Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate <p><strong>Escopo: </strong><em>Resgate </em>– <em>Revista Interdisciplinar de Cultura</em> é um periódico de publicação contínua, criado em 1990 e editado em formato eletrônico a partir de 2010, que se dedica à divulgação de resultados de pesquisas nas áreas das Ciências Humanas e das Artes. Dentro desse escopo, publica dossiês temáticos, artigos, ensaios, entrevistas e resenhas, que contribuam para aprofundar discussões acadêmicas e que tenham potencial de atingir e sensibilizar o público em geral. A revista é aberta à publicação em línguas portuguesa, espanhola e inglesa, de autores da comunidade acadêmica nacional e internacional.<br><strong>Qualis</strong>: A3<br><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Humanas<br><strong>Ano de fundação</strong>:1990<br><strong>E-ISSN</strong>:2178-3284<br><strong>Título abreviado</strong>:Resgate<br><strong>E-mail</strong>:<a href="mailto:meb@unicamp.br">resgate@unicamp.br</a><br><strong>Unidade</strong>: <a href="http://www.cmu.unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">CMU</a><br><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.20396<br><a title="CC-BY-NC-ND" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons"></a></p> Universidade Estadual de Campinas pt-BR Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura 2178-3284 <p dir="ltr">O periódico <strong>Resgate&nbsp;</strong>utiliza a licença do <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons (CC)</a>, preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.</p> <p>&nbsp;</p> <div>&nbsp;</div> <p><span style="color: #000000; font-family: Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 10px; font-style: normal; font-variant: normal; font-weight: normal; letter-spacing: normal; line-height: normal; orphans: auto; text-align: start; text-indent: 0px; text-transform: none; white-space: normal; widows: 1; word-spacing: 0px; -webkit-text-stroke-width: 0px; display: inline !important; float: none; background-color: #ffffff;">&nbsp;</span></p> Relação de pareceristas https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8669110 Pareceristas Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 29 O ensino secundário e a formação das elites https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666906 <p>A historiografia nacional e internacional da educação tem posto em relevo o caráter elitista do ensino secundário, predominante desde o seu nascimento até a primeira metade do século XX, evidenciado no reduzido número de escolas e de alunos matriculados, nas políticas discricionárias voltadas para esse ramo de ensino e nas finalidades orientadas para a seletividade materializadas no currículo. Como “o todo poderoso império do meio” (FEBVRE, 1939 apud LUC, 2005), o ensino secundário identificou-se como uma estratégia cultural das elites, que visava sua modernização e reprodução.</p> Rosa Fátima de Souza-Chaloba Norberto Dallabrida Copyright (c) 2021 Rosa Fátima de Souza-Chaloba, Norberto Dallabrida https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021002 e021002 10.20396/resgate.v29i00.8666906 Anos 1960 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668796 <p>Os anos 1960 são conhecidos como tempos de convulsão cultural e política. É certo que eles congregaram uma série de movimentos e viram emergir novos personagens e protagonistas na cena social, que o corpo e a juventude chegaram para rivalizar com a sabedoria e a maturidade. Costuma-se dizer que tal década constitui-se em momento de ruptura, o que não deixa de ser verdadeiro, uma vez que ela abriga uma geração que questiona suas antecessoras, tanto pela responsabilidade com a quase destruição do mundo perpetrada pela Segunda Guerra Mundial, como pelo conformismo e a resignação que marcaram os anos 1950, postura de muitos perante a reconstrução da Europa e da Ásia, motivada ainda pelos primeiros momentos do estado de bem-estar social centro-europeu.</p> <p>Por outro lado, a década de sessenta do século passado foi um tempo de respostas eventualmente radicais a problemas que se apresentaram com formas e conteúdos vários, ainda que, com frequência, partidários do mesmo impulso libertário, em diferentes regiões do mundo, ou mesmo no interior de uma mesma nação. Seria falso, portanto, tomá-la como bloco unívoco de acontecimentos, e ainda limitar aquela experiência histórica aos limites da cronologia que aparentemente lhe dá moldura. Se foram muitas as décadas em uma, igualmente as forças e fragilidades que lhe identificam podem ser vistas em anos anteriores, assim como seus ecos percebidos ainda hoje na composição do presente.