Enunciações e corpos que importam

uma leitura de Clarice Lispector

Palavras-chave: Enunciação, Corpo, Clarice Lispector, Análise do discurso, Judith Butler.

Resumo

Este artigo propõe uma leitura de A hora da estrela, de Clarice Lispector, a partir, principalmente, do conceito de enunciação para a análise do discurso, orientada pelas obras de Michel Pêcheux e Eduardo Guimarães. Entendendo a enunciação com base em um sujeito discursivo e não em um empírico que transmitiria uma experiência sua, compreendemos que ela funciona afetada pela ideologia e pela história. Sendo assim, a enunciação, como prática discursiva, não estabelece relação direta com “a realidade”, ainda que funcione como se fosse transparente. Problematizando esta ilusão referencial que afeta o sujeito e a enunciação, analisamos a novela de Lispector para continuarmos pensando o político, que faz funcionar a linguagem – portanto, o simbólico – na narrativa, pensando como o corpo da personagem central, Macabéa, é elaborado pelo enunciador em relação ao espaço urbano e ao imaginário social nos procedimentos de significação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacob dos Santos Biziak, Instituto Federal do Paraná

Mestrado e doutorado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista. Professor do Instituto Federal do Paraná (Colegiado e curso de Letras).

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto?. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015b.

CAZUZA. Poema. São Paulo, Universal Music, 2000. Áudio (04:15 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QyB6xSt52AQ. Acesso em: 29 maio 2019.

GENETTE, Gerard. Discurso da narrativa. Tradução de Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, [197-].

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes, 2002.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela: edição com manuscritos e ensaios inéditos. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

NUNES, Benedito. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Ática, 1989.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Do sujeito na história e no simbólico. Escritos, Campinas, n. 4, p. 17 - 27, maio 1999. Disponível em: https://www.labeurb.unicamp.br/portal/pages/pdf/escritos/Escritos4.pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2005.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 2009.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Os sentidos de uma estátua: espaço, individuação, acontecimento e memória. Entremeios: revista de estudos do discurso, Pouso Alegre, v.1, n.1, p. 1-13, jul. 2010. Disponível em: http://www.entremeios.inf.br/published/1. pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Pontes, 1988.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito da análise automática do discurso. In : GADET, Françoise; HAK, Tony (Org). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.

ZANDWAIS, Ana. Disciplina tópicos em análise do discurso – o funcionamento da noção de formação discursiva em diferentes autores, UFGRS, Porto Alegre, RS, mar./jul. 2013.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Cidade e discurso: paradoxos do real, do imaginário, do virtual. RUA Revista do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade, Campinas, v. 4, n. 1, p.39-54, 1998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8640628. Acesso em: 22 maio 2019.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Identidades (in)formais. Contradição, processos de designação e subjetivação na diferença. Organon, Porto Alegre, v. 17, n. 35, p.245-282, 2003. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/organon/article/view/30027/18623. Acesso em: 22 maio 2019.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. A arte de cair fora. O lugar do terceiro na enunciação. Revista ECOS, v. 2, n., 2, p. 59-69, jul. 2004. Disponível em: http://www.unemat.br/revistas/ecos/docs/v_02/59_Pag_Revista_Ecos_V-02_N-02_A-2004.pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. As imagens do invisível. In: SARGENTINI, Vanice; CURCINO, Luzmara; PIOVEZANI, Carlos (Org.). Discurso, semiologia e história. São Carlos: CLARALUZ, 2011. p. 163-181.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Ponto de vista: o ponto cego das teorias da polifonia (Point of view: the blind spot of the theories of polyphony). Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, v. 13, n. 1, p. 249-283, out. 2015. Disponível em: http://www.estudosdalinguagem.org/index.php/estudosdalinguagem/article/view/456/419. Acesso em: 22 maio 2019.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Biziak, J. dos S. (2019). Enunciações e corpos que importam. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 27(1), 173-190. https://doi.org/10.20396/resgate.v27i1.8654913