Universidade Federal do Maranhão – Reuni. São Luís: UFMA, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Pró-reitoria de Ensino. Projeto pedagógico do Curso de Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Humanas. São Luís, 2010.

VARGAS, H. M. Democracia, cidadania e direitos humanos no ensino superior? In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI, 18., 2008, Brasília, DF. Anais [...]. Brasília, DF: Boiteux, 2008. Disponível em: https://bityli.com/WPgCprcu. Acesso em: 10 mar. 2017.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

SOUSA, A. P. R. de; COIMBRA, L. J. P. A formação de professores nas licenciaturas interdisciplinares da UFMA: visão dos egressos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022035, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8668001. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8668001. Acesso em: 2 fev. 2023.