[1]
G. B. Rodrigues e G. Fauth, “Isótopos estáveis de carbono e oxigênio em ostracodes do Cretáceo: metodologias, aplicações e desafios”, Terrae Didat., vol. 9, nº 1, p. 34-49, jun. 2015.