Banner Portal
Ensino de geologia introdutória: raízes e desdobramentos da mudança curricular em 1973 na USP
PDF

Palavras-chave

Ensino de geociências. Inovação curricular. Geologia introdutória. Perspectiva histórica.

Como Citar

AMARAL, Ivan Amorosino do. Ensino de geologia introdutória: raízes e desdobramentos da mudança curricular em 1973 na USP. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 161–170, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637311. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637311. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

A mudança curricular no ensino de geologia introdutória no nível superior, levada a efeito no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo na década de 70 passada, teve suas raízes na década anterior e diversos desdobramentos nas décadas subsequentes. Entre as raízes, destacam-se: as reflexões internacionais sobre o status epistemológico da ciência geológica; novas idéias pedagógicas nacionais e internacionais sobre o ensino e a aprendizagem; o projeto curricular norte-americano, conhecido no Brasil como Investigando a Terra, adaptado para o nosso país pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento do Ensino de Ciências, difundido principalmente pelo Centro de Treinamento de Professores de Ciências do Estado de São Paulo e pelas Licenciaturas Curta em Ciências. Entre seus desdobramentos, destacam-se: a criação de uma Comissão Nacional de Ensino no interior da Sociedade Brasileira de Geologia, na década de 70; o Curso de Especialização em Ensino Superior de Geociências, no final da década de 70 e nas duas décadas seguintes; o movimento nacional de mudança curricular da graduação em Geologia, assentado em pesquisas diagnósticas e deliberado em Simpósios Nacionais; a institucionalização de um grupo de pesquisa em ensino de Geociências, no recém-criado Instituto de Geociências da Universidade de Campinas, na década de 80, que se consolidou em um Departamento específico e um mestrado e doutorado na área de ensino; influência marcante em reforma curricular do ensino de Ciências no 1o Grau no estado de São Paulo, na década de 1980.

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637311
PDF

Referências

Albritton Jr. C.C. ed. 1963. The Fabric of Geology. Massachussets: Addison-Wesley Publ. Co. Amaral I.A.do. coord. 1975. Investigando a Terra (ESCP). São Paulo: McGraw Hill do Brasil / FUNBEC, Vol. 1 do Aluno. 435p.

Amaral I.A.do. coord. 1979. Guias metodológicos para a aprendizagem de Geologia Geral. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 157p.

Amaral I.A.do. 1981. O Conteúdo e o enfoque dos livros de geologia introdutória. São Paulo: IG/USP. 259p. (Dissert. Mestr.).

Amaral I.A.do. 1991. Ambiente, educação ambiental e ensino de Ciências. In: Lima M.M.S.de, Kiouranis N.M.M., Gonçalves R.C.E.G., Alencar S.M.A. Ciências na escola de 1o Grau. Textos de apoio à proposta curricular. São Paulo: Secret. de Est. Educação / Coord. Estudos e Normas Pedagógicas. p. 39-62.

Amaral I.A.do. 1995. Em busca da planetização: do ensino de ciências à educação ambiental. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 434p. (Tese Dout.).

Amaral I.A.do, Macedo A.B., Carneiro C.D.R. 1976. Uma busca de renovação no ensino de Geociências. Bol. Paul. Geogr., (52):55-68.

Amaral I.A.do, Manfredi S.M., Negrão O.B.M. 1981. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. Brasília: MEC e Soc. Bras.

Geol. 209 p.

American Geological Institute. AGI. 1970. Environmental geology. Washington: Am. Geol. Inst. 430 p.

Avanzo P.E. 1974. Geociências: uma nova maneira de ver a Terra. In: Geologia, Ciência e Técnica. São Paulo: CEPEGE, (4):17-24.

Bachelard G. 1972. Conhecimento comum e conhecimento científico. Rio de Janeiro: Rev.Tempo Brasileiro. (28):27-46.

Bruner J. 1976. O Processo da educação. São Paulo, Melhoramentos.

Cargo D.N., Mallory B.F. 1977. Man and his geologic environment. Massachusetts: Addison-Wesley. 565p.

Carneiro C.D.R., Negrão O.B.M. 1995. Busqueda incessante. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 3(1):61-62. URL: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/89237/141665. Acesso 18.03.2010.

Carson R. 1962. Primavera silenciosa. São Paulo: Ed. Melhoramentos. 365p.

Deus J.D. org. 1974. A Crítica da ciência. Rio de Janeiro: Zahar.

Dorst J. 1973. Antes que a natureza morra: por uma ecologia política. São Paulo: Edgar Blücher/EDUSP.

Dubos R. 1974. Um animal tão humano. São Paulo, Melhoramentos/EDUSP.

Ehrlich P.R., Ehrlich A.H. 1974. População, recursos e ambiente. São Paulo: Polígono. 509p.

Feyerabend P. 1977. Contra o método. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Fracalanza H. 1993. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de Ciências no Brasil. Campinas, Fac. Educ. Unicamp. (Tese Dout.).

Freire P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1971, 150 p.

Haggis S., Adey P. 1979. A review of integrated science education world-wide. Studies of Science Education, (6):69-89.

Hempel C. 1970. Filosofia da ciência natural. Rio de Janeiro, Zahar.

Herrera A.O. 1974. Los recursos minerales y lós limites Del crecimiento econômico. Buenos Aires, Siglo Veinteuno. 1 82p.

Kuhn T. 1975. Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva. 257p.

Legrand L. 1973. Didática da reforma. Rio de Janeiro, Zahar.

Liebman H. 1976. Terra, um planeta inabitável? São Paulo. Melhoramentos/EDUSP. 180p.

Meadows D.H., Meadows D.L., Randers J. e Beherens, W.W. 1972. Limites do crescimento. São Paulo: Perspectiva. 246 p.

Negrão O.B.M., Fonseca M.A. coords. 1976. Investigando a Terra (ESCP). São Paulo: McGraw Hill do Brasil / FUNBEC, Vol. 2 do Aluno. 240 p.

Negrão O.B.M. org. Especialização em ensino de geociências no 3o. grau. In: Anais do Simpósio. Campinas, AEAG/IG/Unicamp. 1990, 178 p.

Piaget J. 1973. Psicologia e epistemologia. Rio de Janeiro, Forense.

Prat H. 1971. La metamorfosis explosiva de la humanidad. Barcelona, Plaza e Janes. 253p.

Potapova M.S. 2008. Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terrae Didatica, 3(1):86-90. [Trad. de: Potapova M.S 1968. Geology as an historical science of nature. In: Interaction of the science in the study of the Earth. Moscow: Progress, p.117-126]. URL: http://www.ige.unicamp.br/terrae-didatica/v3/v3_a7.html. Acesso 27.02.2014.

Rogers C. 1975. Liberdade para aprender. Belo Horizonte, Interlivros.

São Paulo, Secretaria Estadual da Educação 1988. Proposta curricular para o ensino de ciências e programas de saúde. 1o. Grau. São Paulo: CENP. 58p.

Shantzer Y.V. 1968. Modern Geology and its place among the natural ciences. In: Interaction of sciences in the study of the earth. Moscow, Progress. p. 92-116.

Simpson G.G. 1970. La Ciência histórica. In: Filosofia de la geologia. México: Ed.Continental.

Snyders G. 1974. Pedagogia progressista. Coimbra: Almedina.

Skinner B.F. 1975. Tecnologia do ensino. São Paulo: EPU/EDUSP. 258p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1981a. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil 1. 1981 Belo Horizonte. Teses. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia 2v. 268p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG) 1983. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil. Currículo Mínimo, 2. 1982, Salvador. Documento Final. São Paulo: SBG. 73p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG) 1984. Anais da I Jornada sobre o Ensino do Conteúdo Geológico nos 10 e 20 Graus, 1983. Belém, São Paulo: SBG.61p.

Strahler A.N., Strahler A.H. 1973. Environmental geosciences: interaction between natural system an man. New York: John Wiley & Sons. 511p.

Tank R.W. org. 1973. Focus on environmental geology. New York: Oxford Univ. Press.

Toffler A. 1973. O choque do futuro. Rio de Janeiro, Artenova. 405p. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura UNESCO/Unep. 1985.L’aproche interdisciplinaire en education relative a l’environnement. Paris: Unesco.

Young K. 1975. Geology: the paradox of earth and man. Boston: Houghton Mifflin. 526p.

Ward B., Dubos R. 1973. Uma Terra somente. São Paulo: Edgar Blücher/Melhoramentos/EDUSP. 277p.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.