Ainda conectado: o PT e seus vínculos com a sociedade

Autores

  • Oswaldo Amaral Escola Superior de Propaganda e Marketing

Palavras-chave:

Partido dos Trabalhadores. Organização partidária. Partidos políticos. Bases partidárias

Resumo

O objetivo deste trabalho é mostrar que o Partido dos Trabalhadores (PT) continua mantendo vínculos sólidos com a sociedade civil organizada e a atrair filiados, apesar das transformações pelas quais passou a partir da segunda metade da década de 1990, especialmente sob aspecto ideológicoprogramático. A partir da análise de dados sobre os filiados e a organização partidária, bem como de surveys realizados com os delegados petistas reunidos em encontros nacionais entre 1997 e 2007, mostramos que o PT continua permeável à participação de atores da sociedade civil organizada assim como teve um crescimento significativo no número de membros durante os anos do governo Lula.

 

Abstract:

The main aim of this paper is to show that the Workers’ Party (PT) continues to be strongly attached to civil society organizations and capable of attracting members after a series of programmatic and ideological changes in the last 15 years. Through the evaluation of membership and organizational data and also the analysis of surveys conducted among PT’s delegates between 1997 and 2007, we show that the party still has strong connections to civil society organizations and increased significantly its number of members during Lula’s government.

Keywords: Workers’ Party; party organization; political parties; party bases

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oswaldo Amaral, Escola Superior de Propaganda e Marketing

É graduado em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), mestre em Ciências Sociais na área de Política pela mesma instituição e doutor em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em 2008, cumpriu estágio de doutoramento com financiamento da Capes no Latin American Centre / Brazilian Studies Programme (LAC/BSP) da University of Oxford. Em 2011, retornou ao LAC/BSP como pesquisador-visitante. Em 2014, foi professor-visitante no Instituto de Iberoamérica da Universidad de Salamanca. Atualmente, é professor do Departamento de Ciência Política da Unicamp e coordenador do Grupo de Investigación de Partidos y Sistemas de Partidos en América Latina (Gipsal) da Associação Latinoamericana de Ciência Política (Alacip). 

Referências

ALCÁNTARA SAEZ, M. e FREIDENBERG, F. Organización y funcionamiento interno de los partidos políticos en América Latina. In: ALCÁNTARA SAEZ, M. (Ed.). Partidos Políticos de América Latina. Centroamerica, México y República Dominicana. México D.F.: FCE, 2003.

ALMEIDA, J. Filiação sem política de organização. Boletim Nacional do PT, São Paulo, n° 64, 1992.

AMARAL, O. E. A estrela não é mais vermelha: as mudanças do programa petista nos anos 90. São Paulo: Garçoni, 2003.

AMARAL, O. E. Adaptação e resistência: O PT no Governo Lula entre 2003 e 2008. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 4, p. 105-134, jul./dez. 2010.

BARTOLINI, S. The Membership of Mass Parties: the Social Democracy Experience 1889-1978. In: DAALDER, H. e MAIR, P. (Ed.). Western European Party Systems. Continuity and Change. London: Sage, 1983.

BRAGA, M. S. S. Organizações partidárias e seleção de candidatos no estado de São Paulo. Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, p. 454-485, nov. 2008.

D’ARAUJO, M. C. A elite dirigente do governo Lula. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2009.

FLYNN, P. Brazil and Lula, 2005: crisis, corruption and change in political perspective. Third World Quarterly, London, v. 26, n. 8, p. 1221-1267, 2005.

FREIDENBERG, F. Mucho ruido y pocas nueces. Organizaciones partidistas y democracia interna en América Latina. Polis: Investigación y Análisis Sociopolítico y Psicosocial, Iztapalapa, v. 1, n. 1, p. 91-134, 2005.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO. Pesquisa – PT: Relatório Geral. São Paulo: FPA, 1997.

GARCIA, M. A. Esquerdas: rupturas e continuidades. In: DAGNINO, E. (Org.). Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

GODINHO, T. Decidida campanha de filiação. Boletim Nacional do PT, São Paulo, n. 96, 1995.

HEIDAR, K. Party membership and participation. In: KATZ, R. e CROTTY, W. (Ed.). Handbook of Party Politics. London: Sage, 2006.

