URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana <p><strong>Escopo</strong>: <em>URBANA</em><span class="apple-converted-space"> </span>é a revista eletrônica do<span class="apple-converted-space"> </span>CIEC<span class="apple-converted-space"> </span>(Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade) do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, e dedica-se à publicação de artigos baseados em pesquisas originais, de resenhas e de traduções, sempre dentro da temática ampla da história urbana. Urbana recebe artigos nos idiomas: português e espanhol. Urbana recebe contribuições destinadas ao público acadêmico, voltadas ao estudo de temas relativos à produção do universo urbano na sociedade moderna (tais como: história da cidade e do urbanismo, políticas públicas, intervenções urbanas, políticas de preservação e patrimônio, avaliações críticas e reflexões sobre a cidade, cultura e linguagens urbanas, espaço político/público, saberes eruditos e especializados sobre a cidade, tensões sociais e cidadania). <br /><strong>Qualis</strong>:B3 <br /><strong>Área do conhecimento</strong>: Ciências Humanas<br /><strong>Ano de fundação</strong>:2006<br /><strong>E-ISSN</strong>:1982-0569<br /><strong>Título abreviado</strong>: Urbana: Rev. Eletrônica Cent. Interdiscip. Estud. Cid.<br /><strong>E-mail</strong>: <a href="https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/management/settings/context/mailto:urbana.ciec@gmail.com">urbana.ciec@gmail.com</a><br /><strong>Unidade</strong>: <a href="http://www.ifch.unicamp.br" target="_blank" rel="noopener">IFCH</a><br /><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.20396<br /><a title="CC-BY-NC-ND" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p> Universidade Estadual de Campinas pt-BR URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade 1982-0569 <div style="text-align: justify;"> <p>A&nbsp;<strong>URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade</strong>&nbsp;utiliza a licença do&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons (CC)</a>, preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.</p> </div> O Zoneamento morfológico-funcional de Januária – Minas Gerais https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661379 <p>Este artigo se situa no campo da pesquisa urbana ao analisar a morfologia-funcional do espaço intraurbano de Januária/MG, baseando-se na aplicação do modelo de zoneamento morfológico-funcional para cidades médias mineiras, desenvolvido por Amorim Filho (2007). A estrutura metodológica se baseou em pesquisa bibliográfica e documental, imersão de campo, construção do cartograma morfológico-funcional do espaço urbano de Januária e registro iconográfico. As análises teóricas e empíricas realizadas demonstram que a organização espacial de Januária se formou em função da proximidade com o Rio São Francisco, onde a expansão da mancha urbana foi impulsionada pelo crescimento populacional, por políticas públicas e equipamentos urbanos, após a década de 1980.&nbsp; A representação morfológico-funcional do núcleo urbano possibilitou reconhecer Januária como uma cidade média “no limiar”, na qual o espaço intraurbano se configura como resultado de processos espaciais geográficos singulares e gerais.</p> Lara Fernanda Nunes Dourado Iara Soares de França Copyright (c) 2020 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-12-03 2020-12-03 12 e020004 e020004 10.20396/urbana.v12i0.8661379 A Gentrificação parcial de Poblenou, Barcelona: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8660199 <p>Barcelona vem investindo na replicação do seu “Modelo Barcelona” de operação urbana desde o projeto para as Olimpíadas de 1992, sendo Poblenou uma das áreas estratégicas com muitas intervenções urbanas e processos de gentrificação. Diante das transformações constantes, este artigo busca avançar em novos conhecimenots sobre os impactos mais recentes da gentrificação em Poblenou. Trata-se de uma pesquisa exporatória sobre a evolução do estoque imobiliário, valorização da moradia, perfil populacional e fotografia atual da gentrificação. Apesar da complexidade que este tema envolve, esta análise de Poblenou contribui para trazer maior clareza sobre os impactos negativos destas operações. Assim, é possível observar a evolução desse processo de gentrificação que se encontra consolidado em certas áreas e, em outras, em estágio parcial.