[1]
P. H. Britto, “A tradução de um poema de Stephen Crane”, Remate de Males, vol. 38, nº 2, p. 620-630, dez. 2018.