Um estudo sobre os Refugiados Sírios na cidade de São Paulo e Florianópolis

trajetórias laborais e precarização do trabalho

  • Melissa Gabriela Lopes Barcellos Coimbra Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria Soledad Etcheverry Orchard Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Refugiados, Trajetórias laborais, Precarização, Redes, Discriminação

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar a temática sobre a presença dos refugiados sírios no Brasil a partir de 2011, ano em que eclodiu a guerra na Síria.  Esse estudo faz parte de uma pesquisa sobre as trajetórias laborais dos refugiados sírios nas cidades de São Paulo e Florianópolis – SC. Consideramos os processos integrativos no tecido social brasileiro no contexto de conjuntura de crise econômica, política e de precarização do trabalho. A metodologia aplicada nesta investigação é a da narrativa biográfica. Analisamos o papel das redes de acolhimento. Identificamos, por meio das narrativas, casos de discriminação nos percursos laborais dos refugiados sírios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Melissa Gabriela Lopes Barcellos Coimbra, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina.

Maria Soledad Etcheverry Orchard, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política  da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BAENINGER, R.; FERNANDES. D. (Orgs). Migração Refugiada. Atlas Temático. 1. Ed. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquió” – Nepo/ UNICAMP, 2018.

BARRETO, L. P. F. e LEÃO, R. Z. R. O Brasil e o Espírito da Declaração de Cartagena. Forced Migration, V. 35, p. 45-47, 2010.

BAUMAN, Z. Estranhos à nossa porta. 1. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BRAGA, R. A Rebeldia do Precariado: trabalho e neoliberalismo no Sul global. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 4 Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAVALCANTI, L. Um Convite às teorias e conceitos sobre migrações internacionais. In. CAVALCANTI, L.; PARELLA, S. Dicionário Crítico de Migrações Internacionais. Leonardo C. (ORG). Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2017, p. 11-30.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 10. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

DENZIN, N. K. Interpretive Biography: assumptions of the method. El Colegio de Mexico, 1989.

CLOSS, L. Q.; ROCHA-DE-OLIVEIRA, S. História de Vida e Trajetórias Profissionais: Estudo com Executivos Brasileiros. Rev. Adm. Contemp, Curitiba , v. 19, n. 4, p. 525-543, Aug. 2015.

ETCHEVERRY. M. S. Narrativas sobre empregabilidade. As trajetórias profissionais de ex-empregados do setor elétrico brasileiro. Revista ILHA. Florianópolis, v.6 e n.2, p. 61-104. julho de 2004.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3): 481-510, 1985.

GORDON, M. Assimilation in American Life. New York, Oxford University Press -1964.

GOMES, M. S. E. Empregabilidade nos tempos de reestruturação e flexibilização: trajetórias de trabalho e narrativas de ex-empregados do setor elétrico brasileiro. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

GREEN, N. O Tempo e o Estudo da Assimilação. Revista Antropolíticas. Dossiê Imigração, nº25, p. 23-48, 2008.

JUBILUT, L. L.; GODOY, G. G. (Org). Refúgio no Brasil. Comentários às Lei 9.474/97. Editora: Quartier Latin do Brasil. São Paulo, 2017.

LOPES, C. M. S. Migrações, mundo do trabalho e atuação do Ministério Público do Trabalho. In. Erlan. J. P. e Renata C. (ORG.). Migrações e trabalho Brasília: Ministério Público do Trabalho, p. 223-232, 2015.

LODETTI. B. M. Continuidade Partida. Impactos Psicológicos da Imigração em Refugiados Sírios Residentes na Grande Florianópolis. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2018.

MATTEDI, C. R. Análise crítica da Sociologia Econômica de Mark Granovetter: os limites de uma leitura do mercado em termos de redes e imbricação. Política & Sociedade, nº 6. p. 59-82, abril de 2005.

NETO, H. P. Barreiras físicas à circulação como dispositivos de política migratória: notas para uma tipologia. (2019). Disponível em: https://www.pucsp.br/projetocenarios/downloads/CDH/barreiras_fisicas_a_circulacao_%20como_dispositivos_de_politica_migratoria.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

PORTES, A. y BOROCZ. J. Contemporary immigation: Theoretical perspectives on its determinants and modes of incorporation. International Migration Review, vol. XXIII, núm. 3, p. 606-630. Oton. de 1989.

REA, A et TRIPIER, M. Sociologie de l´immigration. Paris : La Découverte, 2003.