</p> Tarciso Binoti Simas Sônia Le Cocq Oliveira Ana Belén Cano Hila Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-04-26 2021-04-26 12 e0200014 e0200014 10.20396/urbana.v12i0.8660199 A Evolução da forma urbana na Cidade de Goiás: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8659940 <p>O conjunto urbanístico do centro da cidade de Goiás (Vila Boa) tem sua história iniciada no séc. XVIII com a fundação do arraial, depois Vila e Cidade, e veio a se consolidar como Patrimônio Mundial em 2006, e até hoje é objeto de interesse da sociedade e dos pesquisadores. Através de pesquisa bibliográfica este estudo de caso descritivo aborda as principais características do urbanismo português no Brasil colônia que se manifestaram em Goiás. Trata da evolução urbana do centro cidade e das principais etapas da sua consolidação, com suas características mais relevantes, as influências e intenções arquitetônicas/urbanísticas e a espacialização no território, com algumas das limitações e imposições da realidade. As conclusões apontam que o centro da cidade retrata os períodos históricos de sua vida, e que foi conformado, grosso modo, em três fases: bandeirante, capital e uma de influência pombalina. Também se concluiu que algumas das intenções arquitetônicas/urbanísticas têm sutilmente se perdido no tempo, como por exemplo, no excesso de árvores em locais notáveis, que encobrem as visadas intencionadas nas ocupações originais, a despeito da zelosa preservação.</p> Neilor de Carvalho Paes Érica de Sousa Checcucci Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-24 2021-03-24 12 e020011 e020011 10.20396/urbana.v12i0.8659940 Industrialização, urbanização e eletrificação de São Paulo: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8664317 <p>A industrialização e a urbanização da cidade de São Paulo são processos síncronos à expansão da cafeicultura e do desenvolvimento do capitalismo no Estado de São Paulo. O papel da eletricidade neste contexto, no entanto, carece de maior compreensão. O presente artigo teve como objetivo analisar por meio da revisão bibliográfica, o processo de eletrificação da cidade de São Paulo de forma a analisar de que forma ela foi impulsionada pela industrialização e urbanização do município, bem como analisar em que medida a mesma impulsionou estes processos. O artigo demonstra que, para além de ser um desdobramento dos melhoramentos na cidade, a eletricidade teve um papel fundamental na consolidação do seu processo de industrialização de São Paulo, bem como na construção de um novo uso da cidade.</p> Raiana Schirmer Soares Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-28 2021-09-28 12 10.20396/urbana.v12i0.8664317 O caso “leia hilda” https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661481 <p lang="pt-PT" align="LEFT"><span style="color: #0000cc;"><span style="font-family: Open Sans, sans-serif;"><span style="font-size: small;"><strong>Resumo</strong></span></span></span></p> <p lang="pt-BR" align="JUSTIFY"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Open Sans, sans-serif;"><span style="font-size: small;">Este texto se debruça sobre o caso das inscrições “leia hilda”, que surgiram pixadas em muros da cidade de São Paulo no primeiro semestre de 2018. A intervenção urbana obteve repercussão, sobretudo por meio da apropriação feita pela editora Companhia das Letras em sua campanha de divulgação da Flip - Festa Literária Internacional de Paraty, que, em 2018, teve Hilda Hilst como autora homenageada. A partir de outros casos de tentativa de apropriação de trabalhos artísticos por parte de empresas, reflete-se sobre eixos que tangem arte urbana, autoria, mercado da arte e capitalismo.</span></span></span></p> Marianna Perna Felipe Marcondes da Costa Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-24 2021-03-24 12 e020013 e020013 10.20396/urbana.v12i0.8661481 Queda Tendencial da Taxa de Uso e Produção Alienada do Urbano https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661346 <p>Com o propósito de contribuir para análise da tendência à queda da taxa de uso das mercadorias e do trabalho sob a produção regida pelo capital, buscamos neste trabalho articular os ciclos de construção e reconstrução das cidades e do espaço urbano a partir do mundo contemporâneo que permitem verificar a tendência econômica do capital da sobreposição, em última instância, do valor de troca ao valor de uso. Essa tendência econômica condiz com processos desiguais de desenvolvimento dos complexos da reprodução social envolvendo a historicidade, sem ser uma condição predeterminada. Procuraremos os efeitos da produção contemporânea das cidades e os seus diferentes aspectos, bem como a validade histórica da tendência a queda da taxa de uso como contradição viva que se desloca para diferentes campos da reprodução humana sendo um limite ao pleno desenvolvimento de suas capacidades.