HOCHSTETLER, K. Organized Civil Society in Lula’s Brazil. In: KINGSTONE, P. e POWER, T. (Ed.). Democratic Brazil Revisited. Pittsburgh: UPP, 2008.

HUNTER, W. The Normalization of an Anomaly: The Workers’ Party in Brazil. World Politics, Princeton, n. 59, p. 440-475, 2007.

HUNTER, W. The Workers’ Party: Still a Party of the Left? In: KINGSTONE, P. e POWER, T. (Ed.). Democratic Brazil Revisited. Pittsburgh: UPP, 2008a.

HUNTER, W. The PT in Power: Shifting Policies and Patterns of Political Support. In: Latin America’s Left Turn: Causes and Implications, Harvard University, p. 1-22, 2008b.

HUNTER, W. The Transformation of the Workers’ Party in Brazil, 1989-2009. New York: CUP, 2010.

HUNTER, W. e POWER, T. Rewarding Lula: Executive Power, Social Policy, and the Brazilian Elections of 2006. Latin American Politics and Society, Miami, v. 49, n. 1, p. 1-30, 2007.

KATZ, R. e MAIR, P. The Ascendancy of the Party in Public Office: Party Organizational Change in Twentieth-Century Democracies. In: GUNTHER, R; MONTERO, J. R. e LINZ, J. (Ed.). Political Parties: Old Concepts and New Challenges. Oxford: OUP, 2002.

HUNTER, W; et al. The Membership of Political Parties in European Democracies, 1960-1990. European Journal of Political Research, Amsterdam, n. 22, p. 329-345, 1992.

KECK, M. E. PT: a lógica da diferença; o Partido dos Trabalhadores na construção da democracia brasileira. São Paulo: Ática, 1991.

LAWSON, K. e MERKL, P. (Ed.). When Parties Fail: Emerging Alternative Organizations. Princeton: PUP, 1988.

LICIO, E. C; RENNÓ, L. e CASTRO, H. C. O. Bolsa Família e Voto na Eleição Presidencial de 2006: em busca do elo perdido. Opinião Pública, Campinas, v. 15, n. 1, p. 31-54, jun. 2009.

MÉNDEZ LAGO, M. La estrategia organizativa del Partido Socialista Obrero Español (1975-1996). Madrid: Siglo XXI, 2000.

MÉNDEZ LAGO, M.e SANTAMARÍA, J. La ley de disparidad ideológica curvilínea de los partidos políticos: el caso del PSOE. Revista Española de Ciencia Política, n. 4, p. 35-69, abr, 2001.

MENEGUELLO, R. PT: A formação de um partido, 1979-1982. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

MENEGUELLO, R. Quem apoia o presidente? In: 2007 Congress of the Latin American Studies Association (Lasa), Montréal, p. 1-25, 2007.

MENEGUELLO, R. e AMARAL, O. E. Ainda novidade: uma revisão das transformações do Partido dos Trabalhadores no Brasil. BSP Occasional Papers, Oxford, n. 2, p. 1-25, 2008.

NICOLAU, J. Partidos e Sistemas Partidários: 1985-2009. In: LESSA, R. (Org.).Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: Ciência Política. São Paulo: ANPOCS, 2010.

NOVAES, C. A. M. PT: Dilemas da Burocratização. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 35, p. 217-237, mar. 1993.

PALERMO, V. Brasil. El gobierno de Lula y el PT. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 192, p. 4-11, 2005.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. Partido dos Trabalhadores: Resoluções de Encontros e Congressos (1979-1998). São Paulo: FPA, 1998.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. Resoluções do II Congresso Nacional do Partido dos Trabalhadores. Belo Horizonte: PT, 1999.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. Estatuto. São Paulo: FPA, 2001a.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. Resoluções do 12º Encontro Nacional do Partido dos Trabalhadores. São Paulo: PT/FPA, 2001b.

POGUNTKE, T. Parties in a Legalistic Culture: The Case of Germany. In: KATZ, R. e MAIR, P. (Eds.). How Parties Organize: Change and Adaptation in Party Organizations in Western Democracies. London: Sage, 1994.