RAMALHO, José Ricardo. Trabalho e indicação: posições em debate na sociologia hoje. Dados, Rio de Janeiro, v. 43, n. 4, p. 00, 2000.

RODRIGUES, G. M. A.; BLANES S. J.; CORRÊA, D. S. Visados y certificaciones académicas: refugiados sírios en Brasil. Migraziones Forzadas. Latinoamérica y el Caribe. p. 52-53, 2017.

ROSENTHAL, G. Pesquisa Social Interpretativa: uma introdução. 5ª ed. Porto Alegre: EDPUCRS, 2014.

SANTOS, H.; OLIVEIRA, P.; SUSIN, P. Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: revisão e perspectivas, Civitas, vol. 14, nr. 2, p. 359-382, 2014.

SEYFERTH, G. Imigrantes, estrangeiros: a trajetória de uma categoria incomoda no campo político. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 01 e 04 de junho de 2008. Porto Seguro, Brasil.

SEYFERTH, G. O Problema da Imigração no Brasil: continuidades e mudanças. Congresso Português de Sociologia, 2014.

SCHUTZ, A.; LUCKMANN, T. The Structuresofthe Life-world. Northwestern University Press, 1983.

SCHUTZ, A. Fenomenologia e relações sociais: textos escolhidos. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SCHÜTZ, A. A construção significativa do mundo social: uma introdução à sociologia compreensiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

STANDING, Gui. O precariado: a nova classe perigosa. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

SAYAD, A. A imigração ou os Paradoxos da Alteridade. São Paulo. Editora. Universidade de São Paulo - Edusp, 1998.

SASSEN. S. Três Migrações Emergentes: uma mudança histórica. Dossiê SUR 23 - v.13 n.23 • 29 – 42, 2016.

SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA. Refúgio em números 4º Edição. Ministério da Justiça, 2018. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/refugio-em-numeros. Acesso em: 11 fev. 2020.

SENNET, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

WENDEN, Catherine Wihtol. As Novas Migrações. SUR. Revista Internacional de Direitos Humanos, Edição n. 23 São Paulo, Ago. 2016.

UNHCR ACNUR (Agência da ONU para Refugiados). Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo, 2018. (Cartilha). Disponível em: https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/Publicacoes/2018/Cartilha_Protegendo_Refugiados_No_Brasil_2018.pdf?file=fileadmin/Documentos/portugues/Publicacoes/2018/Cartilha_Protegendo_Refugiados_No_Brasil_2018. Acesso em: 11 fev. 2020.

UNHCR ACNUR (Agência da ONU para Refugiados). Brasil. 19 de Junho de 2018. Deslocamento forçado supera 68 milhões de pessoas em 2017 e demanda novo acordo global para refugiados. Disponível em:

https://www.acnur.org/portugues/2018/06/19/mais-de-68-milhoes-de-pessoas-deslocadas-em-2017-e-essencial-um-novo-acordo-global-sobre-refugiados. Acesso em: 04 mar. 2020.

Migrant crisis: Migration to Europe explained in seven charts. Disponível em: https://www.bbc.com/news/world-europe-34131911. Acesso em: 24 mai. 2019.

Taxa de desocupação no Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=desemprego&searchphrase=all. Acesso em: 11 fev. 2020.

No Brasil hoje, existem 161 mil solicitações de refúgio aguardando análise. Disponível em https://migramundo.com/tag/conare/. Acesso em: 25 jul. 2019.

Pessoas nascidas na Palestina que migraram para a Síria. Muitos deles tendo nascido na Síria, nunca receberam a nacionalidade Síria. Refugiado sírio-palestino. Disponível em: https://nacoesunidas.org/sabores-arabes-amenizam-saudade-de-refugiado-sirio-palestino-no-brasil/. Acesso em: 07 fev. 2020.

A Migraflix é uma organização não-governamental sem fins lucrativos criada em 2015 com o objetivo de integrar refugiados e imigrantes social e economicamente. Disponível em: https://www.migraflix.com.br/quem-somos. Acesso em: 02 jun. 2019.

Refúgio em Números e Publicações. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/refugio-em-numeros. Acesso em: 26 fev. 2020.

Os números que podem derrubar mitos e clichês sobre a migração ao redor do mundo. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-4764 6813. Acesso em: 26 fev. 2020.

Publicado
2020-04-24
Como Citar
Coimbra, M. G. L. B., & Etcheverry Orchard, M. S. (2020). Um estudo sobre os Refugiados Sírios na cidade de São Paulo e Florianópolis. Ideias, 11, e020007. https://doi.org/10.20396/ideias.v11i0.8658628