</p> Felipe Saluti Cardoso Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-23 2021-03-23 12 10.20396/urbana.v12i0.8661346 Por dentro do panamericanismo e do interamericanismo: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8660514 <p>Muito já se escreveu sobre os projetos político-culturais identitários, com interpretações realizadas com as mais diversas fontes documentais e pressupostos metodológicos particularmente no campo da história intelectual e dos intelectuais, das ideias, história política, história social e cultural. Neste trabalho o interesse maior é problematizar o lugar dos saberes sobre a cidade, especialmente o saber urbanístico, no debate sobre o panamericanismo e o latinoamericanismo. Elaborar perguntas para pensar de que forma a cidade latinoamericana e os problemas urbanos vigentes entre os séculos XIX e XX presentes no debate profissional de Arquitetos, Urbanistas e Planejadores estariam também inseridos nas discussões identitária sobre panamericanismo e latinoamericanismo, principalmente a partir das ideias e proposições que ocorreram em instituições criadas no âmbito panamericanista entre as décadas de 1930 e 1950.</p> <p>&nbsp;</p> Rodrigo de Faria Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-02 2021-02-02 12 1 32 10.20396/urbana.v12i0.8660514 O Estado e o planejamento regional no Brasil: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8660027 <p>O artigo tem como objetivo geral de investigação o campo do planejamento regional no Brasil no contexto da década de 1950, especialmente no governo JK. Nesse sentido, Brasília e SUDENE são entendidas como parte de um programa de desenvolvimento com forte atuação do Estado sobre o território. A análise parte de uma estruturação conceitual-metodológica que organizou o planejamento regional em três perspectivas analíticas: o planejamento regional como instrumento de conciliação política, o planejamento regional como facilitador do desenvolvimentismo associado, a institucionalização do planejamento regional. Como resultado, buscou-se entender de que forma essas três perspectivas se coadunaram dentro das duas principais frentes de ação regional, e como contribuíram para alavancar o progresso industrial: a própria criação da SUDENE e a decisão política de se transferir a capital nacional para Brasília.</p> Izadora Laner Rodrigo de Faria Carolina Pescatori Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-23 2021-03-23 12 10.20396/urbana.v12i0.8660027 Educação, tecnologia e trabalho https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8659348 <p>O presente artigo tem por objetivo expor a formação e composição do capital humano do municipio de Feira de Santana e como os mesmos influenciam na dinâmica do referido municipio.Para tanto,esta pesquisa se apropriará das informações referentes ao último censo do IBGE e de dados disponíveis do Ministério da Educação, de modo a tentar compreender se no município de Feira de Santana há números pujantes na educação superior e as perspectivas futuras em relação a cidade.</p> Gesner Brehmer José Raimundo Oliveira Lima Hélio Ponce Cunha Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-15 2021-11-15 12 10.20396/urbana.v12i0.8659348 Alternativa de mobilidade urbana em Palmas-TO https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8658550 <p>O objetivo do artigo foi investigar a percepção dos indivíduos com relação ao uso da bicicleta como meio de transporte no município de Palmas, capital do estado do Tocantins. O estudo utilizou uma pesquisa de atitude com alguns fatores relacionados a escolha da bicicleta como meio de transporte. A aplicação dos questionários ocorreu entre 29 e 31 de setembro de 2017 em três pontos distintos da cidade: Plano Diretor, Taquaralto e Aurenys, foram aplicados 400 questionários. Os principais resultados apontaram que as pessoas utilizam a bicicleta como meio de transporte; que o seu uso faz bem para a saúde e que é um transporte barato. O sexo masculino tem maior aceitabilidade quanto ao uso. Os entrevistados reclamam da falta de infraestrutura e segurança para a utilização da bicicleta.</p> Erisvaldo Alves Benvindo Queiroz Nilton Oliveira João Bazzoli Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-02-02 2021-02-02 12 10.20396/urbana.v12i0.8658550 “Colonianos”, “caravanistas”, “excursionistas” e “passeantes” https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8663372 <p>Este artigo advém de uma pesquisa de doutorado sobre a história do lazer turístico no Serviço Social do Comércio de São Paulo (Sesc-SP). A investigação contou com a análise documental, a partir de fontes arquivadas na Sede administrativa e no Sesc-Memórias, ambos do Sesc-SP. Além disso, utilizando-se do método da História Oral, foram realizadas dezenove entrevistas com profissionais de diferentes cargos, funções e posições, que trabalharam na instituição desde a década de 1970 até o início do século XXI. Também foi efetivada uma densa revisão bibliográfica a respeito da própria entidade, da conjuntura sociopolítica que engloba a sua trajetória e da institucionalização do lazer na história do Brasil. Os resultados demonstraram como foi sendo construído o ideário em torno do lazer turístico no Sesc-SP, descrevendo o percurso ideológico e organizacional por qual passara o departamento regional neste setor.</p> Bernardo Cheibub Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-27 2021-05-27 12 e020016 e020016 10.20396/urbana.v12i0.8663372 As cidades da ditadura militar brasileira: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8646240 <p>O presente ensaio pretende analisar as permanências e continuidades, os conflitos e a reinvindicação por justiça e direito à memória em torno de lugares de memória referidos à Ditadura Civil-Militar Brasileira (1964-1985) nas cidades. O artigo tem com objeto de análise as ações de determinados grupos sociais que se constituem para denunciar a permanência de elementos do regime de exceção na vida corrente das cidades mesmo em um período em que vigoram as instituições de um sistema político formalmente democrático. Nesse sentido apresento uma cartografia da memória política recente nas cidades brasileiras, tomando como exemplo, principalmente, a cidade do Rio de Janeiro.</p> Pedro Henrique Campello Torres Copyright (c) 2018 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade 2020-07-30 2020-07-30 12 e020001 e020001 10.20396/urbana.v12i0.8646240 Vulnerabilidade, exclusão e a pobreza no Piauí https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8655948 <p>Neste artigo propõe-se uma análise do Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) a partir do Território Vale do Guaribas no Piauí – um território de pobreza extrema. Tal análise considera o Programa Territórios da Cidadania (PTC) enquanto política espacial e, também, uma política dos números. Identifica-se, de antemão, conteúdos teóricos e políticos deste programa de modo a formular-se interpretações conceituais do índice. &nbsp;Para tanto, procede-se à análise do IVS absoluto e de suas dimensões: capital humano, emprego e renda e infraestrutura urbana. Desse modo, observa-se que: (a) a política dos números existe e é complexa de ser interpretada no que diz respeito a suas variáveis; b) a categoria territórios de pobreza pode ser uma das formas de conciliar variáveis objetivas e subjetivas, reduzindo o campo dos questionamentos e, &nbsp;por fim, c) mesmo se tratando de um índice robusto, observa-se sua dualidade no combate à pobreza. Estes resultados permitem concluir que a política dos números existe e, manipula o tecido social em territórios isolados da Federação. Igualmente, é possível indicar saídas de emergências rumo às boas práticas de combate à fome e a pobreza.</p> Wesley da Silva Medeiros Copyright (c) 2020 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade 2020-09-29 2020-09-29 12 1 33 Dos Suburbios coloridos aos horizontes molhados https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8655956 <p>Nossa historiografia tem dado pouca atenção para os processos de expansão urbana de extensão das cidades na décadas de 1920 e 1930 por meio de planos feitos por profissionais nao indentificados como urbanistas, mas influenciados de alguma forma por diretrizes do urbanismo moderno. O presente texto pretende contribuir para este debate por meio da análise das intervenções urbanas realizadas na cidade de Recife durante o período 1922-1926. Elaboradas e realizadas quando o Estado de Pernambuco estava sob o governo de Sérgio Loreto e a prefeitura sob Antonio de Góes, estas intervenções dirigiram o crescimento para os subúrbios, como a urbanização de Campina do Derby, novo parque e bairro com base nos princípios de design da Garden City e a construção da avenida Boa Viagem, uma avenida costeira de cerca de cinco quilômetros, além de uma série de intervenções pontuais de modernização, retificação e pavimentação de antigos largos e praças em áreas suburbanas. Opondo-se aos padrões tipológicos das áreas centrais, adotou-se uma ocupação de casas isoladas no lote e um desenho urbano moderno.&nbsp; Esses trabalhos de expansão contribuíram para a estrutura urbana do Recife atual. Estas áreas também se tornaram um lugar privilegiado para observar sensibilidades modernas emergentes: esportes, competições, discursos, demonstrações de massa, passeios de carro e desfiles.