A ficção do cientista a respeito da "modesta proposta" de Swift

Fernando Morato

Resumo


Já no início da era moderna, antes mesmo do desenvolvimento da Ficção Científica, é possível identificar alguns diagnósticos da ruptura entre pensamento científico e formação humanista que vai estar na base do gênero. Um dos pontos de inflexão desse diagnóstico pode ser identificado nas sátiras inglesas (não por acaso, o país emblemático do pensamento científico moderno) do início do século XVIII. Deste ponto de vista, a leitura da "Modesta proposta" de Jonathan Swift pode ser enriquecida por um olhar que procure encontrar nela os vislumbres das futuras distopias da Ficção Científica já na própria alvorada da Revolução Industrial.


Palavras-chave


Jonathan Swift. Ficção-Científica. Economia.

Texto completo:

PDF

Referências


CARPEAUX, Otto Maria. Historia da Literatura Ocidental. Vol IV Rio de Janeiro, Alhambra, 1985.

DE GATEGNO, Paul J. Critical companion to Jonathan Swift: a literary reference to his life and work New York, Facts on File, 2006.

GALILEI, Galileu “O ensaiador”, tradução de Nestor Deola, in Bruno, Galilei, Campanella Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

HEXTER, J. H. More’s Utopia, the biography of na idea. New York/London: Harper Torchbooks, 1952.

HUXLEY, Aldous, Admirável mundo novo. Tradução de Vidal de Oliveira e Lino Vallandro. 5ª edição. Porto Alegre: Globo, 1979.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Tradução, introdução e notas de Antonio D’Elia. São Paulo Cultrix/Círculo do Livro, 1987.

MENDLESOHN, Farah, “Reading science fiction”, in Cambridge companion to science fiction, Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

STABLEFORT, Brian “Science fiction before the genre”, in Cambridge companion to science fiction, Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SWIFT, Jonathan, A arte da mentira política – precedido pelo texto “O mentir verdadeiro” de Jean-Jacques Courtine. Tradução Mônica Zoppi-Fontana e Roberto Leiser Baronas. Campinas: Pontes, 2006.

SWIFT, Jonathan, Modesta proposta para evitar que as crianças da Irlanda sejam um fardo para seus pais e seu país. Tradução de Dorothée de Bruchard (edição bilíngue a partir do texto da edição de 1729), Porto Alegre: Paraula,1993.

WHITE, Michael C. Isaac Newton, o último feiticeiro. Tradução Maria Beatriz Medina. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2000.

ZAMIATINE, Eugène. Nous Autres, traduit du russe par B. Cauvet-Duhamel. Édition du groupe «Ebooks libres et gratuits». Disponível em: http://www.didactibook.com/produit/4329/9786000005320/Nous%20Autres




DOI: https://doi.org/10.20396/remate.v32i2.8635890

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Remate de Males



(c) Remate de Males, Campinas (SP) - ISSN 2316-5758.