Ensino de geologia introdutória: raízes e desdobramentos da mudança curricular em 1973 na USP

  • Ivan Amorosino do Amaral Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Ensino de geociências. Inovação curricular. Geologia introdutória. Perspectiva histórica.

Resumo

A mudança curricular no ensino de geologia introdutória no nível superior, levada a efeito no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo na década de 70 passada, teve suas raízes na década anterior e diversos desdobramentos nas décadas subsequentes. Entre as raízes, destacam-se: as reflexões internacionais sobre o status epistemológico da ciência geológica; novas idéias pedagógicas nacionais e internacionais sobre o ensino e a aprendizagem; o projeto curricular norte-americano, conhecido no Brasil como Investigando a Terra, adaptado para o nosso país pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento do Ensino de Ciências, difundido principalmente pelo Centro de Treinamento de Professores de Ciências do Estado de São Paulo e pelas Licenciaturas Curta em Ciências. Entre seus desdobramentos, destacam-se: a criação de uma Comissão Nacional de Ensino no interior da Sociedade Brasileira de Geologia, na década de 70; o Curso de Especialização em Ensino Superior de Geociências, no final da década de 70 e nas duas décadas seguintes; o movimento nacional de mudança curricular da graduação em Geologia, assentado em pesquisas diagnósticas e deliberado em Simpósios Nacionais; a institucionalização de um grupo de pesquisa em ensino de Geociências, no recém-criado Instituto de Geociências da Universidade de Campinas, na década de 80, que se consolidou em um Departamento específico e um mestrado e doutorado na área de ensino; influência marcante em reforma curricular do ensino de Ciências no 1o Grau no estado de São Paulo, na década de 1980.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Amorosino do Amaral, Universidade Estadual de Campinas
Graduação em Geologia pela Universidade de São Paulo (1968), graduação em Licenciatura Em Geologia pela Universidade de São Paulo (1969), mestrado em Geologia Geral e de Aplicação pela Universidade de São Paulo (1982) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Atualmente é Professor Colaborador da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação ambiental, ciências -currículo e metodologia do ensino, ensino de geociências e formação continuada de professores.

Referências

Albritton Jr. C.C. ed. 1963. The Fabric of Geology. Massachussets: Addison-Wesley Publ. Co. Amaral I.A.do. coord. 1975. Investigando a Terra (ESCP). São Paulo: McGraw Hill do Brasil / FUNBEC, Vol. 1 do Aluno. 435p.

Amaral I.A.do. coord. 1979. Guias metodológicos para a aprendizagem de Geologia Geral. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 157p.

Amaral I.A.do. 1981. O Conteúdo e o enfoque dos livros de geologia introdutória. São Paulo: IG/USP. 259p. (Dissert. Mestr.).

Amaral I.A.do. 1991. Ambiente, educação ambiental e ensino de Ciências. In: Lima M.M.S.de, Kiouranis N.M.M., Gonçalves R.C.E.G., Alencar S.M.A. Ciências na escola de 1o Grau. Textos de apoio à proposta curricular. São Paulo: Secret. de Est. Educação / Coord. Estudos e Normas Pedagógicas. p. 39-62.

Amaral I.A.do. 1995. Em busca da planetização: do ensino de ciências à educação ambiental. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 434p. (Tese Dout.).

Amaral I.A.do, Macedo A.B., Carneiro C.D.R. 1976. Uma busca de renovação no ensino de Geociências. Bol. Paul. Geogr., (52):55-68.

Amaral I.A.do, Manfredi S.M., Negrão O.B.M. 1981. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. Brasília: MEC e Soc. Bras.

Geol. 209 p.

American Geological Institute. AGI. 1970. Environmental geology. Washington: Am. Geol. Inst. 430 p.

Avanzo P.E. 1974. Geociências: uma nova maneira de ver a Terra. In: Geologia, Ciência e Técnica. São Paulo: CEPEGE, (4):17-24.

Bachelard G. 1972. Conhecimento comum e conhecimento científico. Rio de Janeiro: Rev.Tempo Brasileiro. (28):27-46.

Bruner J. 1976. O Processo da educação. São Paulo, Melhoramentos.

Cargo D.N., Mallory B.F. 1977. Man and his geologic environment. Massachusetts: Addison-Wesley. 565p.

Carneiro C.D.R., Negrão O.B.M. 1995. Busqueda incessante. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 3(1):61-62. URL: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/89237/141665. Acesso 18.03.2010.

Carson R. 1962. Primavera silenciosa. São Paulo: Ed. Melhoramentos. 365p.

Deus J.D. org. 1974. A Crítica da ciência. Rio de Janeiro: Zahar.

Dorst J. 1973. Antes que a natureza morra: por uma ecologia política. São Paulo: Edgar Blücher/EDUSP.

Dubos R. 1974. Um animal tão humano. São Paulo, Melhoramentos/EDUSP.

Ehrlich P.R., Ehrlich A.H. 1974. População, recursos e ambiente. São Paulo: Polígono. 509p.

Feyerabend P. 1977. Contra o método. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Fracalanza H. 1993. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de Ciências no Brasil. Campinas, Fac. Educ. Unicamp. (Tese Dout.).

Freire P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1971, 150 p.

Haggis S., Adey P. 1979. A review of integrated science education world-wide. Studies of Science Education, (6):69-89.

Hempel C. 1970. Filosofia da ciência natural. Rio de Janeiro, Zahar.

Herrera A.O. 1974. Los recursos minerales y lós limites Del crecimiento econômico. Buenos Aires, Siglo Veinteuno. 1 82p.

Kuhn T. 1975. Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva. 257p.

Legrand L. 1973. Didática da reforma. Rio de Janeiro, Zahar.

Liebman H. 1976. Terra, um planeta inabitável? São Paulo. Melhoramentos/EDUSP. 180p.

Meadows D.H., Meadows D.L., Randers J. e Beherens, W.W. 1972. Limites do crescimento. São Paulo: Perspectiva. 246 p.

Negrão O.B.M., Fonseca M.A. coords. 1976. Investigando a Terra (ESCP). São Paulo: McGraw Hill do Brasil / FUNBEC, Vol. 2 do Aluno. 240 p.

Negrão O.B.M. org. Especialização em ensino de geociências no 3o. grau. In: Anais do Simpósio. Campinas, AEAG/IG/Unicamp. 1990, 178 p.

Piaget J. 1973. Psicologia e epistemologia. Rio de Janeiro, Forense.

Prat H. 1971. La metamorfosis explosiva de la humanidad. Barcelona, Plaza e Janes. 253p.

Potapova M.S. 2008. Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terrae Didatica, 3(1):86-90. [Trad. de: Potapova M.S 1968. Geology as an historical science of nature. In: Interaction of the science in the study of the Earth. Moscow: Progress, p.117-126]. URL: http://www.ige.unicamp.br/terrae-didatica/v3/v3_a7.html. Acesso 27.02.2014.

Rogers C. 1975. Liberdade para aprender. Belo Horizonte, Interlivros.

São Paulo, Secretaria Estadual da Educação 1988. Proposta curricular para o ensino de ciências e programas de saúde. 1o. Grau. São Paulo: CENP. 58p.

Shantzer Y.V. 1968. Modern Geology and its place among the natural ciences. In: Interaction of sciences in the study of the earth. Moscow, Progress. p. 92-116.

Simpson G.G. 1970. La Ciência histórica. In: Filosofia de la geologia. México: Ed.Continental.

Snyders G. 1974. Pedagogia progressista. Coimbra: Almedina.

Skinner B.F. 1975. Tecnologia do ensino. São Paulo: EPU/EDUSP. 258p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1981a. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil 1. 1981 Belo Horizonte. Teses. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia 2v. 268p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG) 1983. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil. Currículo Mínimo, 2. 1982, Salvador. Documento Final. São Paulo: SBG. 73p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG) 1984. Anais da I Jornada sobre o Ensino do Conteúdo Geológico nos 10 e 20 Graus, 1983. Belém, São Paulo: SBG.61p.

Strahler A.N., Strahler A.H. 1973. Environmental geosciences: interaction between natural system an man. New York: John Wiley & Sons. 511p.

Tank R.W. org. 1973. Focus on environmental geology. New York: Oxford Univ. Press.

Toffler A. 1973. O choque do futuro. Rio de Janeiro, Artenova. 405p. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura UNESCO/Unep. 1985.L’aproche interdisciplinaire en education relative a l’environnement. Paris: Unesco.

Young K. 1975. Geology: the paradox of earth and man. Boston: Houghton Mifflin. 526p.

Ward B., Dubos R. 1973. Uma Terra somente. São Paulo: Edgar Blücher/Melhoramentos/EDUSP. 277p.

Publicado
2015-06-23
Como Citar
Amaral, I. A. do. (2015). Ensino de geologia introdutória: raízes e desdobramentos da mudança curricular em 1973 na USP. Terrae Didatica, 10(3), 161-170. https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637311

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)