</p> <p>A Guerra Fria, o embate entre os países alinhados à OTAN e aqueles sob o Pacto de Varsóvia, encontrou nos anos 1960 momentos de grande expressão. Foi quando Cuba reconheceu sua revolução como marxista-leninista e logo viu seu território sofrer tentativas de invasão, mas também ser alocado para a instalação de mísseis nucleares; o Muro de Berlim foi construído; as guerras de descolonização na África e na Ásia foram intensas; a América do Sul e a América Central viram golpes de Estado instituírem governos autoritários e as correspondentes tentativas de derrubá-los.</p> <p>De questão geopolítica, a Guerra do Vietnã, no sudeste asiático, se tornou também um forte embate cultural, que opôs a juventude estadunidense e europeia à intervenção dos Estados Unidos da América naquele país. Tal posição, por sua vez, se ligava à ascensão do corpo como legítimo lugar do desejo, expressão da paz vinculada à sexualidade livre, à igualdade de gênero, à descriminalização da homossexualidade, à alimentação saudável, à defesa do meio-ambiente, ao fim do racismo. É provável que o principal intelectual a dar forma a esse espírito tenha sido Herbert Marcuse, um arauto do encontro crítico entre psicanálise e marxismo e, não por acaso, o principal professor da então estudante, hoje professora titular aposentada, Angela Davis, referência central dos movimentos pela emancipação de afro-americanos de todo o continente.</p> <p>Diz-se com frequência que os anos 1960 foram uma década de rebeldia e reivindicações juvenis, como o que foi até agora escrito acima deixa ver, mas isso acontece também por demarcação imaginária dos discursos sobre 1968, ano conhecido pelo seu mês de maio e as revoltas estudantis na França. A esse contexto corresponde um dos movimentos estéticos mais importantes do cinema e mesmo das artes em geral, a <em>Nouvelle Vague</em>, cujo expoente, Jean-Luc Godard, era simpatizante dos estudantes maoístas e esteve nas ruas durante os combates em Paris. Os jovens, por sua vez, demandavam novas relações com professores e com a instituição universitária, vista como fossilizada e arcaica. Agendavam o fim da arquitetura dos anfiteatros, que impunha um lugar privilegiado para o docente, e do regime de avaliações, que destruía as energias libidinais.</p> <p>O novo cinema não aconteceu apenas na França, mas em outros países, como a Alemanha, com Wim Wenders, Alexander Kluge, <em>Rainer</em> Werner <em>Fassbinder e Werner Herzog, entre outros, e no Brasil, com o Cinema Novo. Realizadores como Glauber Rocha, Leon Hirszman, Joaquim Pedro de Andrade, além de fotógrafos como Dib Luft e Luiz Carlos Barreto, desenvolveram uma estética da fome e uma fotografia à contraluz, priorizando temas políticos e libertários em suas narrativas.</em></p> <p><em>No Brasil, o Cinema Novo não estava sozinho, mas convivia com as propostas underground</em><em> de Rogério Sganzerla e as existencialistas de Walter Hugo Khouri, assim como encontrava contraparte musical na Tropicália, cuja memória mais completa é o livro de Caetano Veloso, </em><em>Verdade Tropical</em><em>. Este movimento estético, liderado pelo músico e por Gilberto Gil, que retoma e atualiza o Modernismo de 1922, teria, no entanto, se enfraquecido, segundo Roberto Schwarz (</em><em>Martinha versus Lucrécia</em><em>), como oposição à ditadura civil-militar que tiranizaria o país durante duas décadas. A contracultura seria nesse registro, não necessariamente crítica política. </em></p> <p><em>O caráter libertário dos anos 1960 encontra seu desiderato também no liberalismo, de forma que herdeiros de Woodstock podem ser vistos nas redações de jornais e na produção de conteúdo publicitário, como também em Wall Street. As contradições só tornam aquela década mais interessante, fazendo com que o conhecimento sobre ela</em>, agora que ela vai longe em 50 anos, seja algo constantemente renovado, já que as narrações, intepretações e ecos da memória e da história vão ganhando novas camadas e perdendo velhas linhas de força.</p> <p>Foram anos de Susan Sontag e José Agripino de Paula, de Marta Minujín e Che Guevara, da redescoberta de Walter Benjamin e do massacre de Tlatelolco, de <em>Daniel Cohn</em>-<em>Bendit </em>e Wilson Simonal, da educação alternativa da <em>Glockseeschule</em> e de Celso Furtado, de Charles Manson e Malcon X, de Mary McCarthy e Clarice Lispector, das ditaduras latino-americanas e de <em>Blow-up</em>.</p> <p>É considerando este quadro amplo e contraditório, precário e intenso, de anos ricos e também idealizados, que o dossiê <em>Anos 1960: cultura e política</em> espera contribuições com diferentes abordagens metodológicas e temáticas, que se dediquem a temas específicos ou procurem perspectivas mais amplas, conceituais ou empíricas, comparadas ou não. Iniciativas que possam trazer olhares renovados sobre o tema serão valorizadas.</p> Alexandre Fernandes Vaz Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021003 e021003 10.20396/resgate.v29i00.8668796 O ensino secundário na Capital da província de Minas Gerais (1830-1840) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663361 <p>Este artigo analisa os debates e disputas que estiveram na gênese da criação do primeiro colégio público de Ensino Secundário da província de Minas Gerais, denominado “Collegio de Nossa Senhora de Assumpção”. Ancorada nos estudos da Nova História Política e da História da Educação, analisamos jornais da época, relatórios provinciais e a legislação educacional. Evidenciam-se disputas de poderes, especialmente, entre o Poder Civil e Poder Eclesiático, no contexto das estratégias governamentais voltadas à organização e institucionalização do campo educativo provincial decorrentes da emenda constitucional de 1834. A modernização da Província e as demandas profissionais para as novas burocracias imperiais definiriam o teor dos debates orientando as críticas ao distanciamento das práticas e dos conteúdos presentes na formação da mocidade mineira.</p> Vera Lúcia Nogueira Copyright (c) 2021 Vera Lúcia Nogueira https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021008 e021008 10.20396/resgate.v29i1.8663361 Modernização, meritocracia e produção de elites https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663404 <p>Este trabalho analisa a construção do modelo meritocrático moderno de produção de elite no caso do Colégio Nacional de Buenos Aires (Argentina) na primeira metade do século XX. Para isso, analisa-se a proposta curricular e institucional do período, as formas de seleção de professores e alunos, alguns elementos da cultura material e as memórias de alguns alunos destacados. Essa proposta meritocrática, que se diferenciava do modelo oligárquico fundador anterior, tornava-se cada vez mais estagnada em sua resposta aos novos processos de democratização social e educacional contemporâneos, fortemente acentuada desde o retorno constitucional em 1984 e a compreensão da escola. o ensino médio como parte do direito à educação.</p> Pablo Pineau Copyright (c) 2021 Pablo Pineau https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021009 e021009 10.20396/resgate.v29i1.8663404 Um esforço para superar a natureza elitista da educação secundária https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663956 <p>O artigo aborda as reformas realizadas durante a Segunda República Espanhola para promover e renovar o ensino secundário, com o fim de superar sua natureza elitista, por meio de uma dupla estratégia. Por um lado, aumentou-se a oferta de postos de ensino e do número de escolas secundárias para facilitar o acesso tanto de estudantes de diferentes estratos sociais quanto de estudantes do sexo feminino. Para examinar este fenômeno, vários dados estatísticos são fornecidos. Por outro lado, disseminaram-se novos métodos de ensino, favorecendo o ensino ativo e experimental dos estudantes do ensino médio, os quais tiveram sua origem no laboratório pedagógico do Instituto-Escola criado pela Junta para a Ampliação dos Estudos e Pesquisas Científicas (JAE) em 1918.</p> Leoncio López-Ocón Copyright (c) 2021 Leoncio López-Ocón https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021010 e021010 10.20396/resgate.v29i1.8663956 Ginásio Auxilium https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663650 <p>O ensino secundário brasileiro foi fortemente marcado por um sistema educacional dualista, em que aos filhos da elite estavam destinados os ensinos secundário e superior, enquanto aos filhos da classe trabalhadora restavam os ensinos primário e técnico profissional. Para as mulheres a situação era pior, pois a educação secundária foi negada a elas durante séculos. Este artigo objetiva analisar a implementação da primeira escola secundária feminina em Anápolis (GO), em 1943, destacando o caráter elitista desse nível educacional. A pesquisa utiliza-se de análise bibliográfica, documental e entrevista. Como resultado, verificou-se que as alunas do Ginásio Auxilium pertenciam a famílias privilegiadas social e economicamente.</p> Roselene Candida Barroso Mendonça Sandra Elaine Aires de Abreu Copyright (c) 2021 Roselene Candida Barroso Mendonça, Sandra Elaine Aires de Abreu https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021011 e021011 10.20396/resgate.v29i1.8663650 Da elitização à popularização https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663585 <p>Discute-se o lugar do Colégio Universitário da Universidade Federal do Maranhão no contexto de expansão educacional em São Luís, analisando-se condicionantes que movimentaram polarizações na sua trajetória: elitização/popularização. Avalia-se em que medida as tensões entre a cultura imposta via Colégio, como instituição de ensino secundário, e uma cultura local/bairro manifesta em práticas singulares, podem ter influenciado no papel, projeção e consolidação do Colun depois de reestruturado como Colégio de Aplicação na periferia são-luisense. Utilizam-se informações garimpadas em jornais locais, leis, arquivo escolar e entrevistas, que foram cruzadas, analisadas e interpretadas à luz dos pressupostos teórico-metodológicos da História Cultural. Conclui-se que o embate entre culturas (escolar e local) contribuíram para disseminar o ensino médio ao popularizar-se seu acesso, permanência e formação.</p> Wilson Raimundo de Oliveira Samuel Luís Velázquez Castellanos Copyright (c) 2021 Wilson Raimundo de Oliveira, Samuel Luís Velázquez Castellanos https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021012 e021012 10.20396/resgate.v29i1.8663585 A caracterização de “elite” em produções acadêmicas sobre o ensino secundário (2004 – 2015) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663625 <p>Este trabalho apresenta parte de uma pesquisa desenvolvida no curso de Doutorado de um Programa de Pós-Graduação em Educação, cujo objetivo foi investigar a implementação do ensino secundário nas cidades de Belo Horizonte – MG e Campo Grande – MS, numa perspectiva histórico-comparada, tomando como fonte e objeto produções acadêmicas produzidas entre 2004 e 2015 em programas de pós-graduação de duas universidades federais destes estados. Para este texto em específico, vamos discutir como estas produções acadêmicas caracterizaram o seu entendimento sobre o conceito de elite. Em linhas gerais, argumentamos que o conceito de elite foi pouco desenvolvido e problematizado, pois partiam de um entendimento a priori, já cristalizado pela historiografia, de que o ensino secundário era destinado a formação da “elite”.</p> Fernando Vendrame Menezes Copyright (c) 2021 Fernando Vendrame Menezes https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021013 e021013 10.20396/resgate.v29i1.8663625 Literatura e realidade social em Quarup (1967) de Antonio Callado https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666054 <p>O artigo discute a importância de <em>Quarup </em>(1967), de Antonio Callado, tomado como romance representativo das contradições presentes na sociedade brasileira na década de 1960, sobretudo a partir do golpe de 1964. Além de situar os traços fundamentais de <em>Quarup</em>, o texto propõe sua articulação com outros romances do autor sobre a ditadura: <em>Bar Don Juan </em>(1971), <em>Reflexos do baile </em>(1976) e <em>Sempreviva </em>(1981). Tal articulação permite compreender o final do romance de 1967 como um sinal de diminuição da expectativa de revolução. Por outro lado, se enfatizarmos exclusivamente o contexto da década de 1960, <em>Quarup </em>pode ser lido como índice da necessária radicalização política diante do horizonte de encurtamento das possibilidades de transformações democráticas.</p> José Carlos Freire Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021025 e021025 10.20396/resgate.v29i00.8666054 Celso Furtado, uma ausência nos discursos de arquitetura moderna (1949-1964) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666282 <p>Em 1960 inaugurava-se Brasília, meta síntese do plano de JK e obra prima da arquitetura moderna brasileira. Comumente críticos e historiadores do campo da arquitetura levam a crer que, primeiro, o grupo de arquitetos reunidos em torno de Lucio Costa e Oscar Niemeyer era a imagem da arquitetura moderna brasileira, achatando embates e confrontos internos ao campo entre arquitetos identificados como modernos, e entre esses e os demais; segundo, que a arquitetura moderna brasileira é intrinsicamente desenvolvimentista. Tendo por objetivo construir uma análise aprofundada das relações entre arquitetura e desenvolvimento, este artigo retoma este conceito partindo da figura de um de seus principais contribuintes no Brasil, Celso Furtado, procurando identificar alguns possíveis pontos de contato entre desenvolvimentismo e modernismo.</p> Flavio Antonio D'Ugo Bragaia Rafael Augusto Urano de Carvalho Frajndlich Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021026 e021026 10.20396/resgate.v29i00.8666282 Teatro da memória https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666045 <p>Este artigo tem por objetivo percorrer as narrativas memorialísticas de Darcy Ribeiro, referentes à sua atuação política e intelectual durante a década de 1960, no Brasil e na América Latina. Pretende-se, por meio desta análise, problematizar alguns dos aspectos constitutivos da experiência histórica vivenciada por Ribeiro neste período. Busca-se, ainda, analisar a forma como estas memórias foram mobilizadas pelo antropólogo na construção de sua obra e de seu lugar de fala como autor.</p> Natiele Oliveira Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021027 e021027 10.20396/resgate.v29i00.8666045 A música popular como crítica da cultura política brasileira na era dos festivais https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8665791 <p>O texto discute a música popular como vetor da transformação das sensibilidades ao longo da década de 1960. Defende que a renovação estética, temática e comportamental ali observada colocava em xeque a cultura política brasileira de forte cariz autoritário. Vale-se de registros audiovisuais dos festivais, documentários que exploram a cultura daquela década e de livros que tratam das trajetórias de artistas que enfrentaram e sofreram as pressões do sistema ditatorial. Entre desbunde e protesto, muitos jovens artistas cantores, compositores e intérpretes abalaram as formas consagradas da arte musical no Brasil, seja pelo vigor de suas letras, pela ousadia de suas composições ou pela força do seu comportamento transgressor, que possibilitaria a crítica à cultura política nacional.</p> Marcus Aurélio Taborda de Oliveira Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021028 e021028 10.20396/resgate.v29i00.8665791 As charges da revista intervalo https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8665838 <p>O surgimento da televisão no Brasil, em 1950, trouxe novos hábitos culturais e de consumo de conteúdos midiáticos para o cotidiano das pessoas. Na década de 1960, esses hábitos começaram a ser consolidados, principalmente em virtude do desenvolvimento da cultura de massa e indústria do entretenimento brasileiro. É nesse período que surgem as primeiras revistas especializadas em TV no Brasil, que apresentavam e comentavam a programação televisiva. O presente trabalho analisa as seções de humor da revista <em>Intervalo</em> (1963-1972), da Editora Abril, uma das mais conhecidas publicações brasileiras das décadas de 1960 e 1970 sobre TV. Tendo como base teórica a perspectiva de Mikhail Bakhtin e aspectos da cultura nos anos 1960 no Brasil, busca-se compreender como, através das charges, o semanário apresentou o mundo da TV aos seus leitores de forma leve e divertida.</p> Rosali Maria Nunes Henriques Talita Souza Magnolo Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021029 e021029 10.20396/resgate.v29i00.8665838 Possibilidades da violência na Florianópolis de Cristovão Tezza (sobre a ditadura civil-militar em seus primeiros romances) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666050 <p>Com base em três romances de Cristovão Tezza que se passam em Florianópolis, o artigo discute um deslocamento da violência externa à sua internalização no sujeito. Para isso, começamos discutindo, pela chave Literatura e Sociedade, sobre o lugar que a ditadura civil-militar ocupa nos primeiros romances do autor e como este processo de violência externa exercido pelos militares (em <em>Ensaio da Paixão</em>) reverbera na repetição traumática por parte do sujeito (em <em>Aventuras Provisórias</em>), resultando, por fim, em uma internalização da violência que passa a se apoiar nas ameaças do passado, por meio da memória (em <em>O Fantasma da Infância</em>). Concluímos com um breve comentário sobre o lugar de Florianópolis na formulação estética do autor, apontando como as obras que relacionam a ditadura de 1964 à cidade constituem um problema estético que segue sendo desenvolvido em sua literatura atual.</p> <p><strong> </strong></p> Natan Schmitz Kremer Alexandre Fernandez Vaz Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021030 e021030 10.20396/resgate.v29i00.8666050 Museu virtual de educação profissional https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8661212 <p>O artigo apresenta o processo de criação do Museu Virtual da Educação Profissional do Centro Paula Souza, envolvendo docentes que atuam em diferentes municípios do estado de São Paulo, com projetos individuais ou coletivos sobre história da educação profissional e tecnológica. Para a formação continuada desses professores, são propostas e organizadas práticas pedagógicas híbridas de ensino-aprendizagem por meio de Clubes de Memórias, que acontecem na capital três vezes ao ano, com o apoio institucional. Durante a formação, são desenvolvidas competências para gestão documental sobre arquivologia, biblioteconomia e museologia, empregando, como categoria de investigação, a cultura escolar, e como metodologia de pesquisa a história oral, buscando salvaguardar e preservar o patrimônio cultural da ciência e tecnologia, bem como o patrimônio histórico-educativo, com professores que, na sua maioria, são curadores em centros de memória institucional.</p> Maria Lucia Mendes de Carvalho Carlos Eduardo Ribeiro Copyright (c) 2021 Maria Lucia Mendes de Carvalho, Carlos Eduardo Ribeiro https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-10 2021-06-10 29 e021004 e021004 10.20396/resgate.v29i1.8661212 Morte higienizada https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8661624 <p>O objetivo do presente artigo é entender de que maneira os escritos de Nelson Rodrigues sobre as transformações da ideia de morte e dos ritos fúnebres na sociedade carioca do século XX dialogam com as discussões empreendidas por teóricos como Edgar Morin, Philippe Ariès e Norbert Elias. Com base em suas memórias e confissões, publicadas nos jornais <em>Correio da Manhã </em>e<em> O Globo</em> nos anos 1960, mais tarde compiladas em livros como <em>A menina sem estrela</em> (1993a), <em>O óbvio ululante</em> (1993b) e <em>A cabra vadia</em> (2007), o trabalho busca compreender a percepção rodriguiana sobre as transformações nas práticas e comportamentos sociais diante da morte no Rio de Janeiro, em que viveu ao longo de décadas.</p> Pedro Jorge Lo Duca Vasconcellos José Jairo Vieira Copyright (c) 2021 Pedro Jorge Lo Duca Vasconcellos, José Jairo Vieira https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-10 2021-06-10 29 e021005 e021005 10.20396/resgate.v29i1.8661624 Variedades de processos de difusão digital colaborativa https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8659966 <p>GLAM-Wikis são iniciativas de difusão digital colaborativa de acervos e de conhecimentos sob a guarda de instituições culturais, por meio dos projetos <em>Wikimedia</em>. Neste artigo, são descritos e analisados os contextos, processos e impactos de três dessas iniciativas realizadas no Brasil, entre 2016 e 2019: as do Museu de Anatomia Veterinária e do Museu Paulista, instituições culturais da Universidade de São Paulo, e a do Arquivo Nacional. Durante esse período, foram quase 35 mil imagens transferidas para o repositório de mídias <em>Wikimedia Commons</em> e centenas de milhares de caracteres adicionados na versão em português da enciclopédia <em>Wikipédia</em>, envolvendo o desenvolvimento contínuo de ferramentas tecnológicas. Por mês, em 2019, esses conteúdos chegaram, em média, a quase 50 milhões de visualizações.</p> João Alexandre Peschanski Copyright (c) 2021 João Alexandre Peschanski https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-10 2021-06-10 29 e021006 e021006 10.20396/resgate.v29i1.8659966 A memória de Bento Cego e as motivações do movimento paranista https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8661561 <p>Bento Cego foi um trovador nascido no litoral do estado do Paraná, cuja vida e produção cultural recortaram a segunda metade do século XIX. Registros históricos datados do início do século XX mostram uma primeira tentativa de registro e enaltecimento de seu trabalho de trovador, circunscrito aos primeiros passos do chamado movimento paranista. Neste trabalho, procuramos revisitar esses registros e apresentar novos elementos sobre a discussão da relação entre Bento Cego e o movimento paranista. A metodologia consistiu na discussão e revisão de registros históricos escritos e revisões bibliográficas interligadas. Destas análises, nota-se a apresentação da figura histórica de Bento Cego comparada ao poeta grego Homero e evidenciam-se as motivações que resultaram na criação do movimento paranista</p> Alexandre Chiarelli Leandro Gumboski Copyright (c) 2021 Alexandre Chiarelli, Leandro Gumboski https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-10 2021-06-10 29 e021007 e021007 10.20396/resgate.v29i1.8661561 Identidade e representações sociais na construção da imagem da cidade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8661426 <p>A pesquisa discute os conceitos de identidade cultural e de representações sociais, bem como as possíveis relações que se podem estabelecer entre os dois conceitos e o processo de construção das imagens da cidade. Para tanto, foram selecionadas 27 publicações das bases de dados Scielo, Google Acadêmico e Portal Periódicos CAPES, todos com avaliações entre A1 e B2, nas áreas de Planejamento Urbano e Regional e Interdisciplinar, no Sistema Integrado Capes <em>WebQualis</em>. Com isso, buscou-se compreender o estado da arte no campo de pesquisa, que relaciona a cidade com os processos de produção identitária e de representações sociais.</p> Elisete de Souza Ramāo Paz Daniel Luciano Gevehr Carlos Fernando Jung Copyright (c) 2021 Elisete de Souza Ramāo Paz, Daniel Luciano Gevehr, Carlos Fernando Jung https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-17 2021-09-17 29 e021014 e021014 10.20396/resgate.v29i1.8661426 Buenos Aires, cidade de professoras https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663363 <p>A cidade de Buenos Aires foi, por volta de 1940, o distrito da Argentina que concentrou o maior número de Escolas Normais femininas e docentes graduadas. Neste artigo vamos analisar o processo de criação das Escolas Normais de Mulheres que ocorreu entre 1874 e 1914 na cidade de Buenos Aires, com foco na Escola Normal nº 1 de Professoras e estudaremos as trajetórias de suas graduadas até a década de 1940. Pretendemos mostrar como esta Escola tem sido apontada por seus contemporâneos como a mais importante do país, reconhecendo que, dentro do sistema público, havia formado a uma relevante elite Professional feminino.