Banner Portal
Deslocamentos de politização no discurso
PDF

Palavras-chave

Semiótica
Discurso
Mulher política

Como Citar

LIMA, Fernanda Fernandes Pimenta de Almeida. Deslocamentos de politização no discurso: um olhar semiótico da mulher na política. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661575. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661575. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

Este artigo objetiva analisar, entre os “lugares” do discurso político, gênero feminino e mídia, o movimento de construção enunciativa da identidade da mulher política no Brasil. Neste sentido, analisa-se uma matéria sobre Manuela D’Ávila, à época, deputada federal do Rio Grande do Sul, veiculada na revista Isto É, que apresenta, segundo as relações desiguais entre os gêneros, como o poder opera na produção midiática da identidade feminina. Busca-se, assim, perscrutar o discurso político feminino, em uma perspectiva semiótica, observando algumas interdições e permissões da mídia, ao caracterizar a mulher na política. Interpretar esses enunciados é depreender, também, como o discurso pode ser visto sob o efeito da representação do feminino que atravessa fronteiras e redefine cronologias em função da experiência histórica da mulher na política.

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661575
PDF

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. (2003). “Estudos do discurso”. In:
FIORIN, J. L. (Org.). Introdução à linguística II: princípios e procedimentos. São Paulo: Contexto.
BARTHES, Roland. (1993). Mitologias. Tradução de Rita Buongermino e Pedro de Souza. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand.
BAUMAN, Zygmunt. (2005). Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
CORTINA, Arnaldo. (2004). “Semiótica e leitura: os leitores de Harry Potter”. In: CORTINA, A.; MARCHEZAN, Renata C. (Orgs.). Razões e sensibilidades: semiótica em foco. Araraquara, SP: Cultura Acadêmica Editora.
COURTÉS, Joseph. (1979). Introdução à semiótica narrativa e discursiva. Tradução de Norma Backes Tasca. Coimbra: Livraria Almedina.
DEL PRIORE, Mary (Org.). (2006). História das mulheres no Brasil. 8. ed. São Paulo: Contexto.
FIORIN, José Luiz. (2004a). “O Ethos do enunciador”. In:
CORTINA, Arnaldo; MARCHEZAN, Renata Coelho (Orgs.). Razões e sensibilidades: a semiótica em foco. Araraquara, SP: Laboratório Editorial FCL/UNESP. ______. (2004b). “O Pathos do enunciatário”. Alfa. Revista de Linguística. v.48, n.2. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.
FOUCAULT, M. (2004a). A Hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca, Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes. ______. (2004b). Microfisica do poder. Tradução de Roberto Machado. 19. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.
GREIMAS, Algirdas Julien. (1976a). Semântica estrutural: pesquisa de método. Tradução de Haquira Osakabe e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix. ______. (1976b). Sémiotique et sciences sociales. Paris: Seuil. ______. (1975). Sobre o sentido. Tradução de Ana Cristina Cruz Cezar et al. Petrópolis: Vozes.
LIPOVETSKY, Gilles. (2000). A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras. ______. (2004). Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.
PERROT, Michelle. (2007). Minha história das mulheres. Tradução de Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto.
VECCHI, Benedetto. (2005). “Introdução”. In: BAUMAN, Z. Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.