Banner Portal
Contribuições do ensino de geociências à formação de uma massa crítica de professores e investigadores
PDF

Palavras-chave

Ensino de geociências. Formação de professores. Autonomia.

Como Citar

MARTINS, J. R. S.; CARNEIRO, C. D. R. Contribuições do ensino de geociências à formação de uma massa crítica de professores e investigadores. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 368–377, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637354. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637354. Acesso em: 29 set. 2023.

Resumo

A atual carência de docentes para atender às escolas de educação básica pode ser suprida pela formação docente apoiada em currículos impregnados de conhecimentos, modelos e práticas típicos das Geociências. Ao mesmo tempo em que dificuldades levaram o Estado a perder a condição de gerir muitas escolas, estudantes incapazes de receber informações e construir conceitos tornaram-se social e culturalmente defasados. O professor, elemento-chave do processo, deve capacitar-se para contextualizar conceitos e transmitir conteúdos fundamentais de modo organizado e integrado. Os alunos devem compreender as dificuldades inerentes ao aprendizado e reconhecer que o saber é antes uma construção social em lugar de produto natural e espontâneo de nossa interação com o mundo objetivo. Os argumentos aqui oferecidos salientam as Geociências como alicerces para o desenvolvimento intelectual, porque incorporam ao pensamento sistêmico uma clara noção de perspectiva histórica, que explica a formação do patrimônio natural brasileiro, composto pelo nosso subsolo e suas riquezas.

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637354
PDF

Referências

Bucci M.P.D. 2013. Erro de percurso. Folha S. Paulo. Tendências/Debates, p. 3. 28.07.2013.

Bizzocchi A. 2009. A nova Lei de Diretrizes e Bases da educação e a pós-graduação. Disponível no URL: http://www.aldobizzocchi.com.br/artigo17.asp. Acesso em 25.11.2010.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de

temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560.

Cervato C., Frodeman R. 2012. The significance of geologic time: cultural, educational, and economic frameworks. The Geological Society of America, Special Paper (486):19-27.

Farias R.F. 2005. Para gostar de ler a História da Química. 2 ed. Campinas: Ed. Átomo. 100p.

Houaiss A. 2001. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de janeiro: Ed. Objetiva. 351p.

Kant I. 1964. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Antonio Pinto de Carvalho (trad). Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 141p.

Lévy P. 1993. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos I. Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34. 208 p. (Coleção Trans).

Lopes A.C.L. 1999. Conhecimento escolar, ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: Editora UERJ. 236p.

Maia E.M. 1993. Ciências – 1o. Grau. São Paulo: Sec Estado da Educação. Go . São Paulo. 128p.

Marques L.F. 2010. A Educação em Ciência: do seu enquadramento na sociedade do século XXI, a uma formação de professores de ciências exigente e continuada. Mimeo. 14p.

Martins J.R.S. 2011. A construção do conhecimento químico por meio de metodologia pós-colonialista. In: Pereira, E.M.A.; Celani, G.; Grassi-Kassisse, D.M. (orgs.). Inovações curriculares: experiências no ensino superior. Campinas: FE Unicamp. pp. 121-140.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2012. Plataforma continental jurídica, recursos do pré-sal e ensino de Geociências. Terræ, 9(1-2):61-109.

Martins J.R.S., Gonçalves P.W., Carneiro C.D.R. 2011. O ciclo hidrológico como chave analítica interpretativa ade um material didático em Geologia. Ciência & Educação, 17(2):365-382.

Morgado J.C. 2013. Democratizar a escola através do currículo: em busca de uma nova utopia... Rio de Janeiro, Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 21(80):433-448. URL: www.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a10v21n80.pdf‎. Acesso 19.11.2013.

Morin E. 2001. Ciência com Consciência. 5 ed. Maria D. Alexandre e Maria Alice S. Dória (trad). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 350p.

Morin E. 2003. Os sete saberes necessários à educação do futuro. . ed. Catarina E.F. da Silva e Jeanne Sawaya (trad). São Paulo: Cortez. 118p.

Mortimer, E.F. 1996. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos?. Investigações em Ensino de Ciências, 1(1):20-39.

Oliveira D. L. (org). 1987. Ciências na sala de aula. Porto Alegre: Ed. Meditação. 114p.

Pozo I.P., Crespo M.A.G. 2009. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Naila Freitas (trad.) Porto Alegre: Artmed. 296p.

Ramsden J. M. 1998. Mission impossible? Can anything be done about attitudes to science? Intern. J. Science Education, 20(2):125-137.

Sagan C. 1989. O Romance da Ciência. 4 ed. Carlos Al- 4 ed. Carlos Alberto Medeiros (trad). Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves. 345p.

Scheiderman B. 2006. O Laptop de Leonardo: como o novo Renascimento já está mudando a sua vida. Vera Whately (trad). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 288p.

Schwartzman S., Castro C.M. 2013. Ensino, formação profissional e a questão da mão de obra. Rio de Janeiro, Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 21(80):563-624. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362013000300010&lng=

en&nrm=isowww.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a10v21n80.pdf.

SECTES-MG. 2010. Secretaria do Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais. URL: http://www.tecnologia.mg.gov.br/index.php/programas/projetos-estruturadores/ arranjos-produtivos-locais/polos-de-excelencia. Acesso em 15.11.2010

Silva E.J.F. 2007. Superdotação e altas habilidades nas séries iniciais do ensino fundamental: levantamento de possíveis casos. Fa . Ciências UNESP, 91p. (Trab.

Concl. Curso).

Souza Jr. G.L., Guedes W.C., Mesquita D.S. A malária no Amazonas na primeira década do século XXI: uma análise puramente espacial.aURL: http://www.ime.unicamp.br/sinape/sites/default/files/ Malária.pdf. Acesso 10.07.2011.

Unicamp. Jornal da Unicamp (editorial). Um país com ciência ou apenas um país com cientistas? Caderno Temático 170.aURL: http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/fev2002/ unihoje_te-

ma170pag03.html. Acesso 01.12.2010.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.