Impactos da Precarização do Trabalho na Segurança Alimentar e Nutricional: contribuições para o debate sobre saúde e alimentação de trabalhadores terceirizados em Unidades de Alimentação e Nutrição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i2.8652385

Palavras-chave:

Segurança Alimentar e Nutricional. Saúde do Trabalhador. Serviços Terceirizados.

Resumo

No Brasil, a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) ainda é um desafio, sobretudo para grupos populacionais mais vulneráveis, dentre os quais, os trabalhadores com rendimentos até cinco salários mínimos. Mudanças no mundo do trabalho, desde os anos 90, alinhadas à precarização do trabalho, com destaque para jornadas laborais flexíveis e baixos salários, desafiam a promoção da saúde dos trabalhadores, como, por exemplo, assegurar uma alimentação saudável e adequada. Assim, objetivou-se analisar a relação entre processo de trabalho e SAN de trabalhadores terceirizados em uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN). Foi realizado um estudo qualitativo em UAN de uma Instituição Pública Federal de Ensino Superior, onde a observação participante e a entrevista semiestruturada foram empregadas para compreender a tríade trabalho, saúde e alimentação. A organização da produção de refeições na UAN apontou para a intensificação do ritmo de trabalho; para fragmentação do coletivo de trabalhadores; e para prejuízos à saúde dos trabalhadores de ordem física e psíquica. Ficou sinalizado que, na atualidade, no contexto de precarização no mundo do trabalho, as correlações de força desfavoráveis à classe trabalhadora submetem os trabalhadores a uma carga de doenças progressiva e a instabilidade na garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariana Oliveira Tavares, Universidade Federal Fluminense

Nutrição em Alimentação Coletiva - Universidade

Aldo Pacheco Ferreira, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca

Docente do Programa de Pós-graduação em Saúde pública

Maria de Fátima Ramos Moreira, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca

Docente do Programa de Pós-graduação em Saúde pública e meio ambiente.

Referências

UNFPA. Fundo de População das Nações Unidas. População Mundial; 2011. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/novo/index.php/populacao

IFPRI. International Food Policy Research Institute. Welthungerhilfe; Concern Worldwide. Global Hunger Index - The Challenge of hidden hunger. October; 2014. Disponível em: http://www.ipaf.ufv.br/wp-content/uploads/GLOBAL-HUNGER-INDEX-20141.pdf

. BBC. Mais pessoas morrem por obesidade do que de fome no mundo, diz estudo. Atualizado em 14 de dezembro; 2012. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/ultimas_noticias/2012/12/121214_obesidade_rn

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei número 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN. Brasília, 2006.

Burity V, Franceschini T, Valente F. Direito Humano à Alimentação Adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília, DF: ABRANDH; 2010. 204p.

FAO. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil: Um retrato multidimensional. Relatório 2014. Brasília; 2014.

DATASUS. Estatísticas Vitais. Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM. Mortalidade Geral: Brasil, óbitos por residência e categoria IV do CID 10 - Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas no período de 2004 a 2014. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def

Maluf RS, Menezes F, Valente FL. Contribuição ao Tema da Segurança Alimentar no Brasil. Revista Cadernos de Debate. 1996;4:66-88.

Brasil. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: 2016/2019. Brasília, DF: CAISAN, 2016.

________. Portaria Interministerial nº 66, de 25 de agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Brasília; 2006.

DIEESE. Proposta de Reformulação do Programa de Alimentação do Trabalhador. Relatório Final sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). São Paulo: DIEESE; 2013.

ABERC. Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. 2015. Disponível em: http://www.aberc.com.br/

Queiroz PWV&Coelho AB. Alimentação Fora de Casa: uma Análise do Consumo Brasileiro com dados da POF 2008-2009. In: Encontro ANPEC, 2015. Disponível em: https://www.anpec.org.br/encontro/2015/submissao/files_I/i8-e39e76421c7aa8b269860ea9b12822d5.pdf

DIEESE. O Processo de Terceirização e seus efeitos sobre os trabalhadores no Brasil. Sistema de Acompanhamento de Contratações Coletivas – SACC-DIEESE. São Paulo: DIEESE; 2003.

Andreta RL&Campos RS. Base da pirâmide social brasileira? O perfil dos Trabalhadores terceirizados no contexto dos anos 2000. Revista da ABET. 2015;14(2):241-158.

LourençoEAS. Terceirização: a derruição de direitos e a destruição da saúde dos trabalhadores. Serv. Soc. Soc. 2015;123:447-475.

Verginio CJ. Trabalhadores empregados na colheita da cana-de-açúcar: uma análise da condição de Segurança Alimentar [dissertação]. Araraquara: Centro Universitário de Araraquara; 2011, 147p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011, 150p.

AraújoMPN, Costa-Souza J, Trad LAB. A alimentação do trabalhador no Brasil: um resgate da produção científica nacional. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. 2010;17(4):975-992.

Duarte R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cad. Pesquisa. 2002; 115:39-154.

Forte M. O uso de questionários em trabalhos científicos. São Paulo: UNIFESP, 2007. Disponível em: http://telemedicina.unifesp.br.

Colares LGT. Processo de trabalho, saúde e qualidade de vida no trabalho em uma unidade de alimentação e nutrição: uma abordagem qualitativa [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2005. 265p.

Jardim MFB. Análise do Trabalho em uma Unidade de Alimentação e Nutrição do Tipo Autogestão: um estudo de caso [dissertação]. Niterói, Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense; 2005, 134p.

Universidade Federal Fluminense. Manual de Boas Práticas do Restaurante Universitário da UFF; 2016, 32p.

DIEESE/CUT. Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha – dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. Subseção do DIEESE/CUT Nacional, Secretaria de Relações do Trabalho da CUT, Secretaria de Saúde da CUT. São Paulo: Central Única dos Trabalhadores; 2011.

Carvalho LV&Bridi MA. Terceirização e Desigualdade: A Terceirização e seus efeitos sobre os trabalhadores. Revista da ABET. 2015;14(1):99-113.

Druck G. Unrestrained outsourcing in Brazil: more precarization and health risks for workers. Cad. Saúde Pública. 2016;32(6):e00146315.

Alves G. Dimensões da Precarização do Trabalho: Ensaios de sociologia do Trabalho. Bauru: Canal 6; 2013, 240p.

Minayo-Gomez C&Thedim-Costa SMF. A construção do campo da saúde do trabalhador: percurso e dilemas. Cad. Saúde Pública. 1997;13(supl. 2):S21-S32.

Alves G. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2ª edição. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6; 2007, 288p.

Netto JP&Braz M. Economia política: uma introdução crítica. 6ª edição. São Paulo: Cortez; 2010, 258p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_continua/analise04.shtm

Nancistanski N. Divisão sexual do trabalho: a sua constante reprodução. Paper. In: I Ciclo de Debates em Economia Industrial, Trabalho e Tecnologia, PUC-SP; 2003, 12p.

Cartolo CM &Gomes AG. Geração de Renda para Mulheres e Divisão Sexual do Trabalho: Estratégias para o trabalho Feminino e a conquista da autonomia econômica no contexto da reestruturação produtiva. In: IV Congresso Paranaense de Assistentes Sociais. Publicação. Paraná; 2012.

Braga RA Política do Precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo; 2012, 263p.

Castro MR&Maffia LN. Gênero na Cozinha Profissional. In: XXXVI Encontro da ANPAD (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração). Publicação. Rio de Janeiro; 2012.

Colares LGT & Freitas CM. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(12): 3011-3020.

Marx K. Processo de Trabalho e Processo de Valorização. In: Marx K. O Capital: Crítica da Economia Política. Apresentação de Jacob Gorender; Coordenação e Revisão de Paul Singer; Tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. 2ª edição. Vol. I. São Paulo: Nova Cultural, 1985. p. 149-164.

Aguiar OB, Valente JG, Fonseca MJM. Descrição Sociodemográfica, laboral e de saúde dos trabalhadores do setor de serviços de alimentação dos restaurantes populares do estado do Rio de Janeiro. Rev. Nutr. 2010; 23(6): 969-982.

DIEESE. Valor da Cesta Básica aumenta em todas as capitais em 2016: nota à imprensa [Publicado em 4 de janeiro de 2017]. Disponível em: https://www.dieese.org.br/analisecestabasica/2016/201612cestabasica.pdf.

Downloads

Publicado

2018-08-02

Como Citar

1.
Tavares AO, Ferreira AP, Moreira M de FR. Impactos da Precarização do Trabalho na Segurança Alimentar e Nutricional: contribuições para o debate sobre saúde e alimentação de trabalhadores terceirizados em Unidades de Alimentação e Nutrição. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 2º de agosto de 2018 [citado 7º de dezembro de 2021];25(2):12-28. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8652385

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional