Atividade turística na cidade do Recife: Levantamento e diagnóstico de sítios arqueológicos

Autores

  • Vanessa Rodrigues da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Cláudia Alves de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v9i2.8642864

Palavras-chave:

Turismo Arqueológico. Sítios Arqueológicos. Produtos turísticos. Preservação. Diagnóstico

Resumo

Nesta pesquisa, foi realizado o levantamento e diagnóstico dos sítios arqueológicos localizados no bairro do Recife Antigo em Pernambuco, que estão sendo utilizados como produtos turísticos: Sinagoga KahalZur Israel, Igreja da Madre de Deus, Forte do Brum, Museu a Céu Aberto, Forte das Cinco Pontas e Bolsa de Valores de Pernambuco e Paraíba (hoje, Caixa Cultural). Nesta perspectiva, foi analisada a infra-estrutura turística e elaborada uma proposta de roteiro turístico envolvendo os sítios arqueológicos encontrados. O Turismo Arqueológico pode ser mais uma ferramenta para preservar e proteger esse patrimônio e permite introduzir a comunidade local no contexto turístico de forma que consiga participar do desenvolvimento da própria localidade. Entretanto, se faz necessário que os sítios encontrados e utilizados nesse processo econômico sejam bem estruturados, não sejam descaracterizados e continuem a transmitir conhecimento às demais gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Rodrigues da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharel em Turismo (DHT – UFPE); Mestranda em Arqueologia (PPARQ-UFPE).

Cláudia Alves de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Docente/pesquisador do Depto de Arqueologia – CFCH – UFPE.

Referências

ALBUQUERQUE, M; LUCENA, V; WALMSLEY, D. Fortes de Pernambuco: imagens do passado e do presente. Recife, 1999.

ALMEIDA, M. B. Noções básicas sobre metodologia de pesquisa científica. DTGI‐ECI/UFMG, 2006. Disponível em: http://mba.eci.ufmg.br/downloads/metodologia.pdf.

ANDRADE, G. O. Montebelo, os males e os mascates, Recife: Editora da UFPE, 1969.

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 6a ed. São Paulo: SENAC, 2008.

CARVALHO, O. A, et al. Estudos Bioarqueológico na Igreja da Madre de Deus, Recife, Pernambuco: Exumação de Esqueletos humanos. In: MAX. Canindé, n.12, 2008.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa cientifica. UECE. Ceará, 2002. Disponível em: http://www.dqi.ufms.br/~lp4/apostilaMetodologia.pdf.

GOMES, F. R. A bolsa de valores brasileira como fonte de informações financeiras. Perspect. cienc. inf., Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 189 - 202, jul./dez.1997. Disponível em: portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/download/. Acesso em: 14 de Jul. de 2012.

GOELDNER, C. R. Turismo: princípios, práticas e filosofias. Porto Alegre: Bookman, 2002, p. 191, 192 e 356.

GHETTI, N. C. Turismo arqueológico: Perspectivas para a preservação do patrimônio cultural e para a valorização social. Disponível: http://www.ivtrj. net/sapis/2006/pdf/NeuvaniaGhetti.pdf. Acesso em 26 out. 2009.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTÍSTICO NACIONAL. Contrato e sociedade. Erechim, RS: Habilis, 2007. Pt. 2, cap.7, p. 81-91.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTÍSTICO NACIONAL. Carta de Laussane, 1990.

KAUFMAN, T. N. Sinagoga KahalZurIsrael: Guardiã de Memórias do Judaísmo. Entre o Sagrado e o Profano. Disponível em: http://www.arquivojudaicope.org.br/arquivos/bancodearquivos/81adca19ae427e5e427a744be334bc25.pdf. Acesso em: 21 de Ago. 2012.

MANZATO, F. Turismo arqueológico: Diagnóstico e análise do produto arqueoturístico. PASOS. São Paulo, v.5, n.1, p. 99-109, 2007.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Segmentação do turismo: marcos conceituais. Brasília, 2006.

PARDI, L. Preservação do patrimônio arqueológico e o turismo. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/portal/baixaFCdAnexo.do?id=1097. Acesso em: 20 set. 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO. Dados e fatos. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/system/modules/br.gov.turismo.dadosfatos/templates/home/home_resultado_busca_geral.jsp?tagsNone=OMT.

RAMOS, A. C. T. Além dosmortos da Cruz do Patrão simbolismo e tradição no uso do espaço no Recife. Artigo apresentado na 26a Reunião Brasileira de Antropologia, realizada em junho, 2005, Porto Seguro, Bahia, Brasil.

REVISTA RECIFE TE QUER. Recife inusitado. Ed. Especial, 2010.

RODRIGUES, W. C. Metodologia cientifica. FAETEC/IST. Paracambi, 2007. Disponível em: http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/3922/material/Willian%20Costa%20Rodrigues_metodologia_cientifica.pdf.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, L. B. Turismo Histórico-Cultural em Recife-PE: um olhar sobre o Mercado de São José. Universidade Federal de Pernambuco, Recife/PE, 2008.

SOUZA, A. C; SOUZA, J.C. O patrimônio arqueológico da região metropolitana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1981.

SCHLÜTER, R. Metodologia da pesquisa em turismo e hotelaria. Aleph. São Paulo, 2003.

Downloads

Publicado

2016-01-11

Como Citar

SILVA, V. R. da; OLIVEIRA, C. A. de. Atividade turística na cidade do Recife: Levantamento e diagnóstico de sítios arqueológicos. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 9, n. 2[12], p. 3–18, 2016. DOI: 10.20396/rap.v9i2.8642864. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8642864. Acesso em: 30 jan. 2023.