RENNÓ, L. e CABELLO, A. As bases do Lulismo: a volta do personalismo, realinhamento ideológico ou não alinhamento? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, n. 74, p. 39-60, out. 2010.

RIBEIRO, P. Dos sindicatos ao governo: a organização nacional do PT de 1980 a 2005. São Carlos. 342 f. Tese (Doutorado em Ciência Política). Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos, 2008.

RODRIGUES, L. M. PT: a New Actor in Brazilian Politics. In: DEVOTO, F. J. e DI TELLA, T. S. (Eds.). Political Culture, Social Movements and Democratic Transitions in South America in the 20th Century. Milan: Feltrinelli, 1997.

ROMA, C. Organizaciones de partido en Brasil: El PT y el PSDB bajo perspectiva comparada. América Latina Hoy, Salamanca, n. 44, p. 153-184, 2006.

SAMUELS, D. From Socialism to Social Democracy: Party Organization and the Transformation of the Workers’ Party in Brazil. Comparative Political Studies, v. 37, n. 9, p. 999-1024, 2004.

SAMUELS, D. A evolução do petismo (2002-2008). Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, p. 302-318, nov. 2008a.

SAMUELS, D. Brazilian Democracy under Lula and the PT. In: DOMINGUEZ, J. e SHIFTER, M. (Ed.). Constructing Democratic Governance in Latin America. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2008b.

SAMUELS, D e ZUCCO, C. The Roots of Petismo, 1989-2010. In: 2010 Meeting of the American Political Science Association (Apsa), Washington, 2010. p. 1-34.

SCARROW, S. E. The ‘paradox of enrollment’: Assessing the costs and benefits of party memberships. European Journal of Political Research, Amsterdam, n. 25, p. 41- 60, 1994.

SCARROW, S. E e GEZGOR, B. Declining memberships, changing members? European political party members in a new era. Party Politics: OnlineFirst, London, 2010. p. 1- 21.

SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO DO PT (SORG). Manual para a Campanha Nacional de Filiação. São Paulo: PT, 2003.

SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO DO PT (SORG).. Guia da Campanha de Filiação: Rio de Janeiro. São Paulo: PT, 2006.

SEYD, P. New Parties/New Politics?: A case study of the British Labour Party. Party Politics, London, v. 5, n. 3, p. 383-405, 1999.

SEYD, P. e WHITELEY, P. High-Intensity Participation: The Dynamics of Party Activism in Britain. Ann Harbor: UMP, 2002.

SHARE, D. From Policy-Seeking to Office-Seeking: The Metamorphosis of the Spanish Socialist Workers’ Party. In: STROM, K. e MULLER, W. (Ed.). Policy, office or votes?: how political parties in Western Europe make hard decisions. Cambridge: CUP, 1999.

SINGER, A. O PT. São Paulo: Publifolha, 2001.

SINGER, A. Raízes sociais e ideológicas do Lulismo. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 85, p. 83-102, nov. 2009.

SINGER, A. A segunda alma do Partido dos Trabalhadores. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 88, p. 89-111, nov. 2010.

SOARES, G. e TERRON, S. Dois Lulas: a geografia eleitoral da reeleição (explorando conceitos, métodos e técnicas de análise geoespacial). Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, p. 269-301, nov. 2008.

SOARES, G. e TERRON, S. As bases eleitorais de Lula e do PT: do distanciamento ao divórcio. Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 2, p. 310-337, nov. 2010.

VENTURI, G. PT 30 anos: crescimento e mudanças na preferência partidária. Perseu, São Paulo, n. 5, p. 197-214, 2010.

WARE, A. Political Parties and Party Systems. Oxford: OUP, 1996.

WAUTERS, B. Explaining Participation in Intra-party Elections: Evidence from Belgian Political Parties. Party Politics, London, v. 16, n. 2, p. 237-259, 2010.

ZUCCO, C. The President’s ‘New’ Constituency: Lula and the Pragmatic Vote in Brazil’s 2006 Presidential Elections. Journal of Latin American Studies, Cambridge, n° 40, p. 29-49, 2008.

Downloads

Publicado

2015-10-27

Como Citar

Amaral, O. (2015). Ainda conectado: o PT e seus vínculos com a sociedade. Opinião Pública, 17(1), 1–44. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641367

Edição

Seção

Artigos