Recolher e colecionar a leitura e a escrita

por uma montagem estética do pensamento

Autores

Palavras-chave:

Leitura, Escrita, Montagem, Estética, Educação

Resumo

Este artigo busca pensar, por meio da educação, da filosofia e das artes visuais, as possibilidades estéticas da leitura e da escrita. Para tanto, se traça um diálogo entre autores e autoras, como o filósofo estoico Sêneca, Walter Benjamin, o filósofo da imagem Didi-Huberman e a artista plástica Elida Tessler, para pensar os conceitos de recolhimento, colecionar e montagem, tratando da escrita e da leitura como formas que podem tornar possível pensar a diferença. Desse modo, entendemos a leitura e a escrita para além de sua função reduzida de informar, mas também em sua dimensão ética, estética e política no atravessamento dos modos de existência no presente, tal como um risco de fósforo que fagulha por alguns instantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Campesato, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Professora pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Secretaria Municipal de Educação – SMED, Porto Alegre, RS, Brasil.

Elisandro Rodrigues, Hospital Nossa Senhora da Conceição

Doutorando em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Professor,  pesquisador e técnico em educação pelo Hospital Nossa Senhora da Conceição - Gerência de Ensino e Pesquisa Francisco Trein, Porto Alegre, RS, Brasil.

Betina Schuler

Professora Permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, Educação, São Leopoldo, RS, Brasil.

Referências

Agamben, G. (2018). O fogo e o relato: Ensaios sobre criação, escrita, arte e livros Boitempo.

Aquino, J. G., & Sayão, R. (2004). Da construção de uma escola democrática: a experiência da Emef Amorim Lima. ECCOS: Revista Científica, 6(2), 15-38.

Aquino, J. G. (2011). A escrita como modo de vida: conexões e desdobramentos educacionais. Educação e Pesquisa, 37(3), 641-656.

Barthes, R. (2004). O rumor da língua (2.ed.). Martins Fontes.

Benjamin, W. (1984). Origem do drama barroco Alemão Editora Brasiliense.

Benjamin, W. (1994). Obras Escolhidas I: Magia e Técnica, arte e política - ensaios sobre literatura e história da cultura Brasiliense.

Benjamin, W. (2013). Rua de mão única: Infância berlinense - 1900 Autêntica Editora.

Benjamin, W. (2018). Passagens Editora UFMG.

Compagnon, A. (1996). O trabalho de citação Editora UFMG.

Compagnon, A. (2016). La seconde main ou le travail de la citation Éditions du Seuil.

Corpas, I. V. (2017). In girum imus nocte et consuminur igni: Del laberinto al circuito. Algumas notas sobre el andar como prática estético-políticca. Quintana: Revista do Departamento de História da Arte, 16, 325-338.

Didi-Huberman, G. (2009). Ser Crânio: Lugar, Contato, Pensamento, Escultura C/Arte.

Didi-Huberman, G. (2012). Imagens apesar de tudo. KKYM.

Didi-Huberman, G. (2013a). Cascas Revista Serrote.

Didi-Huberman, G. (2013b). Cuando las imágenes toman posición A. Machado Libros.

Didi-Huberman, G. (2015). Diante do Tempo: História da arte e anacronismo das imagens Editora UFMG.

Didi-Huberman, G. (2017a). Cascas Editora 34.

Didi-Huberman, G. (2017b). Quando as imagens tomam posição Editora UFMG.

Didi-Huberman, G. (2018). Imagens-ocasiões Foto Imagem e Arte Ltda.

Flusser, V. (2010). A escrita: Há futuro para a escrita? Annablume.

Foucault, M. (2006a). A hermenêutica do sujeito (2ed.). Martins Fontes.

Foucault, M. (2006b). A escrita de si. In Ética, sexualidade, política (2.ed., pp.144-162). Forense Universitária.

Foucault, M. (2009). O que é um autor? In Estética: Literatura e pintura, música e cinema (pp.264-298). Forense Universitária.

Freitas Filho, A. (2006) Raro mar (2002-2006) Companhia das Letras.

Garcia, M. (2017) Câmara Lenta Companhia das Letras.

Han, B. (2015). Sociedade do Cansaço Vozes.

Hadot, P. (2014). O que é a filosofia antiga? Trad. de DionDavi Macedo. São Paulo: Loyola.

Jacques, P. B. (2018). Pensar por montagens. In P. B. Jacques & M. S. Pereira (Orgs.). Nebulosas do pensamento urbanístico - Tomo I: Modos de Pensar (pp.206-234). EDUFBA.

Kastrup, V., & Barros, L. P. (2009). Livração: intervenção de uma oficina de leitura num território habitado pela violência. Em Debate, 8, 1-17.

Konder, L. (1999). Walter Benjamin, o marxismo da melancolia Civilização Brasileira.

Lispector, C. (1998). Felicidade clandestina. In Felicidade clandestina Rocco.

Marrou, H. (2017). História da Educação na Antiguidade Kírion.

Ó, J. M. R. (2017). Seminário de Investigação e Orientação: A Escrita Científica e a Formação Avançada [Relatório sobre a unidade curricular não publicado]. Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Perec, G. (1989). L ́infra-ordinaire Éditions Du Seuil.

Perec, G. (2000). Espèce d’espaces Galilée.

Perec, G. (2010). Aproximações do que? Revista Alea, 2(1), 178-180.

Rancière, J. (1995). Políticas da escrita Editora 34.

Rodrigues, E., & Schuler, B. (2019). Montagem do pensamento e da escrita acadêmica em educação: conversações entre Deleuze e Didi-Huberman. ETD: Educação Temática Digital, 21(1), 23-46.

Sêneca, L. A. (2011). Sobre a brevidade da vida LP&M.

Sêneca, L. A. (2012). Da vida retirada. In Da tranquilidade da alma da alma, precedido da Vida retrada e seguido de Da Felicidade LP&M, 17-32.

Sêneca, L. A. (2018). Cartas a Lucílio Fundação Calouste Gulbenkian.

Tessler, E. (2012). Você me da a sua palavra? Do silêncio ao murmúrio utópico do artista. Organon: Revista do Instituto de Letras, 27(53), 199-210.

Tessler, E. (2020). Word Work World: O universo da palavra dada. Revista de Comunicação e Linguagens, 52, 25-36.

Veyne, P. (2016). Sêneca e o Estoicismo Três Estrelas.

Villa-Forte, L. (2019). Escrever sem escrever: Literatura e apropriação no século XXI Ed. PUC-Rio; Relicário.

Publicado

2022-06-15

Como Citar

CAMPESATO, M. .; RODRIGUES, E. .; SCHULER, B. . Recolher e colecionar a leitura e a escrita: por uma montagem estética do pensamento. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200106, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670502. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Editorial