</p> Fernando Diniz Moreira Kate Viviane Alcantara Saraiva Copyright (c) 2020 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade 2020-09-29 2020-09-29 12 1 40 10.20396/urbana.v12i0.8655956 Coreografias Pedestres https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661142 <p>À luz das teorias da performance (BASTOS, 2017; HAN, 2017; HARNEY; MOTEN, 201; LEPECKI, 2011; 2016) em diálogo com teóricas feministas (BROWN, 2017; BUTLER, 2015; LUGONES, 2003), o presente artigo faz uma leitura crítica do elogio às caminhadas pelas cidades feito pelo filósofo e historiador francês Michel de Certeau. Ao nos afastarmos do referencial linguístico e nos aproximarmos da dimensão coreográfica, apresentamos a noção de coreografia pedestre a fim de repensarmos a politicidade do ato de andar a pé pelas cidades. Para tanto, realizamos uma breve análise das coreografias pedestres dos transeuntes, a fim de demonstrarmos como aquilo que temos chamado de anestética corporal urbana (MARQUES, 2017) pode ser lida como um indício da implementação de uma certa logística no chão do urbano, no que tem sido chamado de Era da performance.</p> Diego Marques Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-04-26 2021-04-26 12 10.20396/urbana.v12i0.8661142 Paisagem urbana e produção do espaço em Feira de Santana (BA): https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8660729 <p>A paisagem urbana revela o processo de produção do espaço, durante dois séculos o município de Feira de Santana (BA) buscou modernizar-se. Por esse motivo, criou-se novas funcionalidades, que antes serviam ao comércio e as feiras livres vivendo sob mesmo espaço. As políticas de urbanização fragmentou os lugares definindo onde os feirantes tinha que ficar, isso revela as problemáticas socioespaciais da própria cidade. A investigação consistiu em utilizar imagens do centro urbano no período de 1919-2019, com imagens de como eram utilizado o espaço pela sociedade. Percebe-se que as politicas urbanas estão voltadas para a expansão urbana, e as características culturais estão perdendo seu espaço sofrendo processo de exclusão socioespacial.</p> Aryane Sinval Alves Mariana Oliveira de Jesús Nacelice Barbosa Freitas Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-24 2021-03-24 12 e020012 e020012 10.20396/urbana.v12i0.8660729 Rio de Janeiro como Cidade Inteligente https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661089 <h3>O Centro de Operações Rio (COR) é uma sala de controle que reúne representantes das agências e secretarias da Prefeitura do Rio de Janeiro e monitora as imagens das câmeras espalhadas pela cidade. Além da gestão do cotidiano da cidade, o centro teve papel relevante na organização para os megaeventos. Neste contexto, a presente pesquisa explora a influência do COR nos novos processos de mediatização da experiência urbana, sobretudo no que tange as mobilidades. Como metodologia, lançamos mão de entrevistas realizadas com pessoas que tiveram papéis decisivos na criação e operação do COR, bem como de uma bibliografia que trata dos temas da mediação, da mediatização e das cidades inteligentes. Além disso, o conceito de cibermobilidades nos ajuda a evidenciar o entrelaçamento das dimensões físicas, virtuais e comunicacionais das mobilidades. A pesquisa aponta que o centro alterou as dinâmicas de mobilidades da cidade, sobretudo por sua integração com apps de navegação e trânsito e sua constante presença nos veículos de comunicação e mídias sociais.</h3> João Alcantara de Freitas Maria Alice de Faria Nogueira Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-23 2021-03-23 12 10.20396/urbana.v12i0.8661089 O Patrimônio cultural no âmbito do porto maravilha https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8659224 <p>Esta resenha se propõe a discutir a partir do livro de Leopoldo Guilherme Pio intitulado “Usos e sentidos no Patrimônio Cultural no Projeto Porto Maravilha, Rio de Janeiro”, alguns de seus principais elementos como a “patrimonialização” e o uso da cultura como ferramenta para a promoção do desenvolvimento no contexto do projeto Porto Maravilha. Esta discussão será articulada a partir destes elementos, conectado com o conceito de <em>city marketing</em> para se pensar a implementação deste projeto em uma área degradada da região central carioca, que se estrutura em torno da cultura negra.</p> Fabio Peixoto Copyright (c) 2021 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-23 2021-03-23 12 10.20396/urbana.v12i0.8659224