</p> Laura Graciela Rodríguez Copyright (c) 2021 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-14 2021-12-14 29 e021015 e021015 10.20396/resgate.v29i00.8663363 As associaçoes estudantis no ensino secundário e a formação da elite sergipana oitocentista https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663658 <p>A proposta central do presente texto é analisar a Sociedade O Porvir e a Sociedade Grêmio Tobias Barreto, associações criadas pelos alunos do ensino secundário do estado de Sergipe, nas décadas finais do século XIX. Para a produção desta investigação histórica, são usados como fontes documentais os jornais estudantis e a produção historiográfica sobre o ensino secundário e o associativismo estudantil. Ao historiar sobre as agremiações estudantis, no cenário da educação secundária sergipana, nos anos de 1800, tornou-se imprescindível o uso do conceito cultura escolar como categoria de análise para, assim, situar a cultura e o protagonismo juvenis como parte da engrenagem do processo de formação da juventude elitizada.</p> Simone Paixão Rodrigues Copyright (c) 2021 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-14 2021-12-14 29 e021016 e021016 10.20396/resgate.v29i00.8663658 A expansão do ensino secundário no Paraná (1942-1961) https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663638 <p>A expansão do ensino secundário no estado do Paraná (entre 1942 e 1961) é o objeto de análise deste escrito.No período em que Moysés Lupion (1947-1951 e 1956-1961) e Bento Munhoz da Rocha Neto (1951-1955) estiveram à frente da administração pública paranaense ocorreram a (re)ocupação do território e a criação de novos municípios, permeado pelo discurso de progresso e modernização. Esta pesquisa de cunho bibliográfico-documental analisa uma diversidade de documentos. Percebe-se o contraste do Paraná em relação às demais unidades federativas, pois em 1955 era o único que superava a quantidade de escolas particulares, oferecendo mais ensino secundário público e o fez em duas frentes de atuação: especialmente, com a criação de cursos ginasiais e a transformação de ginásios municipais em estaduais.</p> Thais Bento Faria Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-22 2021-12-22 29 e021017 e021017 10.20396/resgate.v29i00.8663638 A visão e seu alvo https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666001 <p>Exploramos algumas das principais linhas argumentativas do ensaio de Rey Chow intitulado <em>The age of the world target: atomic bombs, alterity, area studies</em>. Apoiados nele, desenvolvemos pontos relativos à atitude de observação própria do olhar científico, o seu cruzamento com tecnologias do ver, inclusive as presentes na guerra, e o consequente estabelecimento de uma referência sócio-cultural de relação do observador com o seu alvo que, a exemplo do que a autora constata nos estudos de área, pode ser identificado no âmbito dos regimes de atenção que marcam nossa relação com dispositivos de imagem. Com base na referência de Chow a Heidegger, trançamos a análise das discussões da autora a incursões na fenomenologia.</p> Danilo Saretta Verissimo Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-02-14 2022-02-14 29 e021019 e021019 10.20396/resgate.v29i00.8666001 Uma performance afroindiana na garganta do Perú https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8664000 <p>A historiografia americanista reconheceu, porém, não descreveu de maneira específica a atuação dos afro mestiços e indígenas na publicação de bandos e os leiloeiros nas cidades coloniais americanas. Neste estudo se delimitam os traços deste ofício com documentos inéditos de arquivos locais e nacionais da Argentina, desde uma perspectiva comparada, que levará em conta casos de diversas partes do Orbe Indiano com um enfoque de história cultural. Considerando de maneira especial a performance dos pregões realizados nas salas capitulares de Tucumã entre o século XVIII e início do XIX.</p> Enrique Normando Cruz Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-22 2021-12-22 29 e021020 e021020 10.20396/resgate.v29i00.8664000 Transexualidade masculina na educação https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666089 <p>A presente pesquisa debruçou-se sobre a temática da transexualidade masculina e educação, tendo em vista sua invisibilidade, como discutem diversos/as autores/as. Por meio de um estudo bibliográfico, orientado pelas teorias pós-críticas, realizamos um estado da arte com recorte temporal até o ano de 2019. Os resultados mostram a escassa produção sobre a temática: muitas das pesquisas se relacionam ao contexto das travestilidades e transexualidade feminina, não evidenciando as experiências dos sujeitos transmasculinos como protagonistas de suas histórias escolares. Conclui-se que são necessários mais estudos sobre a temática e outras interseccionalidades, além de maiores esforços em pesquisas nas regiões Norte e Nordeste, onde não foram encontradas publicações.</p> Samuel Moreira de Araujo Neil Franco Pereira de Almeida Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021021 e021021 10.20396/resgate.v29i00.8666089 Boemia romantizada, perspectivas silenciadas https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666863 <p>Com base em resultados de pesquisa interdisciplinar, embasada no método da história oral, este artigo propõe ampliar a compreensão acerca do passado de meretrício e de boemia em Diamantina-MG, tendo como marco espacial o Beco do Mota nas décadas de 1950 e 1960. Os resultados das entrevistas com pessoas que tiveram alguma relação com esse lugar apontam para perspectivas que concorrem, em certa medida, com o discurso hegemônico vigente à época, documentado em textos de jornal. A inclusão dessas novas perspectivas cria possibilidades para o questionamento do imaginário coletivo sobre esse espaço urbano, bem como para tensionar narrativas no que concerne aos sujeitos que o tornaram real.</p> Débora Antonieta Silva Barcellos Teodoro Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021022 e021022 10.20396/resgate.v29i00.8666863 A coleção de fotografias de Geraldo Horácio de Paula Souza, Estados Unidos 1919-1920 https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666536 <p>Em 2016 foi realizado o projeto <em>A história da saúde pública pelas fotografias de Geraldo Paula Souza. </em>A pesquisa tinha como objetivo organizar as fotografias que pertenceram a esse professor. Realizadas durante sua estadia nos Estados Unidos, entre 1918 e 1920, as fotografias evidenciam os interesses de Paula Souza como profissional de saúde pública. As temáticas retratadas passam por estações de tratamento de águas e esgotos, habitações, parques e outras cenas do cotidiano urbano. Dessa forma, o artigo tem como proposta entender a produção dessas fotografias, as quais permitem vislumbrar os passos iniciais do fotógrafo, assim como a formação do campo acadêmico da saúde pública.</p> Cristina de Campos Fernanda Peixoto Silva Bruno Henrique Soares Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021023 e021023 10.20396/resgate.v29i00.8666536 As artes como elementos facilitadores da integração sociocultural de migrantes e refugiados https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8665120 <p>Objetiva-se analisar de que maneira as artes podem atuar como elementos integradores do público migrante e refugiado às instâncias socioculturais em seu país de acolhimento. A partir do crescimento do fenômeno migratório no mundo durante as duas últimas décadas, é reconhecida a necessidade de que esses estrangeiros consigam obter uma plena inclusão no novo país. Nesse contexto, compreendendo as artes como uma realidade social, discute-se como elas constituem instrumentos de diálogo em realidades culturais díspares. Além disso, propõe-se que a valorização de uma sociedade plural, pautada pelo multiculturalismo emancipatório, capaz de abarcar e respeitar as diversas dimensões culturais existentes em um mesmo local, possa ser o caminho para o combate à xenofobia aos migrantes.</p> <p> </p> Rayna Sargem da Silva Roberta Alves Guimarães das Neves Vitor Belém Inácio Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-30 2021-12-30 29 e021024 e021024 10.20396/resgate.v29i00.8665120 Por uma política de valorização das Revistas acadêmicas na área de História https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8669109 Fórum de Editores de periódicos da Anpuh-Brasil Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2022-04-27 2022-04-27 29 e021001 e021001 10.20396/resgate.v29i00.8669109 Formação e processo criativo https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8667028 <p>Entrevista com o escritor peruano François Victor Villanueva Paravicino, nascido em Ayacucho (Peru) em 1989. Fez graduação em Letras na Universidade Nacional Mayor de San Marcos (Lima, Peru), instituição onde também cursou o Mestrado em Escrita Criativa. A par da formação académica, dedicou-se à parte criativa, com a publicação dos seus textos <em>Contos do VRAEM</em> (2017), <em>O cativo em branco </em>(2018), <em>Cemitério proibido </em>(2020) e <em>Os mundos inferiores </em>(2021). Nesta ocasião, o narrador oferece sua experiência formativa que o levou a escrever seus textos de criação literária.</p> Jesús Miguel Delgado Del Aguila Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-22 2021-12-22 29 e021018 e021018 10.20396/resgate.v29i00.8667028