A escola e a interdição da língua dos imigrantes alemães nas missões do RS

Autores

  • Caroline Mallmann Schneiders Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Yasmin S. Heinzmann Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661571

Palavras-chave:

Língua, Ideologia, Silenciamento

Resumo

Neste estudo, interessa-nos compreender o processo de historicização da língua dos imigrantes alemães na região das Missões do Rio Grande do Sul, refletindo sobre as políticas de interdição linguística do Estado Novo. Destacamos como a escola, à época, constituiu-se como um Aparelho Ideológico do Estado, determinando o que podia e devia, ou não, ser dito/ensinado, e regulamentando as práticas discursivas. Para tanto, filiamo-nos no viés da Análise de Discurso e da História das Ideias Linguísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Mallmann Schneiders, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria. Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Yasmin S. Heinzmann, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduação em Letras - Português e Espanhol pela Universidade Federal da Fronteira Sul. Estagiária da La Salle Medianeira.

Referências

ALTHUSSER, L. (1980). Aparelhos Ideológicos de Estado. 3. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.
AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Ed. da Unicamp.
BOMENY, M. B. (1999). “Três decretos e um ministério: a propósito da educação no Estado Novo”. In: PANDOLFI, D. Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas.
BRAUN, F. K. (2010). História da Imigração Alemão no Sul do Brasil. 2. ed. Porto Alegre: Gráfica Costolli.
FOUCAULT, M. (2012). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 22. ed. São Paulo: Loyola.
GAELZER, V. (2013). “Sprachmischung: relação entre sujeito, língua e história”. In: Conexão Letras, n.10, v.8, p.127-142. Porto Alegre:
UFRGS - Instituto de Letras.
LANDO, A. M; BARROS, E. C. (1976). A colonização Alemã no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Movimento.
ORLANDI, E.P. (1997). As Formas do Silêncio. 4. ed. Campinas: Ed. da Unicamp.
ORLANDI, E. P. (2005) “O discurso sobre a língua no período Vargas (Estado Novo – 1937/1945)”. Línguas e instrumentos linguísticos, n.15, p.27-33. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; Pontes Editores.
PAYER, M. O. (2006). Memória da Língua: Imigração e Nacionalidade. São Paulo: Escuta.
SANTOS, A. V. dos. (2009). “A política educacional nacionalista e o aspecto linguístico: vestígios na escola primária”. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, n.225, v.90, p.511-527, Brasília.
SANTOS, F. dos. (2007). “A construção do inimigo: é tempo de guerra, medo e silêncio”. In: Revista Santa Catarina em História, n.2, v.1, Florianópolis.
SANTOS, L. I. dos. (2006). Há algo novo no front: A participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial. 167f. Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
SCHERER, A. E.; TASCHETTO, T. R. (2005). “O papel da memória ou a memória do papel de Pêcheux para os estudos linguísticodiscursivos”. In: Estudos da Língua(gem), v.01, p.119-13, Vitória da Conquista.
SEYFERTH, G. (1997). “A assimilação dos imigrantes como questão nacional”. In: Mana: estudos de antropologia social, n.1, v.3, p.95-131, Rio de Janeiro.
SEYFERTH, G. (1994). “A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica”. In: Mauch, C e N. Vasconcellos (orgs.). Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade, história. Canoas, RS: Ed. ULBRA. p.11-28.
SÉRIOT, P. (2001). “Linguística Nacional ou Linguística Nacionalista?”. In: Línguas e Instrumentos Linguísticos, n.7. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; Pontes Editores.
SPESSATTO, M. B. (2003). Linguagem e colonização. Chapecó: Argos.
WEBLER, L. C. (2005). Comunidade Católica São João Batista: origens, formação e elementos identitários. 47p. Trabalho de Conclusão de Curso (História) - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Santo Ângelo.

Downloads

Publicado

2020-11-06

Como Citar

SCHNEIDERS, C. M.; HEINZMANN, Y. S. A escola e a interdição da língua dos imigrantes alemães nas missões do RS. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661571. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661571. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo