Notas sobre a dualidade entre “alta” e “baixa” culturas no campo cultural brasileiro

Autores

  • Maria Eduarda da Mota Rocha Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v4i2.8649380

Palavras-chave:

Cultura brasileira. Cultura erudita. Cultura popular. Cultura de massas.

Resumo

O texto propõe uma refl exão ensaística sobre a dualidade entre “alta”e “baixa” culturas no Brasil, traçando linhas muito gerais da formação do campocultural e da consagração de um cânone modernista no interior deste campo.Por fi m, discute de que maneira a ascensão de uma nova geração de artistas e intelectuaisa partir da década de 1980 bem como a inclinação mais recente das políticas culturaisem direção a uma concepção “antropológica” de cultura tem assumido a forma deuma contestação mais aberta àquele cânone.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eduarda da Mota Rocha, Universidade de São Paulo

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Professora do Departamento e da Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É autora de A nova retórica do capital: a publicidade brasileira em tempos neoliberais. São Paulo: Edusp, 2010.

Referências

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Metrópole e Cultura. São Paulo no meio século XX. São Paulo: Edusc, 2001.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. “Sociologia da Cultura e Sociologia da Comunicação de Massa: esboço de uma problemática”. In: MARTINS, Carlos Benedito; MARTINS, Heloisa Helena T. de Souza. (Org.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: Editora Barcarolla Ltda, 2010. pp. 253-277.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo/Brasília: Hucitec/Editora Universidade de Brasília, 2008.

BARBERO, Jesús Martin. De los Medios a las Mediaciones – Comunicación, Cultura y Hegemonía. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1987.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1982.

BOTELHO, Isaura. “Dimensões da cultura e políticas públicas” In: São Paulo em Perspectiva. 15(2): 73-83, São Paulo, 2007.

BOURDIEU, Pierre. “O mercado dos bens simbólicos”. In: MICELI, Sérgio (org.). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1982.

BOURDIEU, Pierre. A distinção – crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BUARQUE DE HOLLANDA, Heloísa. Asdrúbal trouxe o trombone. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo, Nacional, 1965.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 6 ed. Belo Horizonte: edições Itatiaia, 1981. [1 ed. 1975].

COHN, Gabriel. Sociologia da Comunicação – teoria e ideologia. São Paulo: Pioneira, 1973.

CRANE, Diane. “High culture vesus popular culture revisited: a reconceptualization of recorded cultures”. In: LAMONT, Michelle; FOURNIER, Marcel (Eds.). Cultivating diff erences: symbolic boundaries and the making of inequalities. Chicago: Chicago University Press, 1992.

FECHINE, Y. “Núcleo Guel Arraes: formação, infl uências e contribuições para uma TV de qualidade no Brasil”. In: FECHINE, Yvana; FIGUEROA, Alexandre (editores). Guel Arraes – um inventor no audiovisual brasileiro. Recife: CEPE, 2008.

FURTADO, Celso. “Refl exões sobre a cultura brasileira”. In: Cultura e desenvolvimento em época de crise. Rio: Paz e Terra, 1984.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes: o Cotidiano e as Idéias de um Moleiro Perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HUYSSEN, Andreas. Después de La Gran Division. Buenos Aires: Ed. Adriana Hidalgo, 2002.

HUYSSEN, Andreas. Modernismo después de la posmodernidad. Barcelona, Espanha: Gedisa, 2010.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo – a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo, Ática, 1996.

LAFETÁ, João Luiz. 1930: A crítica e o modernismo. Prefácio de Antonio Candido. 2. ed. São Paulo: Editora 34; Duas Cidades, 2000.

LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. 2a. ed. (1a ed. 1970) São Paulo: Paz e Terra, 1978.

MICELI, Sérgio. A Noite da Madrinha. São Paulo: Perspectiva, 1982.

MICELI, Sérgio. “Entre no ar em Belíndia – A Indústria Cultural Hoje”. Cadernos IFCH. Campinas: UNICAMP, outubro de 1984.

MICELI, Sérgio. Nacional estrangeiro – História social e cultural do modernismo artístico em São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

MIRANDA, Orlando Pinto. Tio Patinhas e os mitos da comunicação. Dissertação de Mestrado em Ciência Social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1975.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo, Brasiliense, 2006. RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro – artistas da revolução, do CPC à era da TV. Record, Rio de Janeiro, 2000.

ORTIZ, Renato. “Artistas e intelectuais no Brasil pós 1960”. In Revista Tempo Social, vol. 17, n. 1, São Paulo: USP, Departamento de Sociologia, 2005.

ROCHA, Maria Eduarda da Mota. O consumo precário: pobreza e cultura de consumo em São Miguel dos Milagres. Coleção Estudos sobre Alagoas, n. 1. Maceió: Edufal, 2002.

ROCHA, Maria Eduarda da Mota. “Guel Arraes: leitura social de uma biografi a”. In FECHINE, Yvana; FIGUEROA, Alexandre (editores). Guel Arraes – um inventor no audiovisual brasileiro. Recife: CEPE, 2008.

TASCHNER, Gisela. Do jornalismo político à indústria cultural. Mestrado em Ciência Social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1978.

VIANNA, Hermano. O baile funk carioca. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: PPGAS (Museu Nacional), 1987.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura – usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Barcelona: Ediciones Peninsula, 2000.

WISNIK, José Miguel. O nacional e o popular na cultura brasileira – música. São Paulo: Brasiliense, 1982.

Downloads

Publicado

2013-12-20

Como Citar

ROCHA, M. E. da M. Notas sobre a dualidade entre “alta” e “baixa” culturas no campo cultural brasileiro. Ideias, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 45–63, 2013. DOI: 10.20396/ideias.v4i2.8649380. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649380. Acesso em: 30 nov. 2020.