Cinema, o tempo social e o seu intérprete

Autores

  • Célia Tolentino Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v4i2.8649379

Palavras-chave:

Narrador social. Sociologia da arte. Cinema e tempo social. Conteúdo e forma.

Resumo

Resumo: Entendendo a arte como uma forma particular de conhecimentoé possível pensar que a sociologia tem muito a aprender com ela. Uma das tesesque compartilhamos nesse ensaio é a de que a arte é capaz de realizar a síntesedo tempo histórico por sua capacidade específi ca de ser e estar do mundo, pois,enquanto o conhecimento científi co busca categorias universais, intentando reduzirao máximo a infl uência dos aspectos humanos e sociais na apreensão dos fenômenos,o conhecimento estético, ainda que busque referenciais abstratos, não pode livrar-seda experiência e do mundo ao seu redor. Essa premissa, tomando como base a leiturade Fredric Jameson, vale tanto para a arte autoral como para aquela feita em série, istoé, a produção da indústria cultural. Tanto uma quanto a outra, ao seu modo, traduzo tempo social, tarefa que cabe à crítica desvendar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Tolentino, Universidade Estadual Paulista

Professora junto à Faculdade de Filosofi a e Ciências da UNESP, Câmpus de Marília. Possui doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1997), pós doutorado pela Università degli Studi di Roma, "La Sapienza" (2001) e livre docência pela Faculdade de Filosofi a e Ciências da UNESP (2013).

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira: dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 5a ed., São Paulo: Perspectiva, 2004.

BENJAMIN, Walter. O narrador, in Obrasescolhidas, vol I, 6a edição, trad. Sérgio Paulo Rouanet, São Paulo: Brasiliense, 1993.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 8. ed. Sã o Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do fi lme. Rio de Janeiro, Zahar,1990.

JAMESON, Fredric. Marxismo e Forma. Teorias dialéticas da Literatura no século XX. São Paulo: Hucitec, 1985.

JAMESON, Fredric. As marcas do visível. Rio de Janeiro: Graal, 1995. LUKÁCS, Györg. Introdução à uma estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

XAVIER, Ismail. O Discurso Cinematográfi co – A opacidade e a transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Downloads

Publicado

2013-12-20

Como Citar

TOLENTINO, C. Cinema, o tempo social e o seu intérprete. Ideias, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 31-43, 2013. DOI: 10.20396/ideias.v4i2.8649379. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649379. Acesso em: 30 out. 2020.