A constituição de um arquivo: injunções, (de)limitações, efeitos

Autores

  • Maristela Cury Sarian Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v24i1.8647095

Palavras-chave:

Análise do discurso. Corpus. Memória institucional. Pesquisa. PROUCA.

Resumo

Este trabalho se inscreve na perspectiva da Análise de Discurso proposta por Michel Pêcheux e Eni Orlandi e tem por objetivo dar visibilidade ao processo de constituição de um arquivo para a elaboração de tese de doutorado, composto de materiais relacionados ao Programa Um Computador por Aluno (Prouca), do governo federal brasileiro, que foram recebidos por e-mail ou circularam em páginas oficiais e não oficiais na Internet. Colocamos em evidência as condições de produção da própria constituição desse arquivo, formado por documentos inscritos no âmbito jurídico, administrativo e institucional, ao mesmo tempo em que o remetemos às condições de produção daquilo que se configurou enquanto arquivo. Daremos visibilidade também aos efeitos produzidos pela autoria e pelo modo de circulação desses materiais, que têm, na Internet, a ancoragem para sua condição (provisória) de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maristela Cury Sarian, Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Possui graduação em Letras com Habilitação de Tradutor pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de São José do Rio Preto. Especialização em Didática do Ensino Básico e Superior pelo Centro Universitário do Norte Paulista (UNORP), de São José do Rio Preto. Mestrado em Estudos Linguísticos pela UNESP/Rio Preto e Doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é docente do curso de Licenciatura em Letras, área de Língua Portuguesa, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT); professora e vice-coordenadora do Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) unidade Cáceres - MT e Diretora de Gestão de Mobilidade Acadêmica da Pró-reitoria de Ensino de Graduação (PROEG) da UNEMAT. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Linguística, Língua Portuguesa e nos Estudos da Tradução.

Referências

BARBAI, M. Ideologia e inconsciente: educar é possível? ENELIN – Encontro de Estudos da Linguagem, 4, 2011, Pouso Alegre. Anais... Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2012.

BRASIL. Lei nº 12.249, de 10 de junho de 2010. Cria o Programa Um Computador por Aluno - PROUCA e institui o Regime Especial de Aquisição de Computadores para Uso Educacional – RECOMPE. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=261443>. Acesso em: 12 abr. 2011.

______. Decreto nº 7.243, de 26 de julho 2010. Regulamenta o Programa Um Computador por Aluno - PROUCA e o Regime Especial de Aquisição de Computadores para uso Educacional – RECOMPE. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7243.htm>. Acesso em: 19 mar. 2012.

______. Um computador por aluno: a experiência brasileira. Brasília: Câmara dos Deputados. Coordenação de Publicações, 2008. (Série Avaliação de Políticas Públicas; n.1).

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Portaria n º85, de 16 de junho de 2008. Dispõe sobre a composição do Grupo de Trabalho de Assessoramento ao Projeto Um Computador por Aluno - UCA. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/diarios/DOU/2008/06/18/Secao-2>. Acesso em: 01 jun. 2010.

______. Ministério da Educação. Portaria nº 8, de 19 de março de 2007. Dispõe sobre a composição de grupo de trabalho com o objetivo de assessorar pedagogicamente a elaboração do documento básico do Projeto Um Computador por Aluno - UCA, bem como realizar o acompanhamento e a avaliação das experiências iniciais a serem implantadas. Disponível em: <http://pilotosdoprojetouca.blogspot.com/2007/03/portaria-do-gt-assessores-pedaggicos.html>. Acesso em: 01 jun. 2010.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Um computador por aluno: projeto base. 2007. Disponível em: <http://portal.enlaces.cl/portales/tp5fdaa5dc4n55/documentos/200712171646020.Projeto_Base_umcomputadorporaluno_UCA.pdf>. Acesso em: 02 set. 2009.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Princípios orientadores para o uso pedagógico do laptop na educação escolar. MEC/SEED: 2007.

______. Ministério da Educação. Projeto UCA. Pré-piloto. Disponível em: <http://www.uca.gov.br/institucional/experimentosFase1.jsp>. Acesso em: 15 set.2011

CHAUÍ, M. Ideologia neoliberal e universidade. In: OLIVEIRA, F. de; PAOLI, M. C. Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 27-51.

DIAS, C. P. Sujeito, sociedade, tecnologia: a discursividade da rede (de sentidos). São Paulo: Hucitec, 2012.

