Banner Portal
Documentação jurídica
PORTUGUES
INGLES

Palavras-chave

Documentação jurídica. Análise documental. Linguística. Terminologia

Como Citar

MIRANDA, R.; SANTOS, C. A. C. M. dos. Documentação jurídica: interfaces da leitura documentária, linguagem e análise de discurso no tratamento da informação. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 16, n. 3, p. 299–316, 2018. DOI: 10.20396/rdbci.v16i3.8650313. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8650313. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

Reflexões sobre o tratamento da informação na Documentação Jurídica, com base na tríade: leitura documentária, linguagem jurídica e análise de discurso. Nesse contexto, discutem-se terminologia e representação da informação, em função do hermetismo da linguagem e da dificuldade para o profissional bibliotecário na identificação os tipos de discursos jurídicos presentes nos documentos da área. Conclui ressaltando a importância da pesquisa sobre a análise de discurso voltada para os tipos de discursos empregados na Documentação Jurídica, que podem propiciar o reconhecimento da estrutura do documento e das partes que contém informações relevantes, contribuindo com a representação da informação.

 

https://doi.org/10.20396/rdbci.v16i3.8650313
PORTUGUES
INGLES

Referências

BARROS, Lídia A. Curso básico de terminologia. São Paulo: Edusp, 2004.

BARRETO, Aldo. A. A questão da informação. São Paulo em Perspectiva, v.8, n 4, out./dez. 1994. Disponível em http://www.seade.gov.br/produtos/spp/v08n04/v08n04_01.pdf . Acesso em 15.08.2013

BITTAR, Eduardo Carlos B. Metodologia da pesquisa jurídica: teoria e prática da monografia para os cursos de direito. São Paulo: Saraiva, 2001.

BITTAR, Eduardo Carlos B. Linguagem jurídica. São Paulo: Saraiva, 2003.

BORDIEU, Pierre. O que falar quer dizer. In: A economia das trocas linguísticas. São Paulo: EDUSP, p.21-52, 1996.

CABRÉ, Maria Teresa. La terminología: representación y comunicación. Barcelona : IULA-UPF, 1999.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, 1999.

CINTRA, Anna Maria. Estratégias de leitura em documentação. In: Smit, J.W. (Coord.). Análise documentária: análise da síntese. Brasília: IBICT, 2ª ed., p. 29-37, 1987.

FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. A Leitura Documentária na perspectiva de suas variáveis: leitor-texto-contexto. DataGramaZero, v. 5, n. 4, ago. 2004

FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; NARDI, Maria Izabel Aspeti.; SANTOS, Silvana. A leitura em análise documentária. Transinformação, Campinas, v. 10, n.3, p.13-31, set/dez. 1998.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio Luis. Estructura linguística de la documentación: teoria y método. Murcia: Universidad, Secretariado de Publicaciones, 1990.

KOBASHI, Nair Yumiko. A elaboração de informações documentárias: em busca de uma metodologia. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola de Comunicação e Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

JOSEPH, Irmã Miriam. O Trivium: as artes liberais da lógica, gramática e retórica. São Paulo: Realizações, 2002.

LARA, Marilda Lopes Ginez. Linguagem documentária e terminologia. Transinformação, Campinas, n.16 set/dez 2004.

LARA, Marilda Lopes Ginez. Conceitos de Organização e Representação do Conhecimento na ótica das reflexões do Grupo Temma. Revista Informação & Informação, Londrina, v. 16, n. esp., jan/jun 2011.

MOURA, Maria Aparecida. Leitor-bibliotecário: interpretação, memória e as contradições da subjetividade. Perspectiva em Ciência da Informação, v. 9, n.2, p.158-169, jul/set. 2004.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 7ªed. Campinas: Pontes, 2007.

ORLANDI, Eni Puccinelli. A linguagem em seu funcionamento: as formas de discurso. São Paulo: Brasiliense, 1983.

PASSOS, Edilenice. O controle da informação jurídica no Brasil: a contribuição do Senado Federal. Revista Ciência da Informação, Brasília v.23 n.3. set/dez. 1994.

PASSO, Edilenice; BARROS, Lucivaldo Vasconcelos. Fontes de informação para pesquisa em direito. Brasilia: Briquet de Lemos, 2009.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: UNICAMP, 1988.

REALE, Miguel. Lições preliminares do Direito. São Paulo: Saraiva, 25ª ed., 2001.

SILVA, Andreia Gonçalves. Fontes de informação jurídica: conceitos e técnicas de leitura para o profissional da informação. Rio de Janeiro: Interciência, 2010.

TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Terminologia e documentação. TradTerm: revista do Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia FFLCH/USP, São Paulo, n.7, p.141-151, 2001.

TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira, LARA, Marilda Lopes Ginez. O campo da Linguística Documentária. Transinformação, Campinas, v.18, n.3, p.203-211, set./dez. 2006.

VOGEL, Michely Jabala Mamede. A noção de estrutura linguística e de processo de estruturação e sua influência no conceito e na elaboração de linguagem documentária. 124f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, 2007.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Roseli Miranda, Cibele Araújo Camargo Marques dos Santos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...