Anúncios

Chamada para Dossiê: Um inventário de instantes: coleções, acervos e conexões com a história da arte

2022-11-04

Paixão, ambição, conquista, compulsão, dedicação, dispersão, destruição, abandono...  Normalmente era a partir dessas estratégias que a ação dos colecionadores era percebida, como que suprimindo qualquer possibilidade de prática corrente e de ato político, integrado a um sistema mais amplo. É fato que nas últimas décadas, um número expressivo de pesquisadores voltou-se para a compreensão formativa e discursiva das coleções artísticas, ampliando nossa compreensão das ações envolvidas no processo. Coleções e acervos passam a ser percebidos como projetos políticos, apreendidos como espaços de pesquisa pluridimensionais. Assim, o modo de perceber e compreender as coleções dedicadas às artes visuais mostra-nos uma intrincada relação com a constituição e a prática da História da Arte, em toda sua abrangente pluralidade e seus arbítrios excludentes.

As coleções possibilitam apreender o fenômeno artístico pela visão dos gostos de seus proprietários e da posição ideológica das instituições museológicas, inseridos numa cultura e tempo particulares, estabelecer relações entre diferentes contextos históricos e nexos entre materialidades distintas, especular sobre as formas de ajuntamento, circulação, de visibilidade (ou invisibilidade), de exposição das obras e de suas narrativas, numa extensão que opera das características estéticas aos modelos mercadológicos de interação. Por meio das coleções, ainda é possível alcançar modelos de formalização que transformaram conjuntos de obras em acervos: sistemas institucionais controlados e pretensamente hierarquizados.

O trânsito das coleções, as mudanças de proprietários e de localizações permitem constantes reescritas sobre as obras que as compõem e sobre o próprio conjunto, indicando o quanto as situações de proveniência, pertencimento, organização e formas de exibição vão interagindo com as obras e oferecendo outras perspectivas de enfrentamento e compreensão. Os acervos são capazes de nos apresentar não apenas os coletores, os selecionadores e os mantenedores de tais conjuntos, mas, também, muito nos esclarecem sobre a apreciação, a recepção crítica e a compreensão das intenções autorais, bem como do desafio de pensar a arte em coletivo. A própria história da história da arte alinha-se a diferentes modelos de colecionismo: devotados à celebração de um passado autorizado, delineados pela necessidade pedagógica, pela preservação urgente de uma cultura ameaçada ou por estratégias políticas e econômicas especificas, como modo de bem transmitir um gosto, uma posição ideológica ou a excelência e a tradição dos mestres e suas instituições. De certo, a história das coleções extrapola os limites das narrativas da história da arte exemplar, praticada até recentemente. Muitas coleções desafiam, pelo olhar interessado e arbitrário dos colecionadores ou pelas frestas das reservas técnicas dos museus, a ordem classificatória vigente em tempos distintos e as práticas historiográficas da arte.

Proposto pela editoria da Revista MODOS, no ano de celebração de 10 anos do Grupo de Pesquisa “História da Arte: modos de ver, exibir e compreender”, este dossiê busca acolher pesquisas recentes que pensam o artístico, seu juízo de valor e histórias em suas conexões e interações por meio de coleções e acervos. Os questionamentos que marcam os atuais debates sobre as interações entre a produção e a circulação cultural contemporâneas operam como marcos referenciais para discutir os processos relativos ao colecionamento e ao colecionismo da arte nos últimos dois séculos: coleções feitas, desfeitas, refeitas, coleções que ainda estão por vir.

Prazo de submissão: 30 de abril 2023.

Organização: Maria de Fátima Morethy Couto (Unicamp); Marize Malta (UFRJ); Emerson Dionisio Oliveira (UnB).

Observação: No momento da submissão do artigo na seção DOSSIE, por favor, indicar para qual dossiê está submetendo o artigo nos "Comentários para o editor".

Saiba mais sobre Chamada para Dossiê: Um inventário de instantes: coleções, acervos e conexões com a história da arte

Edição Atual

v. 6 n. 3 (2022)
					Visualizar v. 6 n. 3 (2022)
Publicado: 2022-08-20

Ex-posições / Resenhas

Ver Todas as Edições