______. Cidade, cultura e corpo: a velocidade do mundo. Campinas: Labeurb/Unicamp, 2011. (Série Escritos, n. 10).

______. Arquivos digitais: da des-ordem narrativa à sede de sentidos. In: GUIMARÃES, E.; PAULA, M.R. de (Orgs.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005. p. 41-56.

FERREIRA, A. C. F. A lingüística entre os nomes da linguagem: uma reflexão na história das idéias lingüísticas no Brasil. 2009. 249 fls. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.

GALLO, S. L. Novas fronteiras para a autoria. Organon, v. 27, n. 53, p. 53-64, jul./dez. 2012.

______. A Internet como acontecimento. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; FERREIRA, M. C. L. (Orgs.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 255-269.

______. Plágio na Internet. In: MORELLO, R. (Org.). Giros na cidade: materialidade do espaço. Campinas: Labeurb/Unicamp, 2004. p. 47-55.

LAGAZZI, S. O recorte e o entremeio: condições para a materialidade significante. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L.; MITTMANN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009. p. 67-78.

______. O político na linguística: processos de representação, legitimação e institucionalização. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política linguística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p. 11-18.

______. O desafio de dizer não. Campinas: Pontes, 1988.

NUNES, J. H. Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade. In: ORLANDI, E. P. (Org.). A leitura e os leitores. Campinas: Pontes, 1998. p. 25-46.

ORLANDI, E. P. A fundação de um Estado: cidade de São Salvador, Brasil. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 53, n. 2, p. 101-112, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://www.iel.unicamp.br/revista/index.php/cel/issue/current/showToc>. Acesso em: 23 fev. 2012.

______. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia - discurso eletrônico, escola, cidade. Revista Rua, Campinas, v. 2, n.16, p. 5-17, 2010a. Disponível em: <http://www.labeurb.unicamp.br/rua/anteriores/pages/home/capaArtigo.rua?id=91>. Acesso em: 06 out. 2016.

______. Formas de individuação do sujeito feminino e sociedade contemporânea: o caso da delinquência In: ______. (Org.). A produção do consenso nas políticas públicas urbanas. Campinas: RG Editora, 2010b. p. 11-42.

______. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2008.

______. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

______. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas: Pontes, 2007.

______. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2004.

______. Ler a cidade: o arquivo e a memória. In: ______. (Org.). Para uma enciclopédia da cidade. Campinas: Pontes, 2003. p. 7-20.

PÊCHEUX, M. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2010. p. 49-59.

______. Discurso: estrutura ou acontecimento. 5. ed. Tradução de Eni P. Orlandi. Pontes: Campinas, 2008.

______. Delimitações, inversões, deslocamentos. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 19, p. 7-24, jul./dez. 1990.

______. Ouverture du colloque. In: CONEIN, B.; COURTINE, J. J.; GADET, F.; MARANDIN, J. M.; PÊCHEUX, M. Matérialités discursives. Lille: Presses Universitaires de Lilles, 1981. p.15-18.

______. (1979). Foi “propaganda” mesmo que você disse? Tradução de Eni Orlandi. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, 2011.p. 73-92.

PFEIFFER, C. Abralin, Gel e Anpoll: espaços de institucionalização da lingüística. In: ALMEIDA, E.; PAROLIN, M. I. (Orgs.). Fronteiras de sentidos e sujeito nacionais. Campinas: RG, 2012. p. 47-58.

______. A linguística nas associações: um recorte discursivo de sua institucionalização. Uma questão de política lingüística. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p.19-33.

SARIAN, M. C. A injunção ao novo e a repetição do velho. 2012. 266 fls. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2012.

SILVA, M. V. da. A escolarização da língua nacional. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p. 141-161.

______. A disciplinarização da lingüística: Ciência e Estado. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIN, 4, 2005, Brasília. Anais... Brasília: Universidade de Brasília. Disponível em: <http://www.ucb.br/textos/2/456/ArtigosEComunicacoes>. Acesso em: 06 mar. 2011.

ZOPPI-FONTANA, M. G. Arquivo jurídico e exterioridade: a construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: GUIMARÃES, E.; BRUM DE PAULA, M. R. (Orgs.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005. p. 93-115.

______. Ordem jurídica, ordem política e a (des)ordem nas ruas. Discurso y Sociedad, Madrid, v. 1, n. 1, 1999, p.105-122.

Downloads

Publicado

2016-10-14

Como Citar

SARIAN, M. C. A constituição de um arquivo: injunções, (de)limitações, efeitos. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 181–202, 2016. DOI: 10.20396/resgate.v24i1.8647095. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8647095. Acesso em: 18 maio. 2022.