https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/issue/feed Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura 2022-12-12T13:11:58+00:00 Heloísa Helena Pimenta Rocha resgate@unicamp.br Open Journal Systems <p><strong>Escopo: </strong><em>Resgate </em>– <em>Revista Interdisciplinar de Cultura</em> é um periódico de publicação contínua, criado em 1990 e editado em formato eletrônico a partir de 2010, que se dedica à divulgação de resultados de pesquisas nas áreas das Ciências Humanas e das Artes. Dentro desse escopo, publica dossiês temáticos, artigos, ensaios, entrevistas e resenhas, que contribuam para aprofundar discussões acadêmicas e que tenham potencial de atingir e sensibilizar o público em geral. A revista é aberta à publicação em línguas portuguesa, espanhola e inglesa, de autores da comunidade acadêmica nacional e internacional.<br><strong>Qualis</strong>: A3<br><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Humanas<br><strong>Ano de fundação</strong>:1990<br><strong>E-ISSN</strong>:2178-3284<br><strong>Título abreviado</strong>:Resgate<br><strong>E-mail</strong>:<a href="mailto:meb@unicamp.br">resgate@unicamp.br</a><br><strong>Unidade</strong>: <a href="http://www.cmu.unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">CMU</a><br><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.20396<br><a title="CC-BY-NC-ND" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons"></a></p> https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668860 A independência do Brasil através dos parlamentares portugueses 2022-12-06T13:23:52+00:00 Alda Mourão alda.mourao@gmail.com <p>Quando o Brasil passou a ser o centro do império português, deslocado da Europa para a América, criaram-se condições para a mudança de regime: Portugal aderiu ao Liberalismo (1820). Os trabalhos parlamentares, iniciados em 1821 e que se prolongaram até 1823, espelhavam os receios do regresso ao passado e tornavam visível a fragilidade ideológica das Cortes, onde as discussões preparavam o regresso do absolutismo e aumentavam a vontade de separação aos brasileiros Após a declaração da indepndência do Brasil, as relações entre os dois territórios tiveram um fórum de discussão privilegiado nas Cortes. A análise da forma como os parlamentares discutiram o novo quadro político que passaria a reger as relações Portugal-Brasil é o tema deste texto.</p> 2022-12-05T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8669025 O que não foi contado após a independência do Brasil 2022-06-29T12:49:42+00:00 Paulo Eduardo Teixeira paulo.teixeira@unesp.br Maísa Faleiros Cunha maisa13@unicamp.br <p>Este artigo é fruto de pesquisa concluída que apontou as possíveis imbricações entre o crescimento populacional e a dinâmica demográfica (natalidade, mortalidade, migração e nupcialidade) verificados em dois municípios da Província de São Paulo, sobretudo após a independência do Brasil em 1822. À luz de processos socioeconômicos mais amplos, à localização geográfica, à disponibilidade de terras e de recursos naturais, analisamos as populações de pessoas livres e escravizadas em Campinas e Franca. As fontes utilizadas foram os registros paroquiais (batismo, óbito e casamento) e censos produzidos em São Paulo. Da análise resultante podemos destacar o papel dos fluxos migratórios no efetivo povoamento e as elevadas taxas de crescimento natural da população no período considerado.</p> 2022-12-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668871 Tributos e administração fazendária 2022-12-12T13:11:55+00:00 Bruna de Jesus Barbosa da Silva brujbarbosa@yahoo.com.br <p>Este artigo apresenta mudanças na forma de arrecadação tributária e no órgão fazendário do ponto de vista provincial, após a Independência do Brasil, concentrando-se entre os anos de 1822 e 1834. Se por um lado há a continuidade dos tributos até então existentes, por outro, temos em algumas províncias modificações importantes em relação ao método de arrecadação, com a adoção da administração das rendas, o que podemos considerar como uma ruptura com o Antigo Regime. Nesse sentido, também analisamos a reforma fazendária promovida pela lei de 4 de outubro de 1831, que, ao extinguir as Juntas da Fazenda e criar as Tesourarias Provinciais, não apenas trouxe uniformidade para os órgãos fazendários provinciais, como também adicionou elementos racionais legais.