Metodologias inovadoras no ensino de Ciências

relato de experiência sobre a criação de um jogo de cartas como abordagem colaborativa

Palavras-chave: Jogo de cartas, Ensino de ciências, Pensamento crítico-reflexivo, Avaliação formativa, Autonomia, Criatividade e cooperação

Resumo

Objetivamos apresentar um relato de experiência sobre um jogo de cartas como alternativa didático-pedagógica para abordar o conteúdo do Sistema Endócrino. Representa uma atividade dinâmica, lúdica, criativa e colaboradora entre seus participantes, além de problematizar a necessária criação de estratégias metodológicas que contribuam e potencializem para uma prática docente na busca da superação da educação bancária, tradicional e cartesiana de ensino. O jogo de cartas originou-se durante uma disciplina de prática no ensino de um curso de Licenciatura em Ciências Biológicas de uma universidade comunitária do sul do Brasil.  Durante o desenvolvimento do jogo de cartas realizaram-se três simulações, sendo que a terceira simulação ocorreu em uma turma de um curso da área da Saúde da referida universidade, na disciplina de Fisiologia. A partir destas três simulações, realizaram-se consequentemente três avaliações e o jogo passou por reformulações. Atualmente apresenta-se como uma proposta de estratégia avaliativa inovadora sobre o sistema endócrino. Propomos, portanto, o jogo de cartas sobre o sistema endócrino como um instrumento alternativo para avaliação formativa desse conteúdo, visando a superação de um processo de ensino-aprendizagem passivo e com avaliação tradicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yalin Brizola Yared, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutora em Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/Mestrado, da Universidade do Sul de Santa Catarina/UNISUL. Líder do Grupo de Pesquisa GPECrit – Educação em Ciências e Pensamento Crítico CNPq/UNISUL. Membro do Grupo de Pesquisa EDUSEX – Formação de Educadores e Educação Sexual CNPq/UDESC.

Rafael Mariano de Bitencourt, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutor em Farmacologia, Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PPGCE / Doutorado e Mestrado, da Universidade do Sul de Santa Catarina/UNISUL. Coordenador do Laboratório de Neurociência Comportamental (LabNeC).

Referências

COSENZA, Ramon Moreira; GUERRA, Leonor Bezerra. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELIZOICOV, D. Problemas e problematizações. In: PIETROCOLA, Maurício. Ensino de Física: Conteúdo, metodologia e epistemologia em uma concepção integradora. 2ª Ed. Ilhéus: Ed. da UESC, 2006.

ENNIS, Robert H. The nature os critical thinking: an outline of critical thinking dispositions and abilites. This is a several-times-revised version of a presentation at the Sixth International Conference on Thinking at MIT, Cambridge, MA, July, 1994. Last revised May, 2011. Disponível em:
http://faculty.education.illinois.edu/rhennis/documents/TheNatureofCriticalThinking_51711_000.pdf Acessado em: 20/06/2016.

FARIAS, Pablo Antonio Maia de; MARTIN, Ana Luiza de Aguiar Rocha; CRISTO, Cinthia Sampaio. Aprendizagem ativa na educação em saúde: percurso histórico e aplicações. In: Revista Brasileira de Educação Médica. 39 (1), 143-158, 2015.

FRANCISCO JR, W. E.; FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R. Experimentação Problematizadora: Fundamentos Teóricos e Práticos para a Aplicação em Salas de Aula de Ciências. Química Nova na Escola, v. 30, n. Novembro, p. 34–41, 2008.

FRANCO, Amanda; VIEIRA, Rui Marques; SAIZ, Carlos. O pensamento crítico: as mudanças necessárias no contexto universitário. In: Revista de Estudios e Investigación em Psicología y Educación. Vol. Extr., No. 07, 2017. DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.07.2233

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 29ª. Ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2017.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, v. 10, n. Novembro, p. 43–49, 1999.

IZQUIERDO, Iván. Memória. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

JATOBÁ, J. D. V. N.; BASTOS, O. Depressão e ansiedade em adolescentes de escolas públicas e privadas. In: Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 56, n. 3, p. 171–179, 2007.

LENT, Roberto. Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de Neurociência. 2ª edição. Atheneu, 2010.

LUNA, Willian Fernandes; BERNARDES, Jefferson de Souza. Tutoria como Estratégia para Aprendizagem Significativa do Estudante de Medicina. In: Revista Brasileira de Educação Médica. 40 (4), 653-662, 2016.

PALMIERI, Marilicia Witzler Antunes Ribeiro. Jogos cooperativos e a promoção da cooperação na educação infantil. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 19, n. 2, p. 243-252, Aug. 2015. Available from . access on 14 Feb. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0192823.

PAUL, Richard; ELDER Linda. Critical Thinking: concepts and tools. The miniature guide to critical thinking concepts and tools. Foudation for Critical Thinking, 2006.

TENREIRO-VIEIRA, Celina; VIEIRA, Rui Marques. Promover o pensamento crítico dos alunos: propostas concretas para a sala de aula. Porto Editora, 2000.

VIEIRA, Rui Marques; TENREIRO-VIEIRA, Celina. Investigação sobre o pensamento crítico na educação: contributos para a didática das Ciências. In: VIEIRA, Rui Marques; TENREIRO-VIEIRA, Celina; SÁ-CHAVES, Idália; MACHADO, Celeste. (Org.) Pensamento Crítico na Educação: perspectivas atuais no panorama internacional. Aveiro: UA Editora, 2014.

VIEIRA, Rui Marques; VIEIRA, Celina. Estratégias de ensino/aprendizagem: o questionamento promotor do pensamento crítico. Coleção: Horizontes pedagógicos, sob a direção de António Oliveira Cruz. Instituto Piaget: Lisboa, 2005.
Publicado
2020-05-23
Como Citar
Peretti, E. de M., Yared, Y. B., & Bitencourt, R. M. de. (2020). Metodologias inovadoras no ensino de Ciências. Revista Internacional De Educação Superior, 7, e021012. https://doi.org/10.20396/riesup.v7i0.8656594
Seção
Relatos de experiências