Epidemiologia da doença renal policística em pacientes renais crônicos no município de Campinas

Autores

  • Zelia Zilda Lourenço de Camargo Bittencourt Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v1i1.8634836

Palavras-chave:

Insuficiência renal crônica. Doença renal policística. Saúde Pública. Aconselhamento genético. Ações preventivas

Resumo

A carência de dados epidemiológicos da Insuficiência Renal Crônica Terminal (IRCT) no município de Campinas levou a realização deste estudo descritivo, que tomou como recorte a Doença Renal Policística, doença hereditária, passível de interferências preventivas através de detecção precoce e aconselhamento genético. O objetivo deste estudo foi conhecer a prevalência da IRCT e identificar os prováveis diagnósticos da população em tratamento dialítico no município de Campinas. A prevalência da Doença Renal Policística na população em tratamento dialítico permitiu identificar os indivíduos portadores, avaliar suas características epidemiológicas e demográficas e detectar o grau de conhecimento sobre o modo de transmissão da doença. Os resultados sugerem que o baixo nível social e de escolaridade dos pacientes dificultam o acesso à informação e orientação sobre a doença, apontando para a necessidade de ações preventivas de maior impacto na comunidade, utilizando um arsenal de tecnologias leves, com alternativas pedagógicas para os pacientes de baixa escolaridade, para que estes se apropriem de conhecimentos que os tornem mais autônomos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zelia Zilda Lourenço de Camargo Bittencourt, Universidade Estadual de Campinas

Atua na Carreira Docente da Unicamp, no Departamento de Desenvolvimento Humano e Reabilitação, no Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof Dr Gabriel Porto , no Curso de Fonoaudiologia e no Programa de Mestrado Saúde, Interdisicplinaridade e Reabilitação da FCM/ UNICAMP

Referências

AGODOA, L.Y.; EGGERS, P.W. Renal replacement therapy in the United States: data from the United States Renal Data System. American Journal Kidney Disease, Philadelphia, v. 25, n. 1, p. 119-133, 1995. 150

AJZEN, H.; SESSO, R. C. Tratamento dialítico do paciente renal crônico. Revista da Associação Medica Brasileira, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 1-2, 1995.

ARAÚJO, J. D. Polarização epidemiológica no Brasil. Informe Epidemiológico do SUS, MS/CENEPI/FNS, Brasília, ano 1, n. 2, p. 5-16, 1992.

BOLTANSKI, L. As classes sociais e o corpo. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989. 191 p.

BROYER, M.; GAGNADOUX, M. F. Polycystic kidney disease in children. In: CAMERON, S. et al. Oxford Textbook of Clinical Nephrology. Oxford: Oxford University Press, 1992. v. 3, p. 2163-2185.

FALEIROS, V. P. Serviço Social: questões presentes para o futuro. Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, 1996. n. 50, p. 9-39.

FRANZ, K. A.; REUBI, F. C. Rate of functional deterioration in polycystic kidney disease. Kidney International, Cambridge, v. 23, p. 526-529, 1983.

KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LAURENTI, R. Transição demográfica e epidemiológica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA, 1., 1990, Campinas. Anais... Rio de Janeiro: ABRASCO, 1991. p.143-165.

MARCONDES, M. Nefrologia. In: MARCONDES, M.; SUSTOVICH, D. R.; RAMOS, O. L. Clínica médica: propedêutica e fisiopatologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1976. p. 353-434.

MERHY, E. E. Em busca do tempo perdido: micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Org). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: HUCITEC, 1997. p. 71-112.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4. ed. São Paulo: HUCITEC, 1996. p.269.

NETTO, J. P.; FALCÃO, M. C. Cotidiano: conhecimento e crítica. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1989. 93 p.

PIRSON, Y.; GRUNFELD, J. P. Autosomal-Dominant Polycystic Kidney Disease. In: CAMERON, S. et al. Oxford textbook of clinical nephrology. Oxford: Oxford University Press, 1992, v.3, p. 2171-2188.

RAMALHO, A. S. As hemoglobinopatias hereditárias: um problema de Saúde Pública no Brasil. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 1986.

RAMALHO, A. S.; BERTUZZO, C. S.; SILVA, R. B. P. Aconselhamento Genético. Medical Máster Atualização Médica, São Paulo, v. 2, p. 209-213, 1994.

CONGRESSO DE NEFROLOGIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE

NEFROLOGIA, 27.; REGISTRO BRASILEIRO DE DIÁLISE E TRANSPLANTE RENAL, 5., 1994, Fortaleza, Anais... 52 p.

REICHENHEIM, M. E.; WERNECK, G. L.- Adoecer e morrer no Brasil dos anos 80: perspectivas de novas abordagens. In: GUIMARÃES, R.; TAVARES, R. Saúde e Sociedade no Brasil, anos 80. Rio de Janeiro: Relume Dumara, 1994. p.113-129.

SEDMAN, A. et al. Autosomal dominant polycystic kidney disease in childhood: a longitudinal study. Kidney International, Cambridge, v. 31, p. 1000-1005, 1987.

VERAS, R. P.; ALVES, M. I. A população idosa no Brasil: considerações acerca do uso de indicadores de saúde. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Os muitos Brasis: saúde e população na década de 80. São Paulo: HUCITEC, 1995. p. 320-337.

WATSON, M. L. Complications of polycentric kidney disease. Kidney International, Cambridge, v. 51, p. 353-365, 1997.

Downloads

Publicado

2015-05-04

Como Citar

BITTENCOURT, Z. Z. L. de C. Epidemiologia da doença renal policística em pacientes renais crônicos no município de Campinas. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 121–152, 2015. DOI: 10.20396/sss.v1i1.8634836. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634836. Acesso em: 1 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos