Deslocamentos de politização no discurso

um olhar semiótico da mulher na política

Autores

  • Fernanda Fernandes Pimenta de Almeida Lima Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661575

Palavras-chave:

Semiótica, Discurso, Mulher política

Resumo

Este artigo objetiva analisar, entre os “lugares” do discurso político, gênero feminino e mídia, o movimento de construção enunciativa da identidade da mulher política no Brasil. Neste sentido, analisa-se uma matéria sobre Manuela D’Ávila, à época, deputada federal do Rio Grande do Sul, veiculada na revista Isto É, que apresenta, segundo as relações desiguais entre os gêneros, como o poder opera na produção midiática da identidade feminina. Busca-se, assim, perscrutar o discurso político feminino, em uma perspectiva semiótica, observando algumas interdições e permissões da mídia, ao caracterizar a mulher na política. Interpretar esses enunciados é depreender, também, como o discurso pode ser visto sob o efeito da representação do feminino que atravessa fronteiras e redefine cronologias em função da experiência histórica da mulher na política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Fernandes Pimenta de Almeida Lima, Universidade Estadual de Goiás

Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Docente da Universidade Estadual de Goiás.

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. (2003). “Estudos do discurso”. In:
FIORIN, J. L. (Org.). Introdução à linguística II: princípios e procedimentos. São Paulo: Contexto.
BARTHES, Roland. (1993). Mitologias. Tradução de Rita Buongermino e Pedro de Souza. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand.
BAUMAN, Zygmunt. (2005). Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
CORTINA, Arnaldo. (2004). “Semiótica e leitura: os leitores de Harry Potter”. In: CORTINA, A.; MARCHEZAN, Renata C. (Orgs.). Razões e sensibilidades: semiótica em foco. Araraquara, SP: Cultura Acadêmica Editora.
COURTÉS, Joseph. (1979). Introdução à semiótica narrativa e discursiva. Tradução de Norma Backes Tasca. Coimbra: Livraria Almedina.
DEL PRIORE, Mary (Org.). (2006). História das mulheres no Brasil. 8. ed. São Paulo: Contexto.
FIORIN, José Luiz. (2004a). “O Ethos do enunciador”. In:
CORTINA, Arnaldo; MARCHEZAN, Renata Coelho (Orgs.). Razões e sensibilidades: a semiótica em foco. Araraquara, SP: Laboratório Editorial FCL/UNESP. ______. (2004b). “O Pathos do enunciatário”. Alfa. Revista de Linguística. v.48, n.2. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.
FOUCAULT, M. (2004a). A Hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca, Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes. ______. (2004b). Microfisica do poder. Tradução de Roberto Machado. 19. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.
GREIMAS, Algirdas Julien. (1976a). Semântica estrutural: pesquisa de método. Tradução de Haquira Osakabe e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix. ______. (1976b). Sémiotique et sciences sociales. Paris: Seuil. ______. (1975). Sobre o sentido. Tradução de Ana Cristina Cruz Cezar et al. Petrópolis: Vozes.
LIPOVETSKY, Gilles. (2000). A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras. ______. (2004). Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.
PERROT, Michelle. (2007). Minha história das mulheres. Tradução de Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto.
VECCHI, Benedetto. (2005). “Introdução”. In: BAUMAN, Z. Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Downloads

Publicado

2020-11-06

Como Citar

LIMA, F. F. P. de A. Deslocamentos de politização no discurso: um olhar semiótico da mulher na política. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661575. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661575. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo