Um letramento (no) singular

a retomada da agenda revolucionária em tempos de educação ultraliberal

Palavras-chave: Letramento crítico, Neoliberalismo e educação, Violência e linguagem.

Resumo

Este trabalho discute o conceito de letramento crítico no contexto educacional brasileiro recente, que é parte de uma crise política mais ampla, em que emergem uma agenda ultraliberal, a despolitização da educação e a resultante escalada da violência em múltiplas formas, em todos os níveis da vida social. Recorrendo à historiografia do termo ‘letramento’ e a outras expressões que marcaram mudanças epistemológicas na área ao longo do tempo (novos letramentos, multiletramentos, etc.), argumentamos que é apenas através da retomada de uma agenda revolucionária nos estudos de letramento que o letramento crítico pode ser promovido neste estágio avançado do modo de produção capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junia Claudia Santana de Mattos Zaidan, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Linguística (Unicamp).

           

Referências

BENJAMIN, W. (2005). Sobre o conceito de história. Trad. J. M. Gagnebin e M. L. Müller. In: LOWY, M. (org.) Walter Benjamin – aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Trad. Wanda N. C. Brant; Tradução das teses Jeanne M. Gagnebin e Marcos Lutz Müller. São Paulo: Boitempo, 1940.

BOURDIEU, P. (1996). Cultural Reproduction and Social Reproduction. In: BROWN R. (Org). Education and Cultural Change. Londres: Routledge, pp. 63-92.

BUTLER R. N. Ageism: a foreword (1980). Journal of Social Issues. v. 36, n.2, pp. 8-11.

CAMPBELL. F. K. (2009). Contours of Ableism: The Production of Disability and Abledness. Londres: Palgrave Mac Millan.

DELGADO, R.; STEFANCIC, J. (2001). Critical race theory: An introduction. New York : New York University Press.

DUBOC, A. P.. (2012). Atitude Curricular: letramentos críticos nas brechas da formação de professores de inglês. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês. Universidade de São Paulo, São Paulo.

FERREIRA, A. J. (2006). Formação de professores de língua inglesa e o preparo para o exercício do letramento crítico em sala de aula em prol das práticas sociais: um olhar acerca de raça/etnia. Línguas & Letras, v.7, n.12, pp.171-187.

FERREIRA, A. J. (2008). Limites, desafios e possibilidades para aplicação de estratégias anti-racistas e da Lei Federal nº 10.639/2003. In: FERREIRA, Aparecida de Jesus (org). PEAB – Projeto de Estudos Afro-Brasileiros: Contexto, Pesquisas e Relatos de Experiências. Cascavel, Pr: Unioeste, pp. 47-60.

FERREIRA, A. J. (2011). Addressing Race/Ethnicity in Brazilian Schools: A Critical Race Theory Perspective. Seattle, WA, USA: CreateSpace.

FERREIRA, A. J. (2014). Teoria Racial Crítica e Letramento Racial Crítico: Narrativas e Contranarrativas de Identidade Racial de Professores de Línguas. Revista ABPN, v. 6. pp. 236-263.

FREIRE, P. (1967). Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREITAS, L. C. (2014) Os Reformadores Empresariais da Educação e a Disputa pelo Controle do Processo Pedagógico na Escola. Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, nº. 129, pp. 1085-1114, out.-dez., pp. 1085-114.

FURTER, P. Paulo Freire ou o poder da palavra – Apresentação. In: FREIRE, P. (1967). Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GOMES, W. S. (2008) Da discussão à visibilidade. In: GOMES, W.; MAIA, R.C.M.. (Org.). Comunicação e Democracia: Problemas & Perspectivas. São Paulo: Paulus, v. 1, pp. 117-162.

HABERMAS, J. (2008). Comunicação política na sociedade mediática: o impacto da teoria normativa na pesquisa empírica. Líbero, São Paulo, ano XI, n. 21, pp. 9-20.

HUME, D. (1888). A Treatise of Human Nature. L.A. Selby-Bigge, ed. Oxford.

LUKE, A. (2009). Race and Language as Capital in School: A Sociological template form language-education reform. In: Kubota. R.; Lin A. (Org.). Race, culture and identities in second language education: exploring critically engaged practice. London: Routledge, pp.286-308.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. (2011). Para um redefinição de letramento crítico: conflito e produção de significação. In: Maciel, R.F & Araújo, V.A.. (Org.). Formação de Professores de Línguas: ampliando perspectivas. Jundiai: Paço Editorial, v. 1, pp. 128-140.

MOITA LOPES, L. P. (2002). Identidades Fragmentadas: A construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: SP: Mercado de Letras.

MOORE, G. E. (1903). Principia Ethica. Cambridge: Cambridge University Press.

MONTE MÓR, W. M. (2011) Multimodalidades e comunicação: antigas novas questões no ensino de línguas estrangeiras. Letras & Letras, [S.l.], v. 26, n. 2, mar. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/25637 . Acesso em: 28 jan. 2019.

PENNYCOOK, A. (2001). Critical applied linguistics: a critical introduction. Londres: Routledge.

PRICE, J. M. (2004). Critical Race Theory’s Dream Narratives – A Method for an AntiRacist Social Science? In: Studies in Law, Politics, and Society 32. Edited by Austin Sarat and Patricia Ewick. London: Elsevier Publishers. pp. 39-77.

RAJAGOPALAN, K. (1996). On the ideological underpinnings of the theory of speech acts. Revista de Estudos da Linguagem, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 105-132. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/1040. Acesso em: 28 jan. 2019.

SAVIANI, D. (1999). Escola e Democracia – polêmicas do nosso tempo. Campinas, São Paulo: Autores Associados.

SANTOS, M. S. (2013). A construção de identidades no livro didático de língua estrangeira: uma perspectiva crítica. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada. Universidade de Brasília, Brasília.

SHEAR, M. D. e HABERMAN, M. (2017) Trump Defends Initial Remarks on Charlottesville; Again Blames ‘Both Sides”. The New York Times. Nova Iorque, 15 de Agosto. Politics. Disponível em: https://www.nytimes.com/2017/08/15/us/politics/trump-pressconference-charlottesville.html?mcubz=1. Acesso em: 28 jan. 2019.

SILVA SANTOS, (2011). Raça/Etnia, Cultura, Identidade e o Professor na aplicação da Lei n° 10639/03 em aulas de língua inglesa: como? Dissertação de Mestrado em Letras. Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens. Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Salvador. Disponível em: http://www.ppgel.uneb.br/wp/wp-content/uploads/2011/09/santos_joelma.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

SOARES, Magda. (2002). Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. In: Educação e. Sociedade. Campinas, v.23, n.81, p.143-160, Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13935.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

SÜSSEKIND, M. L. (2014) As (Im)Possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1512-1529 out./dez. 2014 Programa de Pósgraduação Educação: Currículo – PUC/SP. pp. 1512-29.

WILLIAMS, P. (1989). Response to Mari Matsuda, Women’s Rights. Law Reporter, Vol 11, n.1, 14. Rutgers – The State University, pp. 11-4.

WILLIAMS, P. (1991). The Alchemy of Race and Rights. Harvard University Press: Cambridge, Massachusetts.

WINDLE, J. A. (2014). Digital Literacy, Cosmopolitism and the Subaltern. In: Polifonia, Cuiabá, MT, v. 21, n. 29, pp. 198-214.

ZAIDAN, Junia. C. S. M. (2013) Por um Inglês Menor: a desterritorialização da grande língua. Tese de doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

ZAIDAN, Junia C. S. Mattos e JUSTINIANO, Ana Carolina. (2017) Tradução como Vetor para uma Pedagogia Menor no Ensino de Línguas Estrangeiras: cotidianos em uma escola pública. PERcursos Linguísticos. V7, n. 14, pp. 314-31.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
Zaidan, J. C. S. de M. (2019). Um letramento (no) singular. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1310-1330. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658101