A Produção de textos em material didático para o ensino médio

Questões sobre subjetividade e gêneros

Palavras-chave: produção de texto, subjetividade, gêneros

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir os modos de presença da subjetividade/intersubjetividade no discurso sobre a produção textual em Língua Portuguesa em material didático brasileiro direcionado ao Ensino Médio e aprovado no Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) de 2018, relacionando essa presença (ou ausência) com as práticas de escrita de gêneros. Inicialmente, são discutidos estudos das ciências da linguagem, com enfoque nas pesquisas realizadas no Brasil que colocam em evidência a subjetividade e/ou a intersubjetividade na relação com a textualidade. Na sequência, aponta-se a incorporação feita em documentos oficiais do discurso desenvolvido no contexto científico. Em seguida, analisa-se, a partir da perspectiva dos estudos bakhtinianos, propostas de produção escrita da coleção didática selecionada e do Manual do Professor que acompanha cada volume da coleção. Na análise, são consideradas as noções de autoria, indícios de autoria, protagonismo e gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Célia Mendonça, Universidade Estadual Paulista

Professora na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara (SP).

Referências

ALVES, R. H.; MARTIN, V. L. (2016a). Veredas da Palavra. Manual do Professor. São Paulo, Ática, v. 1.

ALVES, R. H.; MARTIN, V. L. (2016b). Veredas da Palavra. Manual do Professor. São Paulo, Ática, v. 2.

ALVES, R. H.; MARTIN, V. L. (2016c). Veredas da Palavra. Manual do Professor. São Paulo, Ática, v. 3.

BAKHTIN, M. (1952-1953). Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN. M. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BAKHTIN, M. (1920-1924). Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de V. Miotello e C. A. Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

ABAURRE, M. B.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (1997). Cenas de Aquisição da Escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas: Mercado de letras.

BRAIT, B. (2000). PCNs, gêneros e ensino de língua: faces discursivas da textualidade. In: ROJO, R. (Org.) A Prática de Linguagem em Sala de Aula - Praticando os PCNs. Campinas: Mercado de Letras.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental. Língua portuguesa. Brasília, Secretaria de Educação Fundamental.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. (2000a). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Parte II. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, Secretaria de Educação Fundamental.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. (2000b). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio+. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, Secretaria de Educação Fundamental.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. (2011). Guia de livros didáticos: PNLD 2012 - Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

BRASIL, Ministério da Educação. (2012). RESOLUÇÃO Nº 2, DE 30 DE JANEIRO 2012.

BRASIL, INEP. (2013). A redação no Enem-2013. Guia do Participante. Brasília.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. (2014). Guia de livros didáticos: PNLD 2015 - Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. (2017). Guia de livros didáticos: PNLD 2018 - Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, s/d.

BRASIL, INEP. (2018). Redação no Enem 2018. Cartilha do participante. Brasília, Diretoria de Avaliação da Educação Básica.

CASSANY, D.; CASTELLÀ, J. M. (2010). Aproximación a la literacidad crítica. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, 353-374.

COSTA VAL, M. G. (1991). Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

DE LEMOS, C. T. G. (1977). Redações no vestibular: algumas estratégias. Cadernos de pesquisa, n. 23, São Paulo, Fundação Carlos Chagas.

DE LEMOS, C. T. G. (1988). Coerção e criatividade na produção do discurso escrito em contexto escolar: algumas reflexões. In: SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Subsídios à proposta curricular de língua portuguesa para o 1o e 2o graus. São Paulo: SE/CENP. 3v.

FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (1991). A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. H. (org.) Questões de linguagem. São Paulo: Contexto.

FOUCAULT, M. (1969). O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais e Edmundo Cordeiro. Veja/Passagens, 1992.

FOUCAULT, M. (1970). A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de A. Sampaio. 7. ed. São Paulo, Loyola, 2001.

GERALDI, J. W. (Org.) (1984). O texto na sala de aula: leitura & produção. 2. ed. Cascavel: ASSOESTE.

GERALDI, J. (1991). Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes.

GERALDI, J. W. (1996). Convívio paradoxal com o ensino da leitura e escrita. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, (31):127-143.

GERALDI, J. W. (2010). A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores.

KATO, M. A. (1985). O aprendizado da leitura. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KLEIMAN, A. (Org.) (1995). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras.

KOMESU, F. C.; GALLI, F. (2016). Práticas de Leitura e escrita em contexto digital: autoria e(m) novos médiuns. Revista da ABRALIN, v.15, n.2, p. 165-185.

MENDONÇA, M. C. (2015). Práticas de escrita e subjetividade. Letras & Letras (Online), v. 31, p. 43-55.

MENDONÇA, M. C. (2016). O discurso sobre autoria na esfera didático-pedagógica: algumas considerações. Revista da ABRALIN, v. 15, p. 265-284.

MENDONÇA, M. C. (2019). A produção textual na esfera escolar: considerações sobre a “escrita como trabalho”. Diálogo das Letras, Pau dos Ferros, v. 8, n. 1, p. 3-15.

MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). (2005). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo, Parábola editorial.

ONG, W. J. (1982). Orality and literacy: the technologizing of the world. London: Methuen.

ORLANDI, E. P. (1988). Discurso e leitura. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp.

PÉCORA, A. B. (1977). Estudo do período: uma proposta pragmática. Cadernos de Pesquisa. Campinas, UNICAMP/IEL, n. 23.

PÉCORA, A. B. (1983). Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes.

POSSENTI, S. (1993). Estilo e aquisição da escrita. In: Estudos Linguísticos, XXII. Anais de Seminários do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL), São Paulo, Jaú.

POSSENTI, S. (2002). Indícios de autoria. Perspectiva, Florianópolis, v.20, n.01, p.105-124.

POSSENTI, S. (2013). Notas sobre a questão da autoria. Matraga, Rio de Janeiro, v.20, n.32.

ROJO, R. (2001). A teoria dos gêneros em Bakhtin: construindo uma perspectiva enunciativa para o ensino de compreensão e produção de textos na escola. In: BRAIT, B. (Org.) Estudos enunciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas: Pontes; São Paulo: Fapesp.

ROJO, R. (2005). Gêneros do discurso e gêneros textuais. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo, Parábola editorial.

SOARES, M. (1985). As muitas facetas da alfabetização. Cadernos de pesquisa. Fundação Carlos Chagas, São Paulo, n. 52, p. 19-24.

SOARES, M. (1995). Língua escrita, sociedade e cultura: relações, dimensões e perspectivas. Revista brasileira de educação, n. 0.

SOARES, M. (2015). Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto.

STREET, B. (1994). Perspectivas interculturais sobre o letramento. Filologia e Linguística Portuguesa, n. 8, p. 465-488, 2006.

STREET, B. (2003). What's "new" in New Literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, Teachers College, Columbia University, Vol. 5 (2).

THE NEW LONDON GROUP. (1996) A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. The Harvard educational review, v. 1, n. 66, p. 60-92. Disponível em http://www.sfu.ca/~decaste/newlondon.htm. Acesso em 30/06/19.

VOLÓCHINOV, V. (1929) Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 1. ed. Tradução, Ensaio Introdutório, Glossário e Notas de S. V. C. Grillo e E. V. Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

VOLOCHÍNOV, V. (1930) A construção da enunciação. In: VOLOCHÍNOV. V. A construção da enunciação e outros ensaios. Organização, tradução e notas: João Wanderley Geraldi. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
Mendonça, M. C. (2019). A Produção de textos em material didático para o ensino médio. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1021-1050. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655854

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)