Robert Chester Smith e os estudos das cidades coloniais

Palavras-chave: Robert Chester Smith. Arquitetura colonial. Campo de estudos. Estados Unidos. Portugal. Brasil.

Resumo

O que agrupou todas as temáticas pesquisadas pelo historiador Robert Chester Smith foi o estudo das cidades, ou seja, todas as manifestações artísticas estudadas por ele foram eminentemente urbanas. Smith tratou dos aspectos estéticos e artísticos percebidos nas igrejas, ruas, casas, pinturas e esculturas do período colonial. Um cenário urbano entendido como local de embate, disputas, discussão e construção de parâmetros estéticos, patrimoniais e artísticos e um campo de pesquisas em formação. Smith se inseriu no campo intelectual brasileiro em 1937, ano de sua primeira viagem ao Brasil. Entretanto, desde o início da sua formação buscou integrar e fortalecer o campo de estudos sobre arte e arquitetura colonial, especificamente luso-brasileira. Portanto, o artigo trata da formação do campo de estudos sobre arte e arquitetura colonial a partir da trajetória intelectual de Robert Chester Smith.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Fernandes Melo, Universidade Federal de Santa Cataria
Doutoranda em História com ênfase em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina e acadêmica do curso de Museologia pela mesma instituição. Atualmente é professora colaboradora no CEAD/UDESC onde ministra as disciplinas de Conteúdos e Metodologias do Ensino de História e Educação e Multicultualidade.

Referências

ALVES, Joaquim Jaime. O Porto na obra de Robert Smith. In Robert Chester Smith (1912-1975): A investigação na História da Arte. 1ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

ANDRADE, Mário.A Capela de Santo Antônio in Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 1937, pp.100-125.

CAMPBEL, Malcolm. Robert Chester Smith e a Universidade da Pensilvânia.In Robert Chester Smith (1912-1975): A investigação na História da Arte. 1ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.pp.134-146.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o Barroco. Tradução Luiz B.L. Orlandi. São Paulo: Papirus, 1991.

JÚNIOR, Guilherme Simões Gomes. Palavra Peregrina: O barroco e o pensamento sobre as artes e letras no Brasil. São Paulo: EDUSP, 1998.

MEYER, Marlyse. O Eterno Retorno: As descobertas do Brasil. In Caminhos do imaginario no Brasil. São Paulo: EDUSP, 1993.

MILHEIRO, ANA VAZ. Jornal Cultura, Jornal Cultura. Sexta-Feira, 24 de dezembro de 1990.

NOGUEIRA, Antônio Gilberto Ramos. Por um inventário dos sentidos: Mário de Andrade e a concepção de patrimônio e inventário. São Paulo: Fapesp, 2005.

OLIVEIRA, Aurélio. Robert Smith: o cantor dos poetas do granito e do castanho dourado de Tibães. In: Robert C. Smith: a investigação na história de arte. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2000, pp. 208-233.

RAMA, Ángel. A Cidade das Letras. São Paulo: Boitempo, 2015.

SANTOS, Reynaldo. Oito Séculos de arte portuguesa: História e espírito. 2 vls. Lisbon, 1966.

SEVERO, Ricardo.“A Arte Tradicional no Brasil”. [Originalmente publicado em Revista do Brasil, São Paulo, ano II, vol. 4, jan.-abr. 1917, p.394-424. Texto com grafia atualizada]. Rio de Janeiro, v. VII, n. 1, jan./mar. 2012. Disponível em: <http://www.dezenovevinte.net/txt_artistas/rsevero_atb.htm>.Acesso em 20/11/2017.

SERRÃO, Vítor. Entre Robert Chester Smith e Flávio Gonçalves, um percurso pelo barroco luso-brasileiro. In Robert Chester Smith (1912-1975): A investigação na História da Arte. 1ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.pp.288-300.

SMITH, Robert. Minas Gerais no desenvolvimento da arquitetura religiosa colonial. Boletim do Centro de Estudos Históricos, tomo 2, fasc.3. Rio de Janeiro, 1937,pp.03-19.

WOHL, Hellmut. Robert Chester Smith e a História da Arte nos Estados Unidos.In Robert C. Smith (1912-1975): A investigação na História da Arte. 1 a. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 200,pp.16-30.

WOOD, Russel. Robert Chester Smith: investigador e historiador.In Robert C. Smith (1912-1975): A investigação na História da Arte. 1 a. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 200,pp.30-66.

Publicado
2018-07-14
Como Citar
Melo, S. F. (2018). Robert Chester Smith e os estudos das cidades coloniais. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 10(1), 208-231. https://doi.org/10.20396/urbana.v10i1.8651043