</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668758 Independentemente 2022-07-14T19:12:03+00:00 Juliana Resende Bonomo jujubonomo@gmail.com <p>O presente artigo tem como objetivo avaliar a atuação das quitandeiras de Minas Gerais no mundo do trabalho, no período de 1804 a 1832, procurando estabelecer relações entre a escravidão, a pobreza, a liberdade e a Independência do Brasil. Para tanto, utilizamos como fonte principal a base de dados <em>Poplin-Minas</em>, compilação dos dados obtidos nas <em>Listas Nominativas de 1831/1832</em>. No contexto das celebrações do Bicentenário da Independência, este trabalho busca contribuir para algumas reflexões propostas pela historiografia revisionista relacionadas a este acontecimento tão importante na História do Brasil, levantando a seguinte questão: Independência de quem e para quem?</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668611 Os sons da Independência do Brasil em Campinas 2022-04-29T22:26:56+00:00 Lenita Waldige Mendes Nogueira lwmn@unicamp.br <p>Ligada à comarca de Itu e longe da intensa produção cafeeira que a caracterizaria posteriormente, vila de São Carlos era como se chamava Campinas até 1842. Sua economia era baseada na cana-de-açúcar, produzida em vários engenhos, denotando algum progresso econômico. Ali, em 1822, houve aclamação à Independência do Brasil e, em uma sessão da Câmara de Vereadores, foi elaborado um juramento assinado por quase uma centena de moradores, entre membros da elite agrícola, militar e eclesiástica e algumas pessoas que não faziam parte destes grupos. Dentre estas, se destacam dois músicos, Manuel Gomes da Graça, que logo deixou a profissão, e Manuel José Gomes, mestre de capela local. Com foco neste último, este artigo busca entender o papel da música nestas comemorações.</p> <div id="blinkextension_snap_links_box_mg_mouse_gestures" style="background-color: rgba(250, 128, 0, 0.07); border: 3px dashed blue; box-sizing: border-box; position: absolute; z-index: 2147483647; display: none; left: 94px; top: 43px;"> </div> <div id="hit_a_link_blinkextension_container_mg_mouse_gestures" style="display: none; position: absolute; left: 0px; top: 0px; width: 0px; height: 0px; z-index: 2147483647; background: rgba(0, 0, 0, 0) none repeat scroll 0% 0%;"> </div> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668876 A 7 de setembro de 1822 e a 2 de julho de 1823 2022-07-16T13:21:41+00:00 Ana Paula Medicci apmedicci@gmail.com <p>O 7 de Setembro de 1822 e o 2 de Julho de 1823, marcos da <em>Independência do Brasil </em>ocorridos em São Paulo e na Bahia, respectivamente, se fazem amplamente presentes não só em obras historiográficas, como também no imaginário popular. Ao longo dos séculos XIX e XX, principalmente entre a década de 1820 e as comemorações do centenário da Independência, documentos produzidos pelo legislativo, discursos de autoridades diversas, obras de cariz historiográfico, imprensa, festas cívicas e monumentos comemorativos moldaram e remoldaram memórias e narrativas acerca dos eventos fundadores do Império e da Nação brasileiros. Propõe-se uma reflexão acerca do movimento de construção desses marcos, constantemente reapropriados e reavaliados pelas comunidades envolvidas nas comemorações cívicas e na rememoração da Independência.</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668835 A bernarda de Francisco Ignacio 2022-07-25T18:28:17+00:00 Renato de Mattos rntmattos@yahoo.com.br Maria Aparecida de Menezes Borrego maborrego@usp.br <p>O artigo propõe a análise da bernarda de Francisco Ignacio, ocorrida em São Paulo entre os meses de maio e setembro de 1822, e de suas implicações no processo de independência do Brasil. A partir do exame das apropriações feitas por estudiosos nos textos oitocentistas, bem como das disputas historiográficas de que foi alvo na passagem para o século XX, no contexto de afirmação da identidade paulista no cenário nacional, discutiremos as formas de representação da bernarda e de seus personagens nas salas expositivas do Museu Paulista, evidenciando os esforços de Afonso d’Escragnolle Taunay para impor o protagonismo de São Paulo e dos paulistas no nascimento do Brasil e na sua independência.</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8669050 A São Paulo do século XIX ilustrada no Museu Paulista, 1922 2022-07-11T12:24:53+00:00 Ana Paula do Nascimento ananas1@usp.br <p>Afonso d'Escragnolle Taunay, durante sua trajetória profissional, em especial ao longo da gestão à frente do Museu Paulista, esteve fortemente relacionado com a imprensa escrita e o mercado editorial. Talvez isso o tenha aproximado de diversos artistas com atuação além de pinturas a óleo então encontradas em museus e coleções particulares. Muitos destes pintores, antes mesmo das encomendas que executaram para o Museu Paulista, já possuíam ampla experiência como ilustradores, retocadores de fotografias e desenhistas documentalistas, tendo produção voltada para público mais alargado. O artigo é dedicado a explorar parcela das encomendas de pinturas realizadas por tais profissionais para três salas do Museu inauguradas em 1922 e como tal escolha destacou outro tipo de pintura de história</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668729 Reflexões sobre os 50 anos de Os inconfidentes (1972), de Joaquim Pedro de Andrade, no Bicentenário da Independência 2022-07-09T15:42:20+00:00 Meire Oliveira Silva meireoliveirasilva79@gmail.com <p>No Sesquicentenário da Independência do Brasil, Joaquim Pedro de Andrade estreia o filme <em>Os inconfidentes </em>(1972). A trama gira em torno da problemática colonial, no século XVIII. Desse modo, os anos 1970, conturbados social e politicamente, encontram-se com 1789 para questionar os reflexos de um país no qual o futuro parece continuamente atrelado a uma formação plena de fissuras e traumas. Entre referências literárias e históricas (SILVA, 2016), o enredo é desenvolvido com o <em>Romanceiro da inconfidência</em> (Cecilia Meireles), poemas árcades, os <em>Autos de Devassa </em>etc<em>. </em>Assim sendo, desmandos setecentistas são justapostos a violências ditatoriais (NAPOLITANO 2014) a partir de contrapontos dialógicos (BAKHTIN, 2011) que, no Bicentenário em 2022, de certa forma, aludem a memórias latentes da história do país.</p> 2022-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8665556 A origem da capoeira na literatura de cordel 2022-12-12T13:11:58+00:00 Paulo César da Silva Gonçalves gsilva.paulo@gmail.com Bruno Otávio de Lacerda Abrahão bolabra@gmail.com <p>Este artigo tem por objetivo analisar o surgimento da capoeira pela literatura de cordel, encontrada em Lugares de Memória de Salvador-BA. Buscamos investigar como os cordéis abordam esse recorte, quais argumentos mobilizam e as disputas que travam por um lugar na memória da capoeira. Entrecruzamos saberes das categorias conceituais da capoeira e lugares de memória, utilizando como fonte a literatura de cordel. Como método, utilizamos a Pesquisa Documental e estudamos 27 cordéis, encontrando quatro que versam sobre o tema. Para análise, utilizamos a Análise de Conteúdo. Nos cordéis produzidos em terras brasileiras, encontramos variantes que propõem diferentes versões sobre seus primórdios, os quais se apresentam como um lugar de disputa da memória sobre a origem da capoeira.</p> 2022-12-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666671 O ethos do caipira no humor de Cornélio Pires 2022-12-05T14:32:39+00:00 Márcio Antonio Gatti maggatti@gmail.com Teresa Mary Pires de Castro Melo teresamelo@ufscar.br <p>Este artigo pretende analisar, sob uma perspectiva interdisciplinar que congrega os estudos da comunicação e os estudos do discurso, textos humorísticos da obra <em>Patacoadas</em>, de Cornélio Pires. A pretensão é analisar os textos como objetos complexos que entrelaçam questões de diversas ordens (composicionais, autorais etc.), tendo como objetivo principal investigar a representação do caipira com base na noção de <em>ethos </em>discursivo (MAINGUENEAU, 2005b; 2008). O artigo apresenta análises iniciais da obra do autor, que poderão ser aprofundadas em outras publicações científicas.</p> 2022-12-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8671607 Bicentenário da independência do Brasil 2022-12-06T14:37:50+00:00 Maria Alice Rosa Ribeiro mariaalicerosaribeiro@gmail.com Milena Fernandes de Oliveira milena.foliveira@gmail.com <p>A tensão entre História e Memória também foi objeto central de preocupação da nossa curadoria e se expressa na organização dos textos que compõem o dossiê que ora trazemos ao público. Desejamos que o leitor encontre no dossiê, Bicentenário da Independência do Brasil: História e Memória, uma oportunidade de reflexão sobre as muitas possibilidades de relação entre passado, presente e futuro na História do Brasil. </p> 2